Out 16 2017

Assustador

Publicado por João Espinho


foto: Hélio Medeiros
Leia A foto que testemunha o inferno em Vieira de Leiria

Share

Out 15 2017

Beja e a integração de ciganos

Publicado por João Espinho

foto: Público

Escreve leitor/a:

“É importante que de forma clara, se avalie o ponto de partida e herança deixada neste e noutros municípios, bem assim como na CIMBAL, e ainda noutros órgãos que agora vêem novas direcções tomarem posse, tal e como por exemplo na Cáritas Diocesana de Beja. É importante auditar contas de forma séria. Ainda no que se refere à Câmara de Beja na auditoria a efectuar, deve auditar-se as contas da área social e de toda a relação com o Bairro das pedreiras, tentar compreender o que nunca foi pago, tal como a água e porquê???

A gestão desse espaço e da relação com a comunidade cigana que tomou conta da cidade de Beja (onde ainda esta semana chegaram a acampar em pleno parque de merendas), é algo que muitos aguardam com enorme expectativa. Pois para haver direitos tem de haver deveres. A área social do anterior executivo nada fez neste domínio, aliás deixou atrair para Beja centenas de pessoas de etnia cigana, sem um mínimo de condições, a viverem num gueto, contrariando qualquer gestão moderna neste domínio de integração e acompanhamento real pela área social, onde a Segurança social é conivente e também tem fechado os olhos!

Outra das expectativas é a de qual será a postura do novo presidente, se a de um mero presidente de concelho, ou se a de um presidente de uma capital de Distrito, o que não é a mesma coisa!

Todos esperam pela segunda opção, para a qual importa um grande trabalho em rede, de articulação, visão e estratégia

Assim, os interesses instalados e dependências politico-partidárias e outras, assim o permitam!

Um voto de confiança para o Paulo Arsénio, e para a difícil missão de unir todo o concelho e distrito e de iniciar um novo ciclo de Desenvolvimento, há muitos anos aguardado!”

Share

Out 14 2017

Exposição

Publicado por João Espinho

Share

Out 13 2017

Conferência

Publicado por João Espinho

Mais detalhes aqui

Share

Out 13 2017

Uma questão

Publicado por João Espinho

A Comissão Política da Secção de Beja do PSD já reagiu aos resultados de 1 de Outubro?
Provavelmente sou eu que ando distraído.
Então vá, digam-me onde posso ler/ouvir a reacção dos dirigentes de Beja do PSD…

(Sobre a Distrital não pergunto, pois seriam duas questões).

Share

Out 13 2017

Correio Alentejo

Publicado por João Espinho

Share

Out 13 2017

Bom fim de semana

Publicado por João Espinho

Share

Out 13 2017

Diário do Alentejo

Publicado por João Espinho

Share

Out 12 2017

Auditoria externa ao município?

Publicado por João Espinho

No seu artigo “Beja e as expectativas dos Bejenses [parte 1 de 2]”, Luís Palminha, levanta, com seriedade, o assunto:

“Beja precisa de garantias reais. Este novo executivo deve no primeiro momento solicitar uma auditoria externa às finanças do Município. Este foi provavelmente o 1º erro cometido no mandato de 2009-2013 e que permitiu um esgrimir de números até ao final do mandato.

Só uma auditoria externa ao Município permitirá que ninguém faça das contas ou dívidas uma novela interminável na comunicação social local ou através de boatos. Com uma auditoria financeira, este novo executivo ganhará a confiança dos Bejenses pela transparência.”

Que consequências, para quem a requer, pode ter uma auditoria externa às finanças de um município?

Share

Out 11 2017

Beja na rua – compare! (ACTUALIZAÇÃO)

Publicado por João Espinho


Comentários?

ACTUALIZAÇÃO: Luís Palminha, autor da infografia supra acrescenta:
Parece-me fundamental contextualizar a infografia, produzida e publicada no beja.blog

“É certo que muitos eventos realizados tiveram financiamento comunitário, mas o financiamento comunitário não existe pura e simplesmente para aplicar em eventos efémeros e cujo retorno ao Concelho é questionável.

O modelo de aplicação de fundos comunitários em festas e festivais relembra-me a velha história da Cigarra e da Formiga.

Importa decidir quais os principais eventos concentrando esforços para que esses se desenvolvam e contribuam também para o desenvolvimento local.”

(…)

“O Festival Beja na Rua é outro dos grandes eventos que na minha opinião pode e deve ser mantido, mas que necessita avaliação e revisão do seu modelo.

Penso que o Beja na Rua não deve viver de grandes artistas, que embora tragam a Beja imensas pessoas, estas desaparecem assim que terminam os espetáculos.

Há tantas artes que podem passar por Beja. Desde artes circenses de rua, desde teatro de rua, desde teatro de marionetas para os mais pequenos e até mesmo para os graúdos. O Beja na Rua tem potencial para se tornar um evento de referência como um Festival de Artes Performativas e de Rua, com focos de atividades espalhadas por toda a cidade e ainda abrangendo todas as Aldeias do Concelho.

O que não pode acontecer com o Beja na Rua nem tão pouco em outros eventos, são situações como no passado, em que imperava a “engenharia financeira” para subsidiar ou financiar terceiros. Veja-se a comparação na próxima imagem!

Basta analisar para perceber que algo de errado aconteceu a milhares de euros. Financiados ou não, é dinheiro público e este não pode servir para este tipo de operações.”

Dois excertos do ensaio Beja e as expectativas dos Bejenses [parte 2 de 2] que pode ser consultado aqui

Nota: peço desculpa ao Luís Palminha por os créditos não terem de imediato sido publicados. Um problema na edição do post, aliado a uma falha (que persiste) da MEO, adiaram a actualização e este esclarecimento.

Share

Out 10 2017

O regresso dos santanistas?

Publicado por João Espinho

Recordam-se do que escrevi em “O frete“? Isto está tudo ligado, não está?

Share

Out 09 2017

Correio Alentejo

Publicado por João Espinho

Share