Arquivo da Categoria ‘Geral’

Feira das Bibliotecas em Ourique

25 de Setembro de 2019

Consulte aqui a programação.

Share

Roubaram-me a infância

24 de Setembro de 2019

“A ativista Greta Thunberg emocionou-se durante o discurso na Cimeira da Ação Climática, que arrancou ontem em Nova Iorque (Estados Unidos), e acusou os líderes governamentais de lhe terem “roubado a infância”: “Está tudo errado. Não deveria estar aqui. Devia estar de regresso à escola do outro lado do oceano. Mas todos me procuram em busca de esperança. Como se atrevem? Vocês roubaram os meus sonhos e a minha infância com palavras vazias”, atirou em lágrimas a jovem sueca de 16 anos.”
Independentemente de se gostar ou não de activistas, de se considerar isto e mais aquilo, o facto é que Greta Thunberg está a agitar algumas consciências. Melhor: está a incomodar alguns inconscientes.

Share

Elisa Ferreira com sinal amarelo

19 de Setembro de 2019

Elisa Ferreira não tem luz verde à primeira. Eurodeputados pedem esclarecimentos sobre acções da Sonae.
Socialista diz que vai vendê-las ainda hoje. Elisa Ferreira disse ainda estar “consciente” de proximidade operacional com marido.
PS e socialistas no seu melhor.

Share

Sobre a Regionalização

17 de Setembro de 2019

No debate de ontem (Costa x Rio) o tema foi aflorado superficialmente. Sabemos, ou ficámos a saber, que Rio era contra e agora já não é. Que Costa era e é a favor mas, para não criar melindres com o Presidente da República, não avança com o tema, ignorando-o no programa eleitoral do PS para a próxima legislatura. Costa refugia-se num relatório produzido por uma comissão independente para a descentralização, que será discutido pelas bancadas no próximo quadro parlamentar.
O assunto, sabe-se, é fracturante, dividindo transversalmente os portugueses. Os artigos de opinião vão surgindo, ora por entendidos, ora por apoiantes do pró e do contra. Também os há que, com receio de beliscar interesses instalados, opte por um “nim“, tipo nem carne nem peixe. Leia-se o editorial de Luís Godinho no seu DA, para se perceber como são enviesados os caminhos para chegar à almejada Regionalização. Como a mesma tem de ser sujeita a referendo popular, das duas uma: ou se muda o povo – coisa mais difícil, ou muda-se a Constituição. Baseado numa sondagem, e citando um professor catedrático, Luís Godinho enfatiza: Não é despiciendo que a mesma sondagem revele, por exemplo, que 48 por cento dos lisboetas seria contra a transferência da gestão dos fundos comunitários para as futuras regiões. “Será assim tão difícil modificar a Constituição portuguesa nesta parte, tornando-a neutra?”
Cá está, não se podendo mandar os lisboetas por rio abaixo, altera-se a Constituição e a coisa resolve-se.
Para vermos como andam as hostes regionalistas, leia-se o eurodeputado Carlos Zorrinho que, sem pestanejar perante o relatório da tal Comissão, deseja que a coisa seja feita de modo gradual (modernização do quadro legislativo) que consagre uma base territorial coincidente com as actuais CCDR.
Isto resume-se muito bem: criam-se comissões inundadas de caciques locais (legitimados pelo voto dos autarcas) e reparte-se o país em parcelas administrativas, transformadas em “albergues para os quadros da província”.
Se houvesse uma verdadeira vontade em descentralizar, essa descentralização já estaria consignada na Lei. Mas não, vão-se dando passos, aparentemente nesse sentido, mas no fundo, o que se pretende é que a descentralização falhe. Para depois aparecerem os Zorrinhos e Cravinhos a dizer que, afinal, temos de fazer a regionalização.
Vamos estar atentos e, sempre que necessário, alertaremos para as acções de quem nos quer tomar por parvos.

Share

Correio Alentejo

13 de Setembro de 2019

Share

Order! Order!

12 de Setembro de 2019

Os gritos de “Ordem! Ordem!” tornaram-se a sua imagem de marca mas John Bercow, o speaker da Câmara dos Comuns que esta segunda-feira anunciou a sua demissão, deixa para trás uma década de simpatias e inimizades naquele cargo histórico. Desde que assumiu funções, em junho de 2009, Bercow viu passar pelo número 10 de Downing Street os primeiros-ministros Gordon Brown, David Cameron, Theresa May e Boris Johnson. Dos quatro, apenas Brown é trabalhista, os restantes são conservadores.
Leia o artigo publicado no Expresso: A bronquite afastou-o dos courts mas nunca lhe faltaram pulmões para pedir “ordem”

Share

11/9/2001 – O dia em que o Mundo mudou

11 de Setembro de 2019

Lembra-se? Que memórias tem desse dia?

Share

Feira em Ferreira do Alentejo

9 de Setembro de 2019

Share

Concertos

30 de Agosto de 2019

Hoje à noite os HICTAL animam a noite em Santa Vitória.

Também esta noite, Aurea vai estar no palco da Feira anual de Cuba.

Share

Sobre o Ensino em Portugal

27 de Agosto de 2019


– Sabe fazer a raiz quadrada
?

– Com calculadora, sei.
– Sem calculadora, não.
Segunda pergunta: quantas vezes precisou de usar a raiz quadrada na tua vida?

– Provavelmente, nenhuma.
– Quando pergunto isto a mil professores num auditório, ninguém sabe. Por que é que a raiz quadrada faz parte das aprendizagens essenciais se ela não é utilizada por milhares? Quando precisar dela, vai à internet e aprende em cinco minutos. Procura porque precisa desse instrumento, desse algoritmo. Aprendeu a raiz quadrada? Sim. Fez testes sobre isso? Sim. Aprendeu? Não. Um teste nada avalia, ou melhor, avalia a capacidade de retenção na memória de curto prazo de determinada informação para debitar num papel e esquecer. A memória é esperta.

Leia  a entrevista do Professor José Pacheco.

Share

Importa-se de repetir?

26 de Agosto de 2019

“Não há nenhuma fatalidade relativamente àquilo a que nos habituámos erradamente a chamar interior. Aquilo que é necessário é ter por um lado uma grande vontade política, uma grande convicção de que, a partir destes territórios, é possível fazer mais, é possível fazer melhor, é possível fazer diferente”
António Costa ignora Beja e os baixo-alentejanos. Merecia resposta idêntica no próximo dia 6 de Outubro.

Share

Nem um passo atrás!

12 de Agosto de 2019

Os motoristas em greve gritam “nem um passo atrás!” em Aveiras, mas essas palavras tiveram origem na Moscovo de 1942. O lema serviu para proibir deserções em combate contra as tropas nazis.

Share