Arquivo da Categoria ‘Geral’

Beja – cavalos à solta

22 de Abril de 2014

cavalos a solta em beja
foto: radio pax

A notícia: aqui

Share

Garcia Márquez

18 de Abril de 2014


Março 1927 – 17 Abril 2014

Share

A capa do DA

17 de Abril de 2014

diario alentejo

Share

magnífico

16 de Abril de 2014

Share

Afinal está lá um

14 de Abril de 2014

lista aliança portugal

Andavam por aí a dizer que a Lista Aliança Portugal não tinha nomes do Baixo-Alentejo nem do Distrito de Beja. Afinal, está lá um nome de Moura.
É verdade que vai como suplente, mas está lá. Ora toma!

Share

Correio Alentejo – hoje nas bancas

11 de Abril de 2014

CORREIO ALENTEJO11ABRIL

Share

Hoje há Diário do Alentejo

11 de Abril de 2014

DA_11ABR

Share

A desertificação do interior

10 de Abril de 2014

Destaco opinião deixada em caixa de comentários:

“Falemos então de coisas sérias. O despovoamento do interior de todo o país e não apenas do Alentejo resulta, da inexistência, ao longo de todos estes anos, de políticas de desenvolvimento regional e de um centralismo absurdo de Lisboa. Não fossem as autarquias e o panorama seria certamente ainda muito mais negro.
Atualmente, este é antes de mais um problema de política, de ideologia, uma vez que o Governo e os partidos que o suportam ( à semelhança do que acontece a nível europeu) defendem (com a desculpa do controle da despesa publica) um centralismo cada vez maior, num total desrespeito pelos princípios da subsidariedade, da descentralização e da governação multinivel.

Do meu ponto de vista, sem a criação das regiões administrativas e políticas, nível intermédio de governação inexistente em Portugal (ao contrario do que acontece na maioria dos países europeus), nunca iremos ter políticas de desenvolvimento regional devidamente ajustadas aos territórios e potenciadores dos recursos endógenos para o desenvolvimento. Em alternativa, poderiam, em parte, as comunidades intermunicipais desempenhar esse papel, mas infelizmente os umbigos da maioria dos autarcas e a miopia político partidária sempre foram e serão impeditivos de que isso aconteça. Seria preciso conseguir alinhar objetivos e coordenar e fazer convergir estratégias e ações.
No baixo alentejo, com a presente composição política da CIMBAL, de maioria comunista, o Plano Integrado de Desenvolvimento elaborado no anterior mandato já consensualizado e os FC 2014/20 disponíveis, o atual presidente da capital do distrito e da comunidade, tem o trabalho facilitado e, por isso, a obrigação de não falhar os objetivos de desenvolvimento da região. Se terá capacidade e saberá fazê-lo, vamos ver…mas até ao momento os sinais são francamente desoladores, sobretudo pela omissão e inoperancia.
Para estancar a sangria populacional e progressivamente inverter esta tendência demográfica será necessário criar uma estrutura sócio económica que sustente o emprego e a criação de mercado e de riqueza, condições indispensáveis para a fixação de pessoas e para a sustentabilidade económica do território. É o que está a acontecer com os projetos estruturantes de Sines e Alqueva e poderia também verificar-se com o Aeroporto e o Sistemas de Aguas do Alentejo.
Mas o problema é mais complicado nos concelhos periféricos a estes projetos, nos quais é preciso identificar a vocação económica estruturante e desenvolver, com forte financiamento publico dos FC, da administração central e local, projetos também estruturantes que criem a dinâmica económica indispensável, em áreas como, por exemplo, o turismo e a economia social.”

Share

Concerto no Pax Julia

10 de Abril de 2014

cartaz

O Teatro Municipal Pax Júlia recebe esta noite, a partir das 21.30 horas, o concerto de encerramento do 12º Curso para Instrumentistas que o Conservatório Regional do Baixo Alentejo tem estado a promover.
(ler aqui)

Share

Investimentos prioritários até 2020

8 de Abril de 2014

rede feroviária

O executivo de Passos Coelho divulgou esta terça-feira a lista dos investimentos prioritários em infraestruturas e transportes até 2020.
Nos próximos anos vão ser investidos cerca de seis mil milhões de euros nos sectores portuário, ferroviário, rodoviário, aeroportuário e em transportes públicos.

Da lista, destaco:

Sector ferroviário

- Corredor Sines/Setúbal/Lisboa – Caia – 800 a 1000 milhões
- Linha do Sul – 20 milhões
- Linha do Sul (terminal de Termitrena) – 14 milhões
- Linha do Sul (Ramal de Neves Corvo) – 11 milhões

Sector rodoviário

- IC33, Reabilitação Relvas Verdes (IP8) – Grândola (IP1) – 40 milhões
- IP8, St. Margarida do Sado – Beja – 15 milhões

Sector aéreo e aeroportuário

- Desenvolvimento do aeroporto de Beja – 3 milhões

Ler aqui

Share

Photoshop – Curso de iniciação – Beja

7 de Abril de 2014

curso photoshop

Share

Diário do Alentejo – a capa

6 de Abril de 2014

da4abril

Share