Arquivo da Categoria ‘Blogosfera’

10 anos de barbearia

17 de Julho de 2017

É obra. E o Luís, sempre que pode, vai ali para as marés de Cabanas aparar as sobrancelhas dos veraneantes.

Share

Um roubo honesto

12 de Julho de 2017

Escreve Pinho Cardão:
“Regressou o 1º Ministro e logo tudo se esclareceu. Aquilo de Tancos foi uma brincadeira de crianças. Segundo o Chefe do Estado-Maior General o material não valia mais que 34.000 euros e parte dele até estava inoperacional, a aguardar abate. E António Costa até foi mais afirmativo, generalizando a inoperacionalidade a todo o equipamento desviado.
Bom, por mim, perante as afirmações de tão circunspectas autoridades militares e políticas, só posso concluir que o alegado roubo foi uma acção virtuosa, pelas simples razão de ter poupado ao governo e ao exército as despesas de se desfazer do material.
Assim, sim, um roubo honesto e proveitoso para os contribuintes e digno dos maiores elogios!…”

Share

Intrigas

4 de Julho de 2017

O último ministro da defesa que perguntou pelo “paradeiro das armas” foi Adelino Amaro da Costa. (aqui)

Share

Beja – A culpa é do governo central

26 de Junho de 2017

“Beja, ainda não se realizou plenamente, e quem cá vive sente isso na pele. O motor de qualquer cidade ou região, em Portugal, é o Estado. O governo central. O poder político. Lisboa. Podem ser dados vários nomes, mas o “dono disto tudo” é o mesmo. (…)
A culpa, é do governo central que nunca olhou para a cidade como um centro importante de votos, capaz de decidir uma eleição. Porquê investir numa região, criando uma perceção positiva na população relativamente a quem nos governa, se o nosso distrito apenas representa 3 deputados na assembleia da república? Quando temos Braga (elege 19 deputados), Setúbal (elege 9 deputados), pensarão os “táticos” dos partidos.
Em suma, o atraso ou progresso, é definido por quem nos governa. E só mudará, quando quem nos governa parar de agir como se Portugal fosse Lisboa e o interior do país não existisse. (…)

Leia aqui o post do “Mais Beja”

Share

A elite bejense

11 de Junho de 2017


foto: joão espinho

Escreve José Frade em comentário aqui:

“Faço parte de uma geração de jovens médicos que se deslocou para Beja vindos do Porto, de Coimbra e de Lisboa. Um traço comum entre os elementos desse grupo era um certo idealismo, ainda que sentido em diversas tonalidades. Uma parte desse grupo foi ficando, passaram-se quase quatro décadas e alguns resistem. No que me diz respeito, passo a um registo pessoal. Em 1980, vinha engajado na militância de desenvolver os serviços de saúde numa perspectiva de integração e na missão pública. Apesar de ter uma vivência de centros urbanos muito maiores, não me foi difícil adaptar-me às características da cidade e da cultura dos seus habitantes. Trilhei os primeiros vinte anos da carreira com paralelo envolvimento cívico. Contribui com o meu trabalho para a evolução e crescimento do Hospital de Beja. Vi que a cidade crescia e as mentalidades evoluíam. A aldeia parecia estar seguramente a ficar num tempo passado. Entrámos num novo milénio determinados a enfrentar os desafios. Parecia-me que essa era a atitude da Elite Bejense. Ilusão minha. Os anos vieram a demonstrar a descrença em si próprios que tomou conta dos bejenses. Passividade, inibição, conformismo, ausência de atrevimento criativo. Qual o fator que determinou que esse derrotismo se instalasse nas mentes? Não sei, não avanço qualquer hipótese. Parece-me que os recursos materiais e naturais existem aqui. Mas o aproveitamento das potencialidades depende na iniciativa dos indivíduos. É este um problema educacional ou sociológico?”

Este comentário foi destacado como “Comentário da semana” no Delito de Opinião.

Share

Beja – uma herdade murada?

11 de Junho de 2017


foto: joão espinho

Sobre o que aqui escrevi, comentou um leitor:

“Vivi em Beja na década de 80.
Lembro-me do desperdício gerado pelos fundos europeus da PAC. E dos marcos da Luftwaffe.
A Belle Epoque alentejana, esses saudosos anos 80.

Em jipes, barcos, e montes alentejanos, foram parar os dinheiros europeus. Não na modernização do tecido produtivo.

Fala em mais Estradas? Ou em acabar as projectadas? Fala na locomotiva? No avião?
Vá a Trás os Montes e veja o que por lá se passa, ou que deveria passar não com a pressa alentejana. Beja e o Baixo Alentejo já estão mais que servidos. Na Primavera-Inverno quando por lá vou, nem um carro vejo na Autoestrada que a serve, antes de entrar no IP-8. E nesta mesma estrada circula-se velozmente. Para quê então mais estradas? Tapem-se antes algumas.

Fale antes nos Serviços de Saúde medíocres que Beja oferece aos seus cidadãos (O Hospital Distrital até há pouco tempo teve a sua maquineta de TAC avariada durante semanas. Cardiologistas até há bem pouco tempo era um ou dois, etc – Quem lucra com isso? As clinicas privadas e os consultórios que abundam nessa vila despida?)

Beja….
O latifundiário, de peito aberto mostrava o pelo com que era feito. Do bordão, junto à cruz do peito, mostrava o santinho em que não acreditava, mas que lhe dava jeito. A sua oração era a do pito. A mulher, tida ou mantida, aprimorada e vestida à espanhola, fazia da loja, no centro da cidade, não um negócio, mas uma sala de chá, onde se bebericava laudações à maledicência. E se mostrava, da montra fez lema de vida.

Os grandes beneficiários? As mesmas famílias que fizeram e fazem (?) de Beja, há décadas, a sua herdade murada – Em Beja a ascensão social é inexistente. Call centers, manicuras, ou cafés são as suas Novas Oportunidades. Até os Serviços, Beja tem perdido para Évora….em Beja é o apelido e não a mão que marca o destino.

Beja definhou desidratada de vontades e abandonada de valores…

Uma cidade que fez da sombra e dos cantos, a sua mesa de operações. Pelos Partidos, pelo “conhecimento” do apelido, e pela informação privilegiada traficaram-se sinecuras- ex: EDIA/PSD, Câmara Municipal/PS/PCP,etc

Quem chupou Beja até ao osso? Os mesmos que nesses anos olhavam para o lado quando se falava em voz baixa, num misto de indignação e ironia, ao som de um fado árabe a tinto, as indignidades que por lá se pavoneavam – durante muito tempo Beja teve no pavão do jardim publico o seu totem.

Mas era a Belle Epoque, e todos, de uma ou outra forma lucraram com o roubo concedido. Mataram a terra e as suas gentes. Mas ninguém os pode levar a mal. Era a Belle Epoque.

Share

Beja merece+ no Delito de Opinião

5 de Junho de 2017

Há uns anos, o Pedro Correia decidiu abrir, ocasionalmente, as portas do Delito de Opinião a diversos editores de blogs. Porque a iniciativa foi um sucesso, resolveu reabrir os portões à nossa participação.

    Agradecendo-lhe o honroso convite, escrevi no Delito o texto que se segue:
Ora cá estou eu a aceitar o repto do Pedro Correia para pisar a passadeira vermelha do Delito.
É com agrado que aqui regresso.
Espero que os habituais leitores do D.O. não saiam defraudados.
Quem há muito frequenta a blogosfera já deve ter passado pela minha Praça, a da República, em Beja.
Sim, quem diria que a província, nesse Alentejo profundo, para além de bom vinho, pão de categoria superior e um dos melhores azeites do planeta, para além de um sol ardente, poetas e cantores – e muito principalmente cantadores, de gentes afáveis com aparência por vezes rude e ar entristecido, quem diria que esta terra que tem quase tudo, também em tempos pariu um blog que persiste em sobreviver e em viver lá no seu cantinho resguardado numa terra que há quem queira mandar para o abandono.
Disse-vos atrás que nós, aqui os de Beja, temos quase tudo. O que nos falta então?
Talvez gente aguerrida, destemida, sem receios de lutar pela sua terra.

Vem isto a propósito do quê?

Bem, quem queira vir a Beja tem várias alternativas. Por terra, onde as estradas estão velhas e onde as auto-estradas são uma miragem que tem dificuldade em concretizar-se. Iniciadas as obras, a troika e quem manda neste país, logo decidiram suspender as mesmas. São viadutos e quilómetros de terra esventrada, à espera de anos eleitorais para que as obras possam avançar mais um ou dois quilómetros.
Por via aérea também seria uma possibilidade, mas o aeroporto – sim, temos um aeroporto – teima em não descolar. Ora por isto, ora por aquilo, o facto é que o Aeroporto Internacional de Beja (como eu gosto deste pomposo nome) não recebe passageiros. Estavam previstos milhares, muitos milhares, de pessoas a aterrar e a descolar na planície, mas… plof! Nesta terra quase tudo não passa de um grande plof.
Mas a via mais aconselhável é a ferroviária. É uma aventura, um passeio turístico inigualável. Se sair de Lisboa, pode contar com uma paragem obrigatória em Casa Branca. A nossa, a alentejana, onde deverá mudar de comboio. Isto é, abandona o Intercidades (linha electrificada) e entra para uma composição dos anos 50 – a CP tem uma atracção pelo vintage – pois a linha até Beja não comporta comboios e carruagens de geração recente e em bom estado. Antes de vos contar como são as diesel onde embarcamos para a capital de Distrito, convém realçar que o transbordo do IC para a carroça pode demorar algum tempo, muito tempo, pois a carroça está, normalmente, avariada, e temos que esperar que venha outra automotora que, também ela, pode avariar. A espera faz-se numa estação sem condições, onde os passageiros ficam à mercê de ventos, chuvas e frios (no Inverno) ou de temperaturas escaldantes, como só o Alentejo conhece no Verão.
Embarcados na automotora, tudo pode acontecer. É uma aventura digna de um filme de Lynch. Carruagens climatizadas? É mentira! Um serviço de mini-bar para tentar matar a fome ou a sede, é uma miragem. Os vidros, por estarem todos grafitados, não permitem que se aprecie a paisagem. As luzes estão em constante intermitência. Há ruídos que ninguém sabe identificar. A qualquer momento espera-se o pior. Sugiro que vejam os 20 segundos deste vídeo. Estou quase a terminar, até porque a viagem está a chegar ao fim. Invariavelmente com atraso significativo, o que acontece quase diariamente. E nos dois sentidos.
Perguntam os leitores: e por que razão não apresentam queixa? Pois é, julgo que largas centenas de reclamações foram já feitas à CP, REFER, DECO, etc…
Respostas? Nada, zero!
Termino com o lema que nos une num movimento: #bejamerece +
Oxalá alguém nos dê atenção. Beja merece!

Aos leitores do Praça: Vão ao Delito (aqui), deixem a vossa opinião e divulguem. Obrigado

Share

Vocês não sabem

3 de Junho de 2017

blog
Este blog celebrou, recentemente, 14 anos.

11230 artigos
48978 comentários.
Obrigado.

Share

Ricardo Cataluna regressa aos blogs

17 de Abril de 2017

Diz o Ricardo:
“E assim estou de regresso ao mundo dos Blogs, após uma ausência de alguns anos. Já foi o Bom Gigante e o Eu é mais bolos – agora é uma nova aventura: Isso é lá deles… uma expressão usada pela minha avó quando queria responsabilizar os outros por tudo o que acontecia de mal. Diga-se que é uma sensação bem tuga.

Este blog também surge como um regresso à escrita após uma colaboração de mais de 5 anos com o Diário do Alentejo. Este quer ser um blog humorístico, com piadas soltas, crónicas e otras coisas que com o tempo serão reveladas. Dentro de dias, haverá uma novidade: um podcast!

Fiquem atentos. O melhor está para vir!

Share

Falhas

14 de Abril de 2017

Estamos a tratar do assunto.

Share

Os Abrantes

22 de Fevereiro de 2017

O blogue foi uma das principais armas de comunicação do período socrático: além fazer um permanente levantamento dos artigos de opinião mais favoráveis a José Sócrates e ao seu Governo, os autores da página nunca se coibiram de criticar fortemente todos os adversários do ex-primeiro-ministro — e sempre sob a proteção do anonimato. A perda de influência da página coincidiu com a diminuição do fulgor da blogosfera, mas a verdadeira identidade de “Miguel Abrantes”, o misterioso pseudónimo que assinava grande parte das publicações, e as alegadas ligações da página ao aparelho socrático chegaram ao radar dos investigadores da Operação Marquês.

Leia aqui toda a história.

Share

Dar palco a um cadáver político*

20 de Fevereiro de 2017

Não, não me estou a referir a Cavaco Silva. Podem limpar a saliva.
Refiro-me a um dos visados no livro: José Sócrates.

* expressão retirada daqui

Share