Nov 21 2021

Hospital de Beja – a morte anunciada

Publicado por as 15:00 em A minha cidade

Escreve Bruno Ferreira no seu Facebook:

“Acabo de ser contactado por um profissional do Hospital de Beja que, por motivos óbvios, não vou identificar.

Tudo o que ouvi é demasiado dramático. O Hospital de Beja está em alerta vermelho em vários serviços, especialidades, e comodidades. A saber:

OTORRINO
: havia em Beja um único médico especialista em otorrinolaringologia, sendo público que estava na iminência de se reformar. Chegado esse momento, Beja ficou sem esse serviço. Os doentes serão referenciados para Évora e Lisboa. Esta é uma especialidade que tem uma elevada procura por parte da população, e que se ocupa das doenças do ouvido, das fossas nasais, da faringe e laringe, (incluindo doenças oncológicas), bem como dos distúrbios do equilíbrio e da voz. A população do Baixo Alentejo deixou de ter acesso a todos estes serviços.

UROLOGIA: existe apenas um urologista no Hospital de Beja. E que está, igualmente, prestes a entrar na idade de reforma. Também esta especialidade se anuncia como estando prestes a chegar ao fim, em Beja.

CARDIOLOGIA: existem apenas 2 cardiologistas no hospital de Beja (marido e mulher). Quando vão de férias, não há serviço de cardiologia (que é, apenas e só, a especialidade que trata uma das principais causas de morte no Baixo Alentejo).

PNEUMOLOGIA: existe apenas 1 pneumologista no hospital de Beja. Quando vai de férias o serviço encerra.

HEMATOLOGIA: existe apenas 1 hematologista no hospital de Beja. Nas suas férias o serviço encerra.

ENDOCRINOLOGIA: já não existe esta especialidade básica no Hospital de Beja.

GASTROENTEROLOGIA: não existe internamento; apenas se realizam exames elaborados por tarefeiros.

PEDIATRIA: neste serviço, o internamento dá-se em enfermarias de três camas, e tem capacidade de 12 crianças, com 12 pais. Uma casa de banho. Tendo em conta que a maioria das crianças são internadas por patologias infecto-contagiosas, é gritante oferecer uma única casa de banho a todos estes utentes.

CIRURGIA GERAL: é uma especialidade essencial e indispensável em qualquer Hospital Distrital. Em Beja encontra-se em forte decadência, com muitos profissionais a reformarem-se, e outros em idade da reforma. Parece haver a possibilidade de deixar de receber médicos para formação na especialidade. O que será da especialidade? O que será dos Baixo Alentejanos?

OBSTETRÍCIA: funciona maioritariamente com recurso a médicos tarefeiros. Não existe nenhum estímulo para fixar profissionais de saúde no Hospital de Beja. Fui informado que um médico estrangeiro que tem estado a desempenhar funções no serviço está prestes a deixar o Hospital porque a sua mulher, igualmente estrangeira, não encontra emprego em Beja. O Hospital não manifestou a menor disponibilidade para conseguir emprego para a mulher do médico e perde, assim, um jovem quadro que quereria fixar-se em Beja definitivamente.

INTERNAMENTO: as condições são cada vez mais precárias no Hospital de Beja, dando razão à urgência da ampliação do Hospital, projectada e reivindicada já há 40 anos. Na maioria dos internamentos existem 25 camas e uma única casa de banho o que, em contexto pandémico, é ultrajante. Num dos serviços do Hospital, a segunda casa de banho existente, destinada a todos os profissionais de saúde (médicos, enfermeiros e auxiliares) não pode ser usada há 2 meses para cuidados de higiene, uma vez que infiltra a sala de Raio-X que existe no piso zero. Os profissionais de saúde estão, assim, há dois meses privados de condições básicas de higiene.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Beja continua a ser o único Distrito do País sem recurso a este equipamento apesar de, segundo as notícias, o concurso já está a decorrer, prevendo-se que o equipamento chegue ao Hospital no fim de 2022. No resto da Europa, qualquer região dispõe deste importante aparelho, quase considerado como básico no contexto de saúde actual. No Hospital de Beja solicitam-se cerca de 30 destes exames básicos por semana. Essas pessoas vão todas para a clínica Affidea em Évora. De quem é o negócio?

Entretanto são já conhecidas as Vagas de Formação Específica, ou seja, de Internato Médico para este ano, e a diferença verificada entre Beja e Évora é enorme, nunca tendo sido tão desequilibrada.

É preciso, com urgência, fazer alguma coisa. O Hospital de Beja definha de dia para dia. É fácil imaginar o que será deste – que já foi um dos Hospitais de referência de Portugal – quando for feito o mega hospital de Évora, (que fica apenas uma hora dos grandes hospitais da região de Lisboa) e que vai custar 400.000.000 de euros. Será que Beja e o Baixo Alentejo merecem este tratamento?”

Share

4 Resposta a “Hospital de Beja – a morte anunciada”

  1. Rafa diz:

    Sem comentários.

  2. ATENTO diz:

    Sabia que estava mal…mas tanto?

  3. Eduardo diz:

    Quando formos atropelado ao sair de casa ou nos der uma de de barriga ou o covid atacar à séria ou começarmos a ficar sem poder sorrir nem levantar os braços, é bom que se saiba como está o sítio onde nos vamos despedir da vida, e começar desde já a agradecer a quem nos representa junto do poder e da decisão e do dinheiro e das verbas consignadas..

  4. REFRESCO diz:

    Isto é muito simples de resolver, é só votar PÉIESSE nas próximas legislativas ou votar num PÈCEPÈ ou BE, claramente q desta vez será diferente e irá tudo mudar para melhor.
    Nem sei como a administração não é posta a andar, se isto é uma boa gestão nem sei o q será uma má.
    #VaIfIcArTuDoBeM

Deixe Uma Resposta