Ago 31 2021

Entrevista com Vitor Picado (conclusão)

Publicado por as 14:00 em Autárquicas 2021


(conclusão da entrevista)

4- O Centro Histórico de Beja aparece, em cada disputa autárquica, como bandeira das forças concorrentes. O que é que a CDU propõe para revitalizar o CH, que ideias tem para chamar as pessoas para o centro da sua cidade?

R: A CDU propõe-se relançar dinâmicas culturais que permitam ancorar eventos e iniciativas com vista a proporcionar no Centro Histórico a afluência de públicos e incentivar a animação de processos de intervenção, que envolvam ações de produção cultural. Os equipamentos museológicos têm que ser articulados em rede e projetar as suas funções fundamentais, associando os acervos e bens culturais que encerram, por forma a trabalhar uma oferta patrimonial que dê suporte à necessária atratividade turística, conciliando os diversos núcleos museológicos e melhorando as suas instalações. Ao nível do património imaterial há que potenciar as valências do Centro Unesco e reforçar novas valências, relacionadas com o cante, as oralidades, etnografia, entre outras, e cerzir este âmbito com os núcleos da Biblioteca e da Casa da Cultura, em termos de desenvolvimento de projetos. A arte contemporânea e a Banda Desenhada, também constituem domínios importantes de afirmação da Cidade e do Centro Histórico (CH). A reabilitação do edificado urbano é um desafio gigantesco, sendo necessário procurar soluções que passem por diversos domínios, desde os mecanismos de economia urbana, na perspetiva de harmonizar a oferta e a procura por edifícios destinados à função residencial e a usos económicos e associativos, até à reabilitação dos espaços públicos subordinada ao objetivos de revitalização do imobiliário, passando por soluções de ordenamento que promovam funcionalidades complementares, como por exemplo o estacionamento e os serviços de proximidade. Para isso, é necessário estruturar e organizar dinâmicas de atração de investimento para o CH, e aprender com experiências externas, portadoras de resultados positivos, que se revelem exequíveis, adequando-as às realidades de Beja; não nos podemos fechar num casulo e “assobiar para o lado”, esta é daquelas questões que o tempo não cura, antes pelo contrário, piora; portanto, há que agir, inclusivamente com a noção do risco que representa a incerteza do sucesso. Para isso, há que claramente trabalhar com todos os que tenham protagonismo neste espaço que é estruturante para a cidade, partilhando riscos, que nos levam a alegrias, mas também a tristezas. Não nos podemos vergar às dificuldades, porque a única certeza que se pode ter, reside na convicção de que se não se travar agora estas batalhas, a cidade assistirá ao declínio acelerado do seu Centro Histórico. Perante esta evidência, não podemos deixar que isso aconteça, fundamentalmente porque é nosso dever dignificar a obra de quem nos antecedeu e honrar quem nos vai suceder.

5 – De que forma pretende a CDU apoiar os empresários e a iniciativa privada?

R: O apoio às atividades económicas é uma questão essencial, porque, a par de outros estrangulamentos, a falta de emprego é a principal causa da regressão demográfica. A partir deste reconhecimento, é importante atuar em três áreas distintas.
Primeira, empreender uma magistratura de influência, para criar as condições necessárias ao desenvolvimento das acessibilidades e concretização dos objetivos iniciais dos programas dos projetos estruturantes. Para isso, nem que o Presidente da Câmara passe semanas seguidas nos corredores do poder. Só a título de exemplo, se o mix de culturas identificado nos estudos do EFMA, tivesse sido implementado, e não as monoculturas atualmente existentes, seguramente que o Concelho não teria perdido os quantitativos demográficos que perdeu. Poderíamos ter outros problemas, mas seguramente que este não teríamos. Atenção, este problema para mim é o mais sério, por ser efetivamente estrutural; basta interrogarmo-nos: o que representam territórios sem pessoas? São autênticos desertos, onde a própria história humana fica suspensa no silêncio profundo dos tempos. E se o programa inicial do Aeroporto, o que justificou o investimento, tivesse sido significativamente implementado, ou seja, de acordo com a cronologia inicialmente prevista, provavelmente teríamos cerca de mil empregos gerados. Aqui chegados, é caso para questionar, ou os estudos estavam errados, ou pouco foi feito para alcançar os objetivos traçados; dito de uma forma cruel, ou nos enganaram, ou andam a enganar-nos. Perante esta realidade, não temos outra hipótese senão esclarecermos este assunto de uma vez; para isso, não nos podemos resignar com desculpas avulsas, há que ir ao cerne da questão.

A segunda área diz respeito à necessidade do Município atrair e acarinhar os projetos empresariais, priorizando aqueles que são intensivos em capital e em mão-de-obra. Mais, uma vez analisadas as intenções desses investidores e a viabilidade dos projetos, o Município deve comprometer-se a apoiá-los, inclusivamente junto das diversas administrações, central e regional, através da magistratura de influências, de forma transparente e cristalina, sem opacidades de qualquer tipo.

A terceira, dependente integralmente do Município, assenta na disponibilização de terrenos a custos controlados, devidamente infraestruturados, e facilitar os licenciamentos, inclusivamente os que precisam de decisões externas; neste caso acompanhando, se for caso disso, os próprios promotores dos projetos para tornar mais céleres e facilitados os respetivos processos. As isenções e outros incentivos municipais constituem instrumentos já existentes, podendo naturalmente serem revistos, se for justificável.

6 – Caso seja eleito Presidente da Câmara Municipal, qual será a sua primeira prioridade?
R: A revitalização do Centro Histórico e a atração do investimento.

Share

7 Resposta a “Entrevista com Vitor Picado (conclusão)”

  1. bejense diz:

    Alguém que explique isto.
    Contrato de prestação de serviços até final de 2023? Qual a urgência de se fazer agora? Não há técnicos na câmara para realizar estas funções?
    Qual o currículo da contratada que a habilitam a ser contratada? Houve anúncio público para este contrato? Mais alguém concorreu?
    Despacho da vereadora Marisa, assinado pelo presidente no dia 27 de agosto de 2021, a um mês das eleições. Isto é normal?
    https://www.base.gov.pt/Base4/pt/resultados/?type=doc_documentos&id=1057246&ext=.pdf

  2. Sergio diz:

    @ Bejense – – Quem é a D. Paula Cristina Tobias e o que faz?

  3. João Espinho diz:

    @sergio – mistério

  4. Carlos diz:

    Bejense, técnicas na câmara há com fartura, daquelas comunistas que só trabalham para o sindicato

  5. medo diz:

    Que deus nos livre deste homem ir para a câmara

  6. João Espinho diz:

    @medo – reze aí umas orações para que o Arsénio se espalhe ao comprido.😂

  7. Indeciso diz:

    A expectativa é que nao ocorra o sucedido nas ultimas autarquicas, ie, o aniquilar do psd em prol do ps.

    Nao sendo esse o caso, ver se á o que sucede com a dispersão de votos…

    Por nao apreciar o modus operandi do actual edil (não concebo como se governa via fb), garantidamente nao terá o meu apoio

Deixe Uma Resposta