Set 19 2020

Ceia da Silva e o polvo socialista

Publicado por as 19:53 em Geral

Transcrevo comentário de leitor:

“Querem saber o que Ceia da Silva pensa sobre estas eleições? Vão ao facebook do presidente da Assembleia Municipal de Estremoz, Nuno Rato e vejam o vídeo que este publicou com a intervenção de Ceia no congresso do PS de Portalegre.
O resumo que Nuno Rato fez :
Não foi preciso começar a campanha para as eleições da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA) para o candidato indigitado pelo PS, Ceia da Silva, meter todo o jogo na mesa, que já se conhecia mas não era crível que fosse revelado de forma tão evidente: o PS está a partidarizar de forma ignóbil estas eleições, relegando os interesses do Alentejo para plano secundário. Ceia da Silva disse no Congresso da Federação do PS de Portalegre, este sábado, que deve ganhar as eleições apenas por ser do PS e por ser, disse ele, o candidato do Secretário-geral e primeiro-ministro, António Costa. E que se perder é uma derrota do secretário-geral do PS, numa tentativa de se desresponsabilizar desde já de uma muito provável derrota. “O distrito de Portalegre não está com o Ceia da Silva, está com o PS nesta luta pela CCDRA”. Revelador. E triste. Tenho estima e consideração pelo Ceia da Silva e reconheço o seu trabalho no Turismo do Alentejo, mas esperava mais.
Roberto Grilo, está à espera de quê para anunciar a sua candidatura?”

Share

6 Resposta a “Ceia da Silva e o polvo socialista”

  1. Marcus diz:

    Confesso que tenho alguma dificuldade em perceber este tipo de críticas ao PS tal como no tempo de Cavaco Silva ao PSD.
    Quando o povo português por desinteresse de uns que não votam e de outros que têm a consciência de que com o seu voto irão dar a maioria a um partido político. O que é que se espera depois, senão a sua hegemonia e os consequentes e inevitáveis abusos de poder da sua parte.
    Mas, o hilariante da situação, é que o PS não tem a maioria absoluta, e para governar à sua vontaducha conta com a conivência de dois partidos que regra geral até faziam oposição pura e dura a qualquer governo instalado. Mas que desde há cinco anos, se tornaram tão dóceis, que até chateia.
    Salientar por último que regra geral, nos países desenvolvidos e democráticos europeus, com exceção do Reino Unido, os governos são sempre de coligações, pois nenhum partido político consegue maiorias e nem nada que se pareça.

  2. Munhoz Frade diz:

    Não há nada de democraticamente anormal em se formarem governos de coligação. Geralmente são possíveis com muita negociação e compromisso.

  3. João Espinho diz:

    Caro dr Frade. O que mais me indigna é que, nas últimas eleições autárquicas, quando fomos votar, ninguém nos disse, antecipadamente, que estávamos a mandatar os eleitos para elegerem as presidências das CCDR. O PS deu o golpe, com o apoio do PSD. Depois admiram-se que os populistas anti-sistema subam nas sondagens.

  4. Albano diz:

    @ João. Acresce que os mandatos dos membros do Colégio Eleitoral acabam em Setembro de 2021, e o Presidente da Ccdr só em 2024 cessará funções.

  5. João Espinho diz:

    @albano – bem lembrado.

  6. CarlosC diz:

    As CCDR servem essencialmente para isto: para existirem mais uns lugares para distribuir pelos aparelhos.

Deixe Uma Resposta