Out 08 2018

Boas notícias

Publicado por as 11:16 em A minha cidade

Foi aprovada no passado dia 3 de Outubro, em reunião de Câmara, uma descida da taxa de IMI para os munícipes do concelho de Beja. Em 2019, a taxa irá descer dos actuais 0,35% para 0,34%, para prédios urbanos. (ler aqui)

Share

4 Resposta a “Boas notícias”

  1. Ecce homo diz:

    Extraordinário! Vou certamente dormir mais descansado com esta redução do IMI!

  2. João Espinho diz:

    @ecce – esperava um comentário mais… assertivo 🙂

  3. Ecce homo diz:

    Usei de alguma ironia, não por acaso! se quer que seja mais assertivo, cá vai:

    taxa de IMI nos municípios do Distrito de Beja:

    Alvito – 0.30
    Aljustrel – 0.33
    Almodovar- 0.30
    Beja – 0.35 (proposta 0.34)
    Barrancos – 0.30
    Castro Verde – 0.30
    Cuba – 0.35
    Ferreira do Alentejo – 0.375
    Mértola – 0.38
    Moura – 0.30
    Odemira – 0.33
    Ourique – 0.40
    Serpa – 0.31
    Vidigueira – 0.33

    Tirem as vossas conclusões, do ponto de vista que entenderem!

  4. Hermenegildo Stanislau Teodorico diz:

    J. Espinho: peço desculpa por usar aqui o teu blog, mas hoje, primeiro dia a sério de Outono, resolvi dar um passeio prolongado pelas ruas da nossa cidade.
    E fiquei impressionado pela negativa. Tal é a quantidade de lixo de todo o tipo que se encontra nas ruas sobretudo do centro histórico, isto além do “encardido”/sujo/”empedernido” das pedras e das lajes das calçadas. Que tudo junto se revela num espetáculo de autentico terror e uma vontade imensa de sair daí para fora o mais depressa possível.
    Como é que foi possível que uma cidade que ainda há 15 a 20 anos era considerada das mais limpas do país, tenha chegado a este ponto?

    Também vi vários turistas de mapa na mão a passear, e até um numeroso grupo em excursão a dirigir-se para o castelo.
    O que é que essa gente pensará de nós, perante tamanha sujidade?
    É assim que se quer aproveitar esta onda turística, que por todo o país trás dinheiro e desenvolvimento?

    Claro, que não me parece correto apontar logo baterias para Paulo Arsénio e o atual elenco camarário, até porque esta deplorável situação não é de agora.
    Mas mandaria o bom senso que se criasse um grupo de trabalho, e se necessário até se chamasse os trabalhadores camarários dos tempos em que a cidade era limpa e asseada a dar o seu contributo. Ou seja, que ao menos se tentasse fazer alguma coisa para alterar este estado deprimente das ruas.

    Obrigado.