Jul 16 2018

O assassinato dos Romanov – 100 anos depois

Publicado por as 14:20 em Geral

Na madrugada de 17 de julho, um grupo de homens escolhidos a dedo matou Nicolau II e a família real russa. Cem anos depois, a sombra do crime violento, aprovado por Lenine, ainda paira sobre a Rússia

(…)

Por volta das três da manhã, todos os ocupantes da Casa Ipatiev estavam mortos. Nicolau, ex-czar de toda a Rússia, a mulher, os cinco filhos e os empregados que tinham percorrido com eles metade do país, foram brutalmente assassinados na adega da moradia de dois andares que, antes de o Exército Vermelho tomar conta de Ecaterimburgo, tinha pertencido a um engenheiro de minas abastado. Depois de assassinados, os cadáveres dos Romanov foram transportados dentro da carrinha Fiat até a um bosque, desfigurados com ácido sulfúrico e enterrados em duas valas com poucos centímetros de profundidade, abertas no meio de uma estrada. Depois de aplanada a terra, com a ajuda do camião, Yurovski e os seus homens fizeram um voto de silêncio: a noite de 16 para 17 de julho de 1918 nunca tinha acontecido. (…)

Continue a ler aqui.

Share

5 Resposta a “O assassinato dos Romanov – 100 anos depois”

  1. ATENTO diz:

    A BARBÁRIE, seja por quem for praticada, é sempre uma nódoa na História que o futuro, cada vez mais, acentua.

  2. ecce homo diz:

    Na História, os segredos nunca são eternos!…

  3. vermelha diz:

    Do twitter de Arnaldo Matos

    “Nunca foi provada a intervenção pessoal de Lenine na liquidação dos Romanov (czar e respectiva família), mas está totalmente provada a intervenção pessoal de Alexandre III no enforcamento do irmão mais velho de Lenine, Alexandre Ulianov”

    “Também ficamos à espera que jornalistas de merda como Cabrita Saraiva nos falem do domingo sangrento de 22 de Janeiro de 1905, em que os Romanov mandaram matar mais de um milhar de operários desarmados em São Petersburgo.”

    ” “ Foi há cem anos, a madrugada em que Lenine extinguiu os Romanov” – proclama o diário i de ontem, um jornal de merda do capital angolano, editado em Portugal. ”

    “Ficamos todos à espera que os Directores do i, antes de desaparecerem como jornalistas de merda que são, não se esqueçam de frisar, todos os dias 27 de Maio, a madrugada em que Agostinho Neto e Eduardo dos Santos mataram milhares de angolanos do grupo de Cita Alves e Nito Alves.”

    https://twitter.com/arnaldodematos

  4. João Espinho diz:

    @vermelha – desde quando o grande educador da classe operária sabe interpretar algum facto da História? Cuidados intensivos, já!

  5. vermelha diz:

    Preocupe-se com a sua saúde .
    Obrigado por ter publicado o comentário.