Jun 18 2018

Festival B

Publicado por as 14:58 em A minha cidade

Poderia ser sarcástico e dizer que se assiste a uma enorme excitação entre os bejenses com o aproximar do Festival B.
Vão-me desculpar, e podem dar-me as porradas que entenderem, mas tenho que fazer uma pergunta: o que é que o Festival B traz de novo a Beja? Como as perguntas são como as cerejas, aqui vai mais uma: alguém está à espera que a cidade se encha de forasteiros para vir assistir a um suposto casamento entre o cante alentejano e o fado?
Bem, uma coisa boa vai ter. Os bejenses que estavam a pensar em ir ver Muse ou Bruno Mars no R&R, já rasgaram os bilhetes, pois não querem perder pitada do B.
Pronto, já sei, para o ano é que é. Vamos ter a versão B do saudoso Festival do Amor, fazendo jus ao logotipo do festival.
Era só isto ( por enquanto).
Se quiser, pode consultar o programa aqui.

Share

18 Resposta a “Festival B”

  1. Manel diz:

    A ideia do festival até está bem concebida, tem a partipacao e valorização dos nossos artistas , através de uma candidatura do cante que foi candidatada e aprovada , pode-se ir buscar algumas verbas, mas fazer deste festival B um acontecimento nacional é de uma propaganda enganosa. Que esta iniciativa tenha êxito , vai ser importante , mas trazer turistas, coloquem cá fora o número de ocupação na restauração e hoteleira e comparem com o que foi sim um êxito nacional o último Beja na Rua .
    Um grande abraço ao meu amigo Paulo que está a dirigir como não podia deixar de ser , com todo o seu profissionalismo a preparação desta iniciativa e aos nossos artistas.

  2. Galinha D' Vinho diz:

    Se em 2017, no Beja na Rua, existiram espectáculos que me fizeram ficar em Beja ao invés de ir para a praia, este ano abalo 6ª à tarde e volto domingo à noite.

    Acho a ideia e o programa muito fraco, talvez em comparação com os anos anteriores – e nada tem a ver com politica!

    PS: O logótipo do festival faz-me lembrar uma “bunda” Brasileira, mas isto sou eu a parvejar …. ehehehehe

  3. B de Beja diz:

    Não admito que digam mal do logotipo porque o mesmo foi copiado do melhor site de gamanços deste tipo de material.
    https://www.freepik.com/free-vector/drawings-of-hearts-collection_829374.htm#term=red%20heart&page=1&position=24

  4. Uma espécie de cópia autenticada diz:

    Esta gentinha é mesmo má! A dizer que o logo é uma cópia…
    Qualquer dia ainda vão dizer que o nome Festival B (Beja) é uma cópia do nome Festival F (Faro)…
    https://guadianadigital.com/faro-apresentou-cartaz-completo-do-festival-f-2017-em-lisboa/
    Qualquer dia ainda vão dizer que copiaram Beja, Cidade da Mariana do Festival do Amor – Mariana Alcoforado…
    https://pt-pt.facebook.com/Festival-do-Amor-156992397692092/
    Qualquer dia ainda vão dizer que copiaram a apresentação do festival na BTL como foi a apresentação do Festival do Amor…
    http://www.pracadarepublicaembeja.net/2011/02/a-minha-cidade/festival-do-amor-na-bolsa-de-turismo-de-lisboa/
    Qualquer dia ainda vão dizer que tudo isto é cópia, tudo isto é triste, tudo isto é fado…
    Qualquer dia ainda vão dizer que há malta com ideias e projetos e depois existe outra malta com a ideia de roubar os projetos dos outros…

  5. B de Beja diz:

    Comecem a somar, isto é só para comunicação e promoção: 56.309,40€

  6. Artur Martins diz:

    Este festival no seu todo não custa mais de 40 mil euros. Era importante perceber para que contas vai o dinheiro, efectivamente.

  7. Aníbal diz:

    Estás enganado João. A Vila Galé tem uma taxa de ocupação bastante aceitável para este fds. E está relacionada com o festival B. Outra coisa, é por Beja ser habitada por incontáveis galinhas de vinho, que ela está como está. Vá, vão caminho do Algarve e não gastem lá os euros todos porque domingo à noite o mac está aberto até às 4 da manhã para vos receber.

  8. João Espinho diz:

    Ainda bem que assim é. Haja B’s todos os meses.

  9. João Espinho diz:

    Já agora Aníbal, não sei o que são essas tais galinhas, mas que há aí muita galinha a cantar de galo, disso não tenho dúvidas. Repito: Beja precisa de muito mais ( não sei se merece).

  10. Aníbal diz:

    Estás enganado João. A Vila Galé tem uma taxa de ocupação bastante aceitável para este fds. E está relacionada com o festival B. Outra coisa, é por Beja ser habitada por incontáveis galinhas de vinho, que ela está como está. Vá, vão caminho do Algarve e não gastem lá os euros todos porque domingo à noite o mac está aberto até às 4 da manhã para vos receber.

  11. Aníbal diz:

    Já para não falar dos que choram por não lhes ter calhado a comunicação e promoção do festival. Desta vez não tiveram Voz activa. A verdade é que não há um comunista fanático em Beja ( e não são poucos ), que não ambicione o fracasso de qualquer evento levado a cabo por este executivo. Mesmo que isso prejudique a cidade. Depois, sob a capa do olho por olho e dente por dente, fomentam os ódios nas redes sociais com o intuito de tirarem dividendos e não serem esquecidos. Quem não os conheça que os compre. Ou como diz um conhecido comunista fanático, eu já dei para esse peditório.😁

  12. João Espinho diz:

    Essa, para mim, nem de raspão.

  13. João Raposo diz:

    Ajuste Directo no valor de €110.000 + os €45.000 de publicidade e divulgação!!! Milhares de Turistas? Hoteis e restaurantes a abarrotar? Afinal os gadelhudos ficam mais baratos e dão mais dinheiro a ganhar. Confesso que também tinha e continuo a ter as minhas dúvidas quanto ao modelo de financiamento de certos eventos, nomeadamente o Santamaria Fest mas bem vistas as coisas a Câmara gastava muito menos e trazia muito mais movimento à cidade… e as entradas parece que eram a pagas.

  14. João Espinho diz:

    @joão paixão uuups, joão raposo, então?

  15. Amélia Raposo diz:

    Mais de €49.000 para comunicação e divulgação, €110.000 em ajuste directo (???). Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço. Milhares de turistas em previsão??? Afinal parece que com os gadelhudos rende mais e ainda que possa discordar com a forma de financiamento do Santa Maria Fest chego à conclusão que os gastos são substancialmente inferiores e o objectivo a que se propõe mais facilmente alcançado.

  16. João Espinho diz:

    @amélia – parece-me que o SMSF trazia tanto rendimento ao concelho como tantos outros festivais que se vão realizando aqui no burgo. Alguém fica a ganhar. Mas isso são outras contas. O meu post, que foi tão mal recebido, coloca questões a que toda a gente evita responder. O que é que o Festival B, não obstante o seu aclamado sucesso, trouxe de novo à cidade? Quais são as prioridades deste executivo? Mais festivais? O Centro Histórico, que já passou de moribundo a morto, reabilitou-se?

  17. Amélia Raposo diz:

    Quanto às questões que coloca elas são pertinentes e legítimas. Quanto a quem fica a ganhar com os festivais acho que por uma questão de isenção e transparência se deveria de investigar quem com eles mete dinheiro ao bolso e de que forma. O problema quanto a mim não está em ganhar mas sim na forma como se ganha e o destino que se dá ao que se ganha. Quanto ao Santa Maria Fest acho que haveria espaço para a sua realização assim houvesse mais vontade de ambas as partes. Mas sim, o Centro Histórico está morto.

  18. João Espinho diz:

    @amélia – afinal não sou o único a ter dúvidas. Não sei se alguém mete dinheiro ao bolso, expressão que indicia uma prática corrente mas pouco transparente. A minha grande questão é. estes festivais, festas, festinhas e foguetes, trazem o quê a Beja? Forasteiros? Talvez. Mas o grande problema não é o de trazer pessoas mas sim evitar que as que cá estão e vivem fujam em busca daquilo que aqui não há. E o CH é outro drama, mas mais umas festinhas não lhe fazem mal, já que o problema é de solução quase impossível (excepto para quem acredita na ressurreição.)