Fev 27 2018

Beja – algo está a mudar (1)

Publicado por as 20:06 em A minha cidade

______________________________________________________________________________________________

Como já deu para perceber, não tenho dedicado muito tempo ao blog e tão pouco tenho entrado nas “guerrinhas” que, desde 1 de Outubro passado, vão surgindo nas redes sociais (Facebook).
Eu, veterano dos blogs e também de algumas “guerrinhas”, vou assistindo às diversas trocas de galhardetes entre vencedores e vencidos das últimas eleições autárquicas, onde, devo dizer, a linguagem e os argumentos não me aliciam a participar.
Sabe-se, nunca o ocultei, de que lado não estou pelo que, a entrar na contenda, seria para deitar mais umas achas na fogueira em que se transformou o debate político entre simpatizantes socialistas e apaniguados comunistas.
Porém, desta vez, decidi sair da minha zona de conforto e vir aqui deixar umas linhas.
É que, e isso é evidente , desde 1 de Outubro, não foi só a cor da Câmara que mudou.
Foi também, e muito principalmente, a forma de comunicar utilizada pelos diversos intervenientes.
Em Beja, à imagem do que vai acontecendo em todo o mundo, algo está a mudar.
Ao longo dos diversos mandatos autárquicos, a forma de comunicar dos eleitos foi sofrendo alterações, algumas das vezes para pior.
Dou-vos alguns exemplos: Francisco Santos era inapto na comunicação, opunha-se às novas ferramentas digitais e salvava-o andar pelo centro da cidade onde trocava palavras com alguns munícipes. Tinha a vantagem de ter aqui muitos amigos. Porém, num palco privilegiado para o debate como é a Assembleia Municipal, Francisco Santos foi um desastre. As suas prestações radiofónicas eram ouvidas com algum espírito hilariante e o seu Gabinete de Informação na Câmara Municipal também não o ajudou. O resultado foi o que se viu.
Com Jorge Pulido Valente a situação alterou-se: sabia falar mas não sabia comunicar. Poderia ter muitas ideias para a cidade e região, mas não as soube transmitir. Quando o fazia, não tinha eco. Ganhou as eleições mas nunca ganhou a cidade. Criou uma barreira que os bejenses puniram nas eleições seguintes.
A seguir chegou o dinossauro, com décadas de tarimba política, julgando-se que iria transformar a cidade.
Sem quaisquer raízes na cidade, enjaulou-se numa redoma silenciosa, de comunicação nula, desconhecendo-se se, na realidade, tinha alguma ideia para Beja. As suas raras intervenções públicas arrepiavam o cidadão comum, e, não sei, se até os seus camaradas não terão sofrido pesadelos sempre que João Rocha era entrevistado ou decidia dizer algumas banalidades.

(CONTINUA)

Share

2 Resposta a “Beja – algo está a mudar (1)”

  1. Sol diz:

    Esta já é a postura do Paulo Arsénio, que conheço e conheci como homem e líder do PS na bancada da Assembleia Municipal, durante muitos anos e numa postura crítica, verdadeira, correcta e sem ” verniz ” que é a imagem que alguém tem dele.

    E que bem pode continuar como autarca bejense, sem rodeios e afirmando o que lhe vai nos sentimentos de quem é continuamente atacado, por alguns opositores perdidos e sem rumo, e que navegam essencialmente nas redes sociais.

    Até que enfim !!!

  2. Praça da República » Beja – algo está a mudar (2) diz:

    […] do que aqui […]

Deixe Uma Resposta