Arquivo de Fevereiro de 2018

Petição BEJA MERECE +

28 de Fevereiro de 2018

Há empresas que estão a investir na agricultura e na agro-indústria. Há investidores interessados na região para exploração da cadeia de valor aeronáutico. Há gente que quer trabalhar no Baixo Alentejo pela qualidade de vida que representa e que pode proporcionar às pessoas. O turismo cresceu exponencialmente, mas o investimento público é quase nulo, se lhe retirarmos o Alqueva. Aumentamos os níveis de produtividade em toda a Região, contribuindo para o equilíbrio da nossa balança comercial.

O Baixo Alentejo precisa de melhores estradas e de proporcionar condições para instalação de novas empresas e de fixação de população; a ferrovia está completamente degradada e o serviço de comboios vergonhoso; a ULSBA não tem condições operacionais para suportar qualquer oscilação demográfica. Instalações exíguas, falta de meios humanos e materiais. No entanto continuamos esquecidos pelo poder central e centralizador, que não olha para a contínua desertificação demográfica que nos atinge.

Existe um profundo mal-estar em relação ao investimento público. Os abaixo assinados exigem que sejam retomadas e concluídas as obras do IP8/A26, a electrificação do troço ferroviário Casa Branca – Beja – Funcheira, o total aproveitamento do aeroporto de Beja e melhores serviços de saúde para a região.

Assine aqui a petição

Share

Beja – algo está a mudar (1)

27 de Fevereiro de 2018

______________________________________________________________________________________________

Como já deu para perceber, não tenho dedicado muito tempo ao blog e tão pouco tenho entrado nas “guerrinhas” que, desde 1 de Outubro passado, vão surgindo nas redes sociais (Facebook).
Eu, veterano dos blogs e também de algumas “guerrinhas”, vou assistindo às diversas trocas de galhardetes entre vencedores e vencidos das últimas eleições autárquicas, onde, devo dizer, a linguagem e os argumentos não me aliciam a participar.
Sabe-se, nunca o ocultei, de que lado não estou pelo que, a entrar na contenda, seria para deitar mais umas achas na fogueira em que se transformou o debate político entre simpatizantes socialistas e apaniguados comunistas.
Porém, desta vez, decidi sair da minha zona de conforto e vir aqui deixar umas linhas.
É que, e isso é evidente , desde 1 de Outubro, não foi só a cor da Câmara que mudou.
Foi também, e muito principalmente, a forma de comunicar utilizada pelos diversos intervenientes.
Em Beja, à imagem do que vai acontecendo em todo o mundo, algo está a mudar.
Ao longo dos diversos mandatos autárquicos, a forma de comunicar dos eleitos foi sofrendo alterações, algumas das vezes para pior.
Dou-vos alguns exemplos: Francisco Santos era inapto na comunicação, opunha-se às novas ferramentas digitais e salvava-o andar pelo centro da cidade onde trocava palavras com alguns munícipes. Tinha a vantagem de ter aqui muitos amigos. Porém, num palco privilegiado para o debate como é a Assembleia Municipal, Francisco Santos foi um desastre. As suas prestações radiofónicas eram ouvidas com algum espírito hilariante e o seu Gabinete de Informação na Câmara Municipal também não o ajudou. O resultado foi o que se viu.
Com Jorge Pulido Valente a situação alterou-se: sabia falar mas não sabia comunicar. Poderia ter muitas ideias para a cidade e região, mas não as soube transmitir. Quando o fazia, não tinha eco. Ganhou as eleições mas nunca ganhou a cidade. Criou uma barreira que os bejenses puniram nas eleições seguintes.
A seguir chegou o dinossauro, com décadas de tarimba política, julgando-se que iria transformar a cidade.
Sem quaisquer raízes na cidade, enjaulou-se numa redoma silenciosa, de comunicação nula, desconhecendo-se se, na realidade, tinha alguma ideia para Beja. As suas raras intervenções públicas arrepiavam o cidadão comum, e, não sei, se até os seus camaradas não terão sofrido pesadelos sempre que João Rocha era entrevistado ou decidia dizer algumas banalidades.

(CONTINUA)

Share

Festival do Cogumelo

26 de Fevereiro de 2018

Share

Xutos inauguram Ovinoites 2018

26 de Fevereiro de 2018


foto: joão espinho

A Ovibeja 2018 celebra a sua 35ª edição com um ambicioso programa recheado de novidades. A par da internacionalização dos produtos agroalimentares de origem vegetal, como tema em destaque, e da reflexão sobre os desafios e oportunidades da agricultura no futuro, a Ovibeja também se faz de festa. E a festa faz-se, sobretudo, através do encontro e da partilha entre amigos. E entre os amigos contam-se os Xutos e Pontapés que inauguram o Palco Ovibeja no dia 27 de abril.

Share

Correio Alentejo

25 de Fevereiro de 2018

Share

Cante alentejano no Parlamento

25 de Fevereiro de 2018

Share

Bom fim de semana

23 de Fevereiro de 2018


foto: Kurt Arkady

Share

Eu apoio o PCP

22 de Fevereiro de 2018


Ler aqui

Share

Petição aceite no Parlamento

21 de Fevereiro de 2018

A petição “Não adoto este silêncio”, que propõe uma comissão parlamentar de inquérito sobre os casos de alegadas adoções ilegais envolvendo a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), foi hoje aceite pelo parlamento.

A petição será discutida em plenário da Assembleia da República, dado que tem mais (5.787) do que as 4.000 necessárias para que isso aconteça, não havendo ainda data previsível para tal acontecer.

Share

Sabores no barro

21 de Fevereiro de 2018

De 23 a 25 de Março realiza-se a 5ª edição do evento SABORES NO BARRO, em que António Zambujo, Bernardo Espinho e António Caixeiro serão novamente os seus EMBAIXADORES, serão as pessoas que continuarão a promover e divulgar este evento junto da comunidade e da comunicação social.

Share

Palermices

20 de Fevereiro de 2018

A Autoridade Tributária, que quase tudo sabe sobre mim, inclusivamente onde resido, enviou-me um mail e, entre outras coisas, manda-me cortar as árvores que estão perto da minha casa.
Devo reencaminhar o mail para a Câmara Municipal?
Preocupem-se com o Verão que aí vem e consequentes incêndios. Deixem lá as poucas árvores que existem na minha aldeia…

Share

Diário do Alentejo

17 de Fevereiro de 2018

Share