Jan 24 2018

Ó Vítor, então?

Publicado por as 10:03 em A minha cidade

“A Associação Juvenil Culturmais diz que o facto, de estar a aguardar há “cerca de três meses” por uma resposta do Município de Beja, relativamente ao apoio pedido para a realização do Santa Maria Summer Fest 2018, faz com que a edição deste ano esteja “irremediavelmente comprometida”. in RVP

Share

90 Resposta a “Ó Vítor, então?”

  1. Vitor Paixão diz:

    @Rosabraba: Não se trata tanto de defender ou não, na parte que me toca encontro-me disponivel para esclarecer o que importa ser esclarecido; o apoio é passivel de ser criticado, assim como o evento, as pessoas são livres de criticar, mas isto só revela que salvo uma ou outra excepção as pessoas que aqui vêm comentar fazem-no com um intuito de mandar abaixo dê por onde der e não de serem informados; que ao menos dessem o beneficio da dúvida e que criticassem com pés e cabeça. Quer uma aposta que se eu informasse no face sobre o que aqui se está a passar isto seria inundado? Mas claro que não o farei, basta-me ter a consciência tranquila mesmo sabendo que muitos não apoiam e não aprovam. Sabe, para se apoiar ou criticar não é necessário gostar-se de quem faz e muito menos sermos amigos. O que importa é ter a hombridade suficiente para saber criticar, para saber discutir, até para saber julgar e os poucos que aqui têm vindo não têm tido essa hombridade; mas não me preocupam embora me entristeçam.

  2. Vitor Paixão diz:

    Por curiosidade, organizar um evento desta natureza e garantir o seu sucesso é bastante complicado. Dai que relativamente aos cabeças de cartaz tenhamos de os ter em exclusivo ou então teremos pouco publico. Mas por outro lado, para os ter em exclusivo temos de pagar uma fortuna, entre cachets e voos. O que fazemos? Ou os apanhamos em tour ou fazemos acordos com outros parceiros e organizamos mini-tours, nomeadamente ibéricas. Por exemplo os ORPHANED LAND, uma banda de Israel que enche estádios, sugeridos para nobel da paz porquanto através da música apelarem à união entre religiões e ao fim do conflito israeo-palestino, para os termos cá tivemos que juntamente com promotores de Málaga, Madrid e Sevilha colocá-los a tocar no dia 8 em Málaga, no dia 9 em Sevilha, no dia 10 em Beja, no festival, e no dia 11 em Madrid. Um cachet elevado acabou por se diluir nas 4 datas, em que nós acabámos por ter de suportar “apenas” os voos de Israel para Portugal.

    https://www.youtube.com/watch?v=qsPb1-uPIic

    Isto é complicadissimo mas é assim que quase sempre fazemos com os headliners ao que se juntam uns quantos conhecimentos de muitos anos o que facilita muita coisa. E agora estávamos a conseguir parcerias com outros festivais internacionais, com datas próximas do SMSF, em que seria bom para todas as partes, mas paciência.

Deixe Uma Resposta