Ago 10 2017

Sugestão de leitura

Publicado por as 9:22 em Poetas

“Era uma vez um homem que pretendia recuperar as histórias das casas abandonadas. Para o conseguir, decidiu tornar-se num afinador de memórias. Num homem dedicado a consertar coisas esquecidas. Logo pela manhã, montava-se no verbo ouvir e percorria ruas e demais vizinhança com o propósito de acabar com a indiferença das pessoas perante tanto desleixo. Pretendia nomes, acontecimentos, factos, enredos e argumentos para reabilitar o que existiu restaurando o que ainda existe. Queria calcetar tudo no presente. Tinha pressa do passado. Ir de porta em porta armazenar futuro atrás de futuro.

Um dia, cansado de tanto esquecimento, declarou: “É do ar que todos vivem, pelo ar mudarão!” E começou a contar tudo o que sabia, de dia, de noite e de madrugada. As palavras saíam-lhe ininterruptas de modo a saturar o ar de histórias ainda não ouvidas. As pessoas, inspiravam-no pela pele, pelo nariz, pelos ouvidos, pelo sonho. Dentro delas, circularam respeitos até então desconhecidos.”

Share

Não são permitidos comentários.