Jul 28 2017

Debater o Centro Histórico de Beja

Publicado por as 9:21 em A minha cidade


foto: joão espinho

Escreve um leitor: “Tudo o que aqui se diz, tanto no texto de Luís Palminha como nos comentários de “bejense” e “valentim”, é verdade. Não nos esqueçamos no entanto, que estamos no Centro Histórico e, como há tempos aqui já o disse, os Centros Históricos definham, precisamente porque são Centros Históricos. Não estão ajustados à vida actual, falta-lhes espaço e conforto, entre outras coisas. Tentar atrair moradores para eles é, no meu entender, uma batalha perdida. Nesta conformidade, não vejo outro jeito para a sua recuperação física que não seja o investimento público, mesmo que isso implique concentração de serviços. Defendo, no entanto, que intermediado com esses serviços, se criem espaços de fruição, como sejam estabelecimentos hoteleiros de qualidade (bares, cafés, restaurantes, etc.) que por essa mesma qualidade ou características inovadoras, atraiam as pessoas e deem movimento aos espaços. A imaginação é livre e tudo o que possa contribuir para o mesmo fim seria bem recebido. O necessário é incentivar. Lembremo-nos dos tempos em que a Praça da República já esteve cheia de esplanadas que enriqueciam as suas noites.
Veio à baila a Praça do Giraldo em Évora, mas também esta, à noite, tirando agora o período das animações de Verão e “autárquicas” é um local “morto” e até dá “medo” vaguear sob aquelas arcadas. Falo por experiência. No entanto, se olharmos para as suas traseiras, Alcárcova de Baixo, já encontramos movimento e animação depois de, há pouco, alguns iluminados se terem por lá estabelecido e criado espaços de convívio muito interessantes.
Concretizando, olhe-se para os Centros Históricos como Centros Históricos, dê-se-lhes vida, não se pretenda voltar a transformá-los em criadores de vida.”

Share

Deixe Uma Resposta