Jun 29 2017

Diário do Alentejo

Publicado por as 22:10 em Geral

Share

3 Resposta a “Diário do Alentejo”

  1. corocota diz:

    Gostava de “esmiuçar” a perda de 86 mil passageiros em seis meses por parte da Rodoviária do Alentejo…é que tem que ser bem analisada esta questão sob pena de se reivindicarem estruturas equipamentos e acessibilidades que depois de prontas pequem pela inexistência de pessoas para as usarem…acho que esta questão está muito bem colocada aqui no blog e mereceria por parte dos “bloggers” um pouco mais de atenção.

  2. jose M curva diz:

    Sem ouvir os utentes, a direção da Rodoviária escolhe horários para transportar em horas que não dá para utilizar, com o propósito de acabar com certas carreiras e ter menos motoristas, logo menos despesas. Por exemplo, empregados que saem às 17h ou 18h ou 19h, as carreiras partem de Beja para os destinos às 16,50m, 17,50m ou 18,50m. Assim não dá. depois desculpam-se que não têm passageiros.
    Ao fim de semana é uma desgraça. Como serviço público nem cumprem os mínimos. Uma carreira de ida e volta para cada localidade seria o mínimo e muitas nem uma lá vai. Há muito tempo que não servem o público. O objectivo não é esse. Impera uma certa má vontade e o que interessa é dar algum lucro. É o que temos. Por mais que se reclame ninguém nos ouve.
    Antonio ze

  3. Josua diz:

    Perdoem-me esta visão reacionária do problema, mas o serviço de autocarros de Beja, se não o era já antes desde que foi nacionalizado após o 25 de Abril de 1974 nunca mais prestou serviço algum de qualidade.
    É a eterna confusão com os bilhetes e os lugares.
    Qualquer viagem para Lisboa é um autentico tormento com paragens e paragens para deixar e levar um ou passageiro pelo caminho. De que o exemplo mais significativo é à hora de ponta entrar em Almada.
    De modo que no que diz respeito a Lisboa, mesmo com as famigeradas automotoras e as demoradas secas em Casabranca, justifica mais ir de comboio do que de autocarro.

Deixe Uma Resposta