Arquivo de Dezembro de 2016

RIP – Figura do ano 2016

31 de Dezembro de 2016

 No final de Dezembro somos sempre tentados a olhar pelo retrovisor e a fazer um balanço do ano que termina.
De acordo com as crónicas que por aí proliferam, o ano de 2016 terá sido marcado pela morte de muitas figuras públicas, desde actores a artistas de música, passando por desportistas, escritores e muita gente dos diversos mundos do espectáculo, das artes, da ciência, etc… 
Alguém perguntou: Morreram mesmo mais celebridades em 2016 comparativamente a anos anteriores? 
É provável que sim. Talvez a explicação seja a que “as pessoas que começaram a ficar famosas na década de 1960 estão agora a entrar nos seus 70 anos e começam a morrer”.
Vamos aceitar que assim tenha sido.
Para nós, o que mais nos toca é o desaparecimento de familiares próximos e de amigos chegados. Mais chocados ficamos quando esse desaparecimento acontece de forma súbita e inesperada, assim como quando atinge os mais novos que, num ciclo normal da vida, cá deveriam continuar por muitos mais anos. Recordo, muito rapidamente, e para dar exemplos de quem era da nossa região alentejana, a morte imprevista de Nicolau Breyner e de Manuel Castro e Brito. Paz à sua alma, que descansem em paz. Ou como passou a ser moda, principalmente nas redes sociais, RIP.
Mas, e desculpem-me a linguagem, porra para o RIP.
Explico
Na maior parte dos obituários das agências funerárias, que agora nos dão conta, em tempo quase real, das mortes que vão sucedendo, é recorrente aparecerem uns RIP, sinónimo julgo eu, do pesar pelo falecimento de alguém e que, por qualquer razão, não podemos manifestar de viva voz aos familiares e amigos.
Durante algum tempo segui com atenção as páginas online de diversas funerárias e constatei várias coisas. Primeiro, que há uns rip’s que são mais intensos do que outros, pois fazem-se acompanhar de bonequinhos a verter lágrimas ou de velas incandescentes, reforçadas por “mais uma estrela no céu” a que, tem que ser, somam mais umas lágrimas.
Depois, o que achei mais estranho, foi a constante participação de algumas pessoas que ripavam (de rip) ora em alguém que tinha falecido num longínquo Carcavelinhos-de-Cima ou numa casa nas vizinhanças. A Dona Alísia de Sousa, que faleceu aos 87 anos, num monte isolado na serra do Caldeirão, teve também direito a alguns RIP’s, o que deixou os familiares muito sensibilizados mas, simultaneamente, atrapalhados, por não encontrar forma de agradecer pessoalmente aquilo que pareciam ser as condolências.

Desaparecidos os cartões-de-visita, que deixávamos nas casas mortuárias durante os velórios, e onde simplesmente escrevíamos “s.p.” (sentidos pêsames), optou-se agora para se ir ao Facebook, escrevendo-se um epitáfio simples mas eficiente: RIP – forma abreviada de requiescat in pace – locução latina que significa “que repouse em paz” e utilizada pelos anglófonos como “rest in peace”.
Isto é, deixámos de saber dizer, ou escrever, sentidas condolências, sentidos pêsames, ou outras expressões muito mais portuguesas e com muito maior significado, para nos abreviarmos num simples e frio R.I.P.

Como epitáfios poderemos voltar a usar o “descanse em paz” ou, para os mais crentes, paz à sua alma. Aos familiares e amigos, poderemos voltar a dizer “sentidas condolências”, “sentidos pêsames”, “lamento muito”, e tantas outras afirmações de pesar. Se o voltarmos a fazer futuramente, pode ser que estejamos a enterrar o ano que vai terminar.

Aproveito para desejar, a todos os que por aqui passam, um feliz ano novo e , já agora, RIP 2016.

Crónica escrita para a Rádio Ourique.

Share

Diário do Alentejo

31 de Dezembro de 2016

Share

Música é Arte

30 de Dezembro de 2016

Share

Detalhes de uma cidade

30 de Dezembro de 2016


foto: joão espinho

Share

Subsídio de Natal em 2017 e 2018

29 de Dezembro de 2016

O que vai suceder ao subsídio de Natal no Sector Público em 2017 e 2018?
Em termos práticos, na situação mais geral, o subsídio de Natal passará a ser pago de duas formas. Metade será paga no mês de Novembro enquanto a outra metade será paga em duodécimos a partir de Janeiro. Esta alteração produzirá uma alteração do rendimento disponível ao longo do ano, gerando uma redução do salário desde janeiro de 2017 que será compensada com meio salário adicional a receber em novembro, retomando-se a prática tradicional.

Em 2018, os duodécimos serão extintos passando o subsídio a ser integralmente pago em Novembro e nesse ano existirá novamente um impacto similar em termos de transferência do rendimento mensal para o mês do subsídio de Natal.

(Leia mais aqui para o sector público e aqui para o sector privado)

Share

A passagem de ano em Beja já vai em 60 mil €

29 de Dezembro de 2016

Não sei se é caro se é barato. Sei que é muito dinheiro. Diria mesmo: é um exagero.

Adenda: Os foguetes, vindos de Leiria, orçam em: 13.500,00 €

Share

Beja – Passagem de ano

28 de Dezembro de 2016

Andavam por aí a questionar quanto custaria o espectáculo. Têm aí o valor.
Podem consultar aqui o valor de outros espectáculos produzidos pela mesma empresa.

Share

Destaque

28 de Dezembro de 2016


foto: joão espinho

Esta minha fotografia vai estar amanhã em destaque, a partir das 16H00, no site Fotocommunity.

Share

Guardador de rebanhos

27 de Dezembro de 2016

Share

O Bloco de Esquerda quer

27 de Dezembro de 2016

Que o Dia de Carnaval seja feriado.
Para que todo o português tenha o direito a fingir que está no Brasil e possa festejar o início da Quaresma ao ritmo do melhor samba.

Share

George Michael

26 de Dezembro de 2016


1963 – 2016

Já tudo se disse e escreveu.
Fica esta música dos 80’s.

Share

Diário do Alentejo

26 de Dezembro de 2016

Share