Arquivo de Julho de 2016

Até sempre, professor!

31 de Julho de 2016

monizpereira1

Share

O silêncio

30 de Julho de 2016

auschwitz

” Bergen-Belsen, Dachau, Treblinka, Buchenwald, Auschwitz-Birkenau. Cinco nomes que todos conhecemos e que identificam, na Europa, o pior do que o homem é capaz. Mas havia mais, muitos mais construídos pelos nazis entre campos de concentração, subcampos e campos de passagem, uma viagem de suplício para milhões de pessoas e uma das histórias europeias mais negras de sempre. “Nunca mais” prometeram os alemães depois da guerra e a promessa pode aplicar-se a tudo – à guerra, ao extermínio, à destruição, a perseguições lançadas cirurgicamente sobre os outros. Conhecemos os nomes dos campos, vemos os filmes, seguimos as séries de televisão, lemos os livros que contam o mesmo horror. Olhando para a Europa de hoje, não é nada certo que tenhamos aprendido a lição. Talvez seja também por isso que cada uma das viagens papais a Auschwitz continue a ser classificada como “histórica”. João Paulo II esteve aqui em junho de 1979, Bento XVI em maio de 2006, ontem veio Francisco. Há 37 anos, o papa polaco pediu o fim da guerra em Auschwitz e o papa alemão questionou o silêncio de Deus perante tanto sofrimento. Nesta sexta-feira, o papa argentino pediu o perdão divino para tanta crueldade. Mesmo antes de passar os portões, Francisco disse aos jornalistas que gostaria de ir àquele lugar do horror sem discursos nem multidões. Queria entrar sozinho e rezar. E que lhe fosse dada “a Graça de chorar”. Há qualquer coisa que muda quando se passa para o outro lado do arame farpado. Em Buchenwald, lê-se ainda sobre os portões “Jedem dem Seine”, a cada um aquilo que merece, palavras mais cínicas ainda do que aquelas que se continuam a ler em Auschwitz (o trabalho liberta). Talvez seja o vento, o lugar vazio e agora raso onde antes se erguiam as camaratas dos prisioneiros, a terra seca onde não se vê crescer uma única erva, as chaminés ao longe que não precisam de legenda. Pelo menos uma vez na vida devemos passar pelos portões silenciosos de Auschwitz, Buchenwald ou Treblinka. Não há nada para ver, mas tudo para sentir.”
Mónica Bello – Editorial do DN

Share

Sem palavras

29 de Julho de 2016

papa em auschwitz

Share

Bom fim de semana

29 de Julho de 2016

845756michael nemkov
foto: michael nemkov

Share

Quer fazer sauna?

29 de Julho de 2016

automotora
Quem paga o intercidades Beja-Lisboa-Beja sabe como é mau o serviço prestado pela CP.
No passado fim de semana tivemos um extra. No trajecto Casa Branca-Beja tivemos que fazer mais uma mudança. Desta vez em Vila Nova da Baronia. Também no trajecto Beja-Casa Branca aconteceu o mesmo. Não nos foi dada qualquer explicação. Dizem que as automotoras sofrem de sobreaquecimento. No interior das carruagens, sem ar condicionado, o ar era irrespirável. Houve pessoas muito mal dispostas. Esta situação já se prolonga há demasiado tempo. Para que serviu a viagem do PR numa daquelas automotoras? E por que razão pagamos bilhete de intercidades se o serviço prestado é regional? Ninguém pode inverter esta situação?
Beja merecia outra atenção.

Share

Não se atropelem

29 de Julho de 2016

Share

Diário do Alentejo

29 de Julho de 2016

da

Share

Função pública congelada

29 de Julho de 2016

funcionário público

Ainda não percebi qual é a novidade

Share

Obras de Santa Engrácia

28 de Julho de 2016

RUA GEN TRINDADE

Isto não era para estar pronto em Fevereiro? Abril? Junho? Já sei, É para estar pronto lá mais para Outubro de 2017. Espertos…

Share

Eduardo Espinho & Sandra Martins

28 de Julho de 2016

Beja | 28 Julho | Campos de Ténis | 21H30

Share

O Parque da cidade

28 de Julho de 2016

DSC_0037beja parque da cidade foto joão espinho
foto: joão espinho

Li no Facebook:

“Beja está morta, ontem tentei percorrer as esplanadas de Beja, não se via praticamente ninguém, fico admirada quando vejo turistas pergunto-me se não vieram enganados, como levava comigo o meu neto de 6 anos decidimos ir até ao parque da cidade, o que vi deixou-me ainda mais triste. A casa de banho um autêntico nojo, e o parque praticamente às escuras, não conseguíamos ver as crianças, foi para isto que foi gasto tanto dinheiro, porque me parece quase ao abandono, ao menos que as crianças possam ver com quem estão a brincar, iluminem mais o parque, obrigado.”

Share

Fotografia

27 de Julho de 2016

IMG_2961ciclista
foto: joão espinho

Share