Ago 25 2015

Fotografia

Publicado por as 10:27 em Fotografia


foto: daniel etter

(leia aqui)

Share

5 Resposta a “Fotografia”

  1. Vitor Paixão diz:

    Imagens de horror que me partem o coração, em que milhares de pessoas desesperadamente fogem à guerra na Siria e ao avanço do estado islâmico, tentando entrar na Europa pela Grecia para logo de seguida chegarem à Macedónia. Velhos desamparados, pais e mães com os filhos ao colo, pessoas fracas, sedentas e esfomeadas que deixaram tudo para trás! A tentarem ser impedidos de avançar mediante o lançamento de granadas, tiros e bastonadas! Como se não bastasse o que viveram no seu país… Onde pára a solidarieadade europeia? Se por um lado estamos perante um problema humanitario que pode agravar o estado em que esta europa se encontra e mesmo tendo eu algumas reservas relativamente às politicas de imigração a verdade é que estamos perante uma situação excepcional relativamente à qual não podemos ficar indiferentes. Uma vez mais estamos perante um exemplo crasso de que é obrigatorio mudarmos de paradigma, de politicas pois este capitalismo neo-liberal totalmente desprovido de solidariedade conduzir-nos-á ao abismo e tenderá a agravar a situação. Andámos durante anos a invadir e a ocupar paises muçulmanos, em nome de uma suposta liberdade, em nome da destruição ou não produção de armas quimicas, em nome da implementação dos nossos modelos e do modelo norte-americano quando o que fizemos foi desestabilizar, interromper regras, costumes e uma ordem que embora débil e com especificidades iam conseguindo manter o equilibrio nesses países. Fomos nós e os Estados Unidos da America quem contribuimos para que se chegasse a este ponto, somos nós que agora os rejeitamos! E entretanto, quais carneirinhos vamos abanando a cabeça e dirigimo-nos para o matadouro, é assim há muitos anos e Portugal não é excepção, enquanto que os mesmos de sempre vão enchendo os bolsos, vão sugando o pouco que resta! Viva a economia de mercado sem regulamentação, viva o capitalismo, viva o neo-liberalismo!!! Farto do mundo tal como está!!! E choro pelo que vejo, choro por essas pessoas, choro pelos que sofrem e que nos fazem sentir que os nossos problemas, por graves que sejam jamais poderão ser comparados a tão grande desgraça e tristeza!!! Digam-me por favor em que é que o mundo está melhor? Digam-me por favor qual o sistema economico vigente desde longa data? Digam-me por favor que politicas ideologicas têm vindo a ser implementadas? Digam-me por favor se este sistema está ou não gasto? Se falhou ou não rotundamente? Se vale a pena continuarmos com a nesma receita? Devo ser muito parvo, de certeza que sim!!!

  2. Munhoz Frade diz:

    Meu caro Vítor: não és o único a colocar essas pertinentes questões. Subscrevo as tuas palavras, embora não conseguisse ser tão veemente.

  3. gingoloo diz:

    A Europa toda mas toda tem que fazer mais alguma coisa, não basta só mas só ter pena e não fazer nada.

  4. Mundinho Falcão diz:

    @gingoloo – Exatamente. Pôs o dedo na ferida!
    Por isso e desde há um ano, que faço donativos para a “ACNUR – Agência da Nações Unidas para os Refugiados”, na esperança de que possam ajudar, ainda que pouco, a quem está no terreno a prestar auxílio a quem foge da guerra e da miséria extrema.
    Infelizmente a página NET da ACNUR “nacional” remete-nos para a ACNUR Brasil… (inacreditável!) e os donativos que se queiram fazer por essa via são colocados exclusivamente em Reais e não em Euros!
    Por isso, para efeitos de donativos, acabo por recorrer à página da ACNUR (também designada por UNHCR em muitos estados)de outros países cujos idiomas domino e que utilizam o Euro como moeda nacional, para concretizar com cartão de crédito os mesmos. (Ó Guterres, dá lá ordem para que se crie o raio de uma página PORTUGUESA da ACNUR!)

    Se toda a classe média europeia, que de falatório se mostra muito preocupada e que se limita a criticar governos, ajudasse mais um pouco e falasse um pouco menos, quiçá as condições na Grécia, em Itália, na Macedónia, na Sérvia, etc. fossem um pouco mais dignas para aqueles que procuram refúgio seguro no nosso continente. Como já aqui foi dito, o problema é de todos os europeus e não só de alguns. Não tenhamos dúvidas: os estados europeus, ainda que solidários, e com todo o esforço, não têm condições para responder cabalmente a esta gigantesca “avalancha” de pessoas que diariamente estão a chegar ao nosso continente. Cabe-nos também a nós cidadãos fazer mais um pouco. E neste momento podemos fazer 1001 diagnósticos e apurar 1001 causas para este momento que vivemos ou perdermo-nos em discursos ideológicos ou metafísicos. Mas a vida diária destes refugiados não se compadece com lirismos demorados. As pessoas precisam de beber, de comer e de roupa todos os dias, por isso a prioridade absoluta e imediata das autoridades – só possível com a solidariedade de milhões de cidadãos europeus -, só pode ser um: Agir para dar esperança e para ajudar pessoas a recuperarem a dignidade que nos países de origem lhes foi roubada!

  5. mikefox diz:

    Numa unica frase,praticamente todos estes e outros refugiados resultam de guerras travadas pelos EUA que neste momento estão muito confortáveis do outro lado do Atlântico enquanto a Europa leva com esta vaga de refugiados.

Deixe Uma Resposta