Abr 19 2015

Nada mais havendo a acrescentar

Publicado por as 16:46 em Geral

vitor encarnação

Apresentação do livro Quinta-feira, 23 de Abril às 21:30 em Ourique na Biblioteca Municipal.

O livro nada mais havendo a acrescentar… condensa dois anos de crónicas escritas por Vítor Encarnação e publicadas semanalmente no Diário do Alentejo entre Março de 2013 e Março de 2015 numa coluna com o mesmo nome. São cento e quatro textos dispersos que falam – ou calam – sobre a vida, e sobre outras vidas, e que agora convergem para um mesmo espaço e um mesmo tempo. Paulo Barriga escreve o prefácio. A capa e as ilustrações são da autoria de Susa Monteiro.

Share

Uma Resposta a “Nada mais havendo a acrescentar”

  1. patria diz:

    A Um Passo dos Salazarentos Safanões a Tempo nas Sinistras Criaturas!…
    Publicado em 20.04.2015

    Foi na passada, 6ª fª, 17/4/2015, noticiado, em grandes parangonas e pelo orgão oficioso das polícias,ou seja, o “Correio da Manhã”, que agora a Polícia Judiciária já pretenderia constituir como arguido o ex-ministro da Administração Interna Miguel Macedo devido aos indícios do seu directo envolvimento nas trafulhices dos chamados “vistos gold”.

    A primeira pergunta que, todavia, se impõe colocar é esta: mas afinal o que é que entretanto, ao longo destes já longos 5 meses, e também neste caso o Ministério Público tem andado a fazer?

    Com efeito, assim que o dito ministro Macedo apresentou a demissão – numa postura logo muito elogiada e apresentada como de grande “dignidade” por uns quantos escribas cá do burgo – o Luta Popular Online , num artigo de 21/11/2014, da autoria do camarada Espártaco, logo desmascarou e denunciou essa mesma atitude, pondo a nu que a operação policial dos chamados vistos gold ( a chamada “operação labirinto”) fora antecipada e precipitada precisamente para não apanhar o ministro Macedo “com a mão na massa” (também no sentido literal do termo…) e para lhe permitir safar-se para o lugar de deputado e colocar-se deste modo ao abrigo do respectivo estatuto de imunidade. E, mais, denunciou também que o dito Macedo estava metido até ao pescoço no negócio de mais de mil milhões de euros dos terrenos da Feira Popular e que até fora passar com os chineses do mesmo mega-negócio um fim de semana em Ayamonte, onde precisamente a Polícia Judiciária não poderia colocar escutas presenciais.

    continua:
    http://www.lutapopularonline.org/index.php/pais/104-politica-geral/1588-a-um-passo-dos-salazarentos-safanoes-a-tempo-nas-sinistras-criaturas

Deixe Uma Resposta