Dez 04 2013

Falta cumprir o projecto

Publicado por as 19:29 em Geral

sá Carneiro

Share

9 Resposta a “Falta cumprir o projecto”

  1. JR diz:

    Que saudades do PPD agora PSD de Sá Carneiro.

  2. Sim Sim diz:

    Pois é….este é que tinha sido.
    Este era muito melhor que os outros!
    Faça também um post com uma foto do D. Sebastião que também foi novo demais!
    E depois os outros é que têm uma cassete…

  3. "RUSTICO" diz:

    @Sim Sim!
    Vai-te catar!
    Se Francisco Sá Carneiro tivesse governado, isto não estava na “desbumdice” em que nos encontramos, a menos que ele,
    Sá Carneiro, tivesse sido acometido precocemente de paranóia e demência, igual aquela que atinge hoje o “chupista” Mário Soares. Portugal perdeu um estadista, que teria levado Portugal a destacar-se além fronteiras. A direita, reacionária e golpista,
    entendeu que ele e Adelino Amaro da Costa eram inimigos a abater e abateu-os.
    Poucos têm dúvidas: Portugal seria hoje uma nação diferente se não tivesse ocorrido o atentado de Dezembro de 1980.

  4. Sim Sim diz:

    Bla bla bla….whiskas saquetas…

  5. BRUNA diz:

    @SIM SIM——- NN e compra GEL

  6. lição de tango diz:

    Bla bla bla……como é que se pode afirmar algo e ter a certeza se, infelizmente, a pessoa em causa desapareceu tão precocemente. Poderia ter sido melhor, mas também poderia vir a ser igual a todos os trastes que têm passado pela nossa política, e, especialmente, pelos sucessivos governos. Os políticos deixaram chegar isto a um ponto em que já não somos donos do nosso destino, o poder económico, sem escrúpulos, dita a sua lei e estes trastes seguem-na fielmente. Tristes……

  7. black sheep diz:

    Todos os anos, pelo início de Dezembro, é cumprido o ritual messiânico de adoração do grande líder que, se não tivesse morrido, ainda estaria vivo.

  8. Catarina diz:

    Parece que anda por aqui muita gente que ainda acredita que existe um papel determinante na atividade politica das nações que as personalidades fortes e ativas podem desempenhar. Se bem que se tenha por historicamente adquirido que isso foi um facto, hoje se constata que os factores determinantes e condicionantes da politica dos governos (transformados em meras administrações) se situam numa esfera inacessível aos cidadãos. A financeirização do capitalismo globalizado é uma realidade dura e geradora de grandes perversões e perigos para a Humanidade, como o Papa Francisco recentemente apontou. A questão que exprime o desafio que a Humanidade tem de saber enfrentar e corrigir ainda se pode inspirar no aforismo marxiano de que não basta conhecer a realidade, é preciso transformá-la. Começando pelos fins (ou melhor, pela finalidade da luta política, não necessáriamente de classes…), essa é precisamente a grande dificuldade: compreender o mecanismo do mundo atual. A globalização da economia alimenta-se da dinâmica gerada pelas diferentes fases históricas em que o desenvolvimento das economias regionais se encontram: países que ontem eram “terceiro mundo” hoje são os que têm maiores índices de crescimento, em resultado da deslocação de investimentos, retirados do “primeiro mundo” em busca de fatores de produção menos onerosos, condenando à retracção as economias “velhas”. No meio disto, os cidadãos do chamado “ocidente” vão ficando depauperados, não sabendo o que fazer, sentindo-se abandonados à sua má sorte pelos políticos… Mas terão eles culpa? Porque morreu a força das ideologias? Quer-me parecer que uma questão se torna clara: terá sido o abandono da visão social por parte da social-democracia, vestindo o papel de gestores do liberalismo económico, precisamente uma das mais importantes causas do recuo civilizacional que assistimos. Impõe-se pois o retorno à política da visão humanistica. Não apenas no discurso retórico. Precisamos de políticos que tenham essa convicção.

  9. Celso diz:

    Uma condição essencial para ser um governante de eleição será sempre não ter medo. Dos outros.
    O problema dele residiu no facto dos outros saberem disso.
    Vocês sabem do que eu estou a falar !

Deixe Uma Resposta