Dez 02 2013

Correio do leitor

Publicado por as 22:10 em A minha cidade

Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, Beja

“É com grande descontentamento que vos apresento a habitual paisagem de 2ªfeira:

Esta é a primeira imagem que tenho assim que saio de casa. Sim, perceberam bem, assim que saio de casa, isto porque alguém decidiu colocar um molok (contentor de lixo em profundidade) e respectivos contentores de reciclagem mesmo em frente à porta do meu prédio. Podia ser entre um prédio e outro, podia ser um pouco mais desviado, mas eu tive azar, fui mesmo presenteada em frente à porta de entrada do meu prédio. Nota-se logo que não sou vizinha do Presidente da Câmara, certo? Adiante.
Seria tudo lindo e maravilhoso se a recolha fosse feita atempadamente, já que ocuparam dois preciosos lugares de estacionamento. O mínimo aceitável era que este lugar fosse um exemplo de higiene e não um perigo de saúde pública – até porque neste prédio vivem muitas crianças e se fosse para estas viverem no meio do lixo, com toda a certeza que os pais teriam tomado como sua casa qualquer uma da Rua da Lavoura e, assim, evitavam endividarem-se para a vida, porque no meio de tanto imposto a que estamos sujeitos, era escusado estarem a pagar mais um, o da casa.
Por fim, já que estamos a entrar na época natalícia, termino solicitando encarecidamente que resolvam de forma célere esta desagradável e vergonhosa situação, porque os afamados contentores molok que a Autarquia afirmava serem “mais ecológicos e higiénicos” estão a ser uma falta de respeito para com todos os moradores.

Cumprimentos,
A moradora da Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, Beja.

Share

5 Resposta a “Correio do leitor”

  1. Vitor Paixão diz:

    Quando questionado sobre a colocação dos molok’s, pouco antes de abandonar o cargo de presidente da Junta, disse que não me importava que um deles ficasse precisamente no mesmo sitio onde estavam os contentores, ou seja, à porta do prédio onde moro. Disseram-me que por razões técnicas tal não seria possivel, acabando por ser colocado 50 metros mais abaixo. Resultado, e enquanto se mantiveram os separadores de reciclagem alguns dos residentes colocavam o lixo no chão, encostrado aos separadores de reciclagem, só para não terem que se deslocar mais uns metros; os que ficaram com o molok perto de casa refilavam porque estava á porta deles, ao ponto de um deles ter dito que fui eu quem pediu para o colocar longe da minha porta, contudo desmentido na própria Câmara quando se foi queixar já que os técnicos sabiam que eu tinha dito que não me importava de ter o molok à porta do meu prédio. Resumindo, preso por ter cão… e por não ter. Em boa verdade a Câmara acabou por colocá-los onde bem entendia, eu apenas me limitei, desde há alguns anos a esta parte, e de forma insistente, a pedir a sua colocação, não só nos Moinhos de Santa Maria como também no Bairro dos Moinhos. Naturalmente há coisas que os serviços poderão evitar mas nesta questão o principal problema são as pessoas (pelo menos algumas delas), que tudo querem mas também tudo criticam. Se está longe é porque está longe, se o colocam à porta querem-no longe, quando não têm refilam, depois de ter já não querem, enfim, vá-se lá perceber. No caso concreto não estou a dizer que o(a) reclamante não tenha razão em estar desagradado com a vista que tem assim que sai de casa, mas mais do que culpar os serviços da Câmara é preciso consciencializar e sancionar, quando necessário, todas as pessoas que não respeitam o ambiente e que põem em risco a saúde pública, se bem que nesta situação é bem patente a falta ou atraso na recolha.

  2. Zé Capucho diz:

    Outro problema de saúde pública:
    http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=1688

  3. Preto escuro diz:

    FINALMENTE, após 4 anos regressaram ao Praça os contentores de lixo.
    Foi bonito durante os últimos 4 anos o civismo demonstrado pelos bejenses – ou a falta de atenção do Praça e dos seus leitores – na correcta colocação do lixo nos contentores. Agora, com o fim do consulado Pulido Valente, regressou a “javardice” a Beja.

    A crer nesta versão, será que podemos tirar esta conclusão:

    Consulado Pulido Valente: Todos os bejenses se comportavam, nesta questão do lixo, de forma civilizada.
    Consulado João Rocha: Alguns bejenses, nesta questão do lixo, passaram a comportar-se como javardos.

    Vai daí que…

  4. Vitor Paixão diz:

    @Preto escuro
    …em regra os javardos serão os mesmos agora que eram antes, há um ou outro que melhora, mas por outro lado há também um ou outro que faz questão de piorar. Deixo bem claro que este é um problema que atravessa qualquer executivo, seja de que partido for, e que passa pela dificuldade de alguns javardos… ups, pessoas meterem na cabeça que devem tratar e acomodar melhor o lixo que fazem; já o passar com mais ou menor frequência, isso sim, será da responsabilidade de quem faz a recolha, mas mesmo que se melhore na área dos serviços os javardos vão continuar a existir, uns com partido, outros sem partido e ainda outros que para além de javardos são também burros! Resumindo, podemos sempre melhorar contudo é um problema relativamente ao qual não se devem imputar culpas exclusivamente aos executivos.

  5. "RUSTICO" diz:

    VIVA A JAVARDICE!
    A falta de civismo é uma constante na nossa cidade e é propalada por jovens, menos jovens, velhos, etc. etc. Anda toda a gente ao desafio! Só houve um político capaz de meter esta gente na linha, mas infelizmente já morreu!
    Quero imaginar este povo, não só o de Beja, a viver em Singapura ou em Sidney ?! Não dá para imaginar!

Deixe Uma Resposta