Nov 26 2013

Esclarecimento de Rui Marreiros

Publicado por as 21:20 em A minha cidade

Em resposta a comentário efectuado neste post, Rui Marreiros responde e esclarece:

Caro anónimo Alentejano
Primeiro que tudo, deixe-me que lhe diga diretamente que apenas vejo justificação para lhe estar a dirigir algumas palavras porque está a contribuir (creio que intencionalmente) para denegrir a imagem de uma instituição e do conjunto dos seus colaboradores que obviamente não o merecem, portanto é por esta e só esta razão que lhe dedico algum tempo.

Também lhe digo que não é denegrindo o passado que contribuirá para melhorar o desempenho da responsabilidade sobre o futuro.

A crítica cobarde, caluniosa e anonima é uma infeliz característica da sociedade atual, que lhe fica especial e particularmente a si, muito mal, muito mal porque no seu caso particular, algo me diz que à cobardia e à calunia se junta a falta de lealdade.

Que fique portanto claro que estou a escrever, de forma clara e transparente enquanto Rui Marreiros.

Sobre a tão propalada questão dos equipamentos, adianto-lhe já não houve qualquer tipo de apropriação indevida, nos termos que você e os seus amigos acham que dá jeito fazer crer, mas sim a sua venda por valor superior àquele que efetivamente tinham, mas isso o sr. também já sabe, pois se tiveram acesso até às facturas! Felizmente, nesta como em outras questões, a história ainda não está toda escrita e o tempo encarregar-se-á disso mesmo, de escrever a história!

Como também a consciência de cada um que por lá foi passando, carregará aquilo que realmente lhe pertence por direito.

A mim pessoalmente? As costas, essas tenho-as largas, há muito tempo, e uma consciência leve de um dever cumprido.

Sobre a questão do carro como o sr. mais uma vez tão bem sabe, há pelo menos duas coisas que se esqueceu de dizer, a primeira é que a utilização integral da viatura fazia parte do contrato enquanto uma componente da remuneração, modalidade legal e normal em qualquer empresa, mas ainda mais relevante é facto do valor correspondente a essa utilização ser-me imputado anualmente como rendimento e portanto tributado em sede de IRS (então não foi possível conseguir também estes documentos?), tal como a lei obriga mas que nunca foi assumido anteriormente por nenhum diretor ou administrador, ainda que usassem o carro para tudo e mais alguma coisa!!!

Quanto às férias, gasóleo e portagens recordo-lhe que, como sabe, se não tem presente eu conto-lhe, tive tão poucas férias ao longo de quatro anos que parte delas foram-me pagas excepcionalmente e outra parte ainda está por processar.

Mas também lhe digo que nas poucas que tive e nas raras em que me desloquei para fora, o combustível e as portagens foram-me descontados do vencimento, também por minha opção contratual, ainda que assim não tivesse que ser.

Quer um exemplo, eu dou-lhe.
No verão de 2012 tentei tirar duas semanas de férias.
Resultado?
Vim 4 vezes a Beja!!!

Sabe meu caro, quem pagou e pagou bem caro, foi a minha família, foi essa que pagou caro, mas não em dinheiro, pagou pelo minha ausência nas intermináveis horas de serviço público que prestei.

Mas que isso não lhe sirva de consolo porque faria tudo de novo e voltarei a fazê-lo onde for preciso e sempre que tiver que ser!!!

Sempre lhe vou dizendo que nisto não estive sozinho porque comigo estiveram muitos colaborados da EMAS que de alguma forma também trocaram muito das suas vidas pela recuperação da empresa que a continuar como estava, à luz da lei e do estado atual das coisas, estaria na primeira linha da extinção! Aqui também a história e o tempo farão o seu papel.

Sobre as carrinhas na cidade, mais uma vez, como bem sabe, trata-se de um patrocínio e não de um subsídio, que para a empresa trouxe retorno em termos de imagem e para o clube benefícios de vária ordem .
Tudo feito as claras, tão as claras que até está visível nas carrinhas, nas camisolas dos atletas, nos placares de vários espaços desportivos, nas t-shirt, nas piscinas, vejam bem!!!
Prevaleceu o critério do serviço à comunidade que beneficiou uma comunidade muito alargada, ou acha que com a Zona Azul prevaleceu o critério político (permita-me que o desiluda dizendo que de toda a direcção do clube sempre teve uma atitude exemplar, irrepreensível e inabalável)?

Como me conhece, sabe que não faço exercícios dessa natureza, peço-lhe por isso que os faça o sr. e vá revisitar o passado e veja a forma encapotada como se faziam e pagavam favores a amigos e compadres …disso há quem tenha uma pasta cheia, eu, as que encontrei, mandei para o lixo!

Sobre o Heróis da Água, deixo-lhe apenas um apontamento e um pedido, um apontamento para lhe dizer que está a falar de um dos maiores projetos de educação ambiental alguma vez levado a cabo em Portugal, do qual os seus filhos e netos se recordarão para sempre, um pedido, para que dê uma volta pelas dezenas de estabelecimentos de ensino onde o projecto esteve presente e pergunte aos alunos das várias faixas etárias se conhecem o Herói da Água e o que ele lhes ensinou, faça isso e depois, se tiver vergonha de assumir, mesmo anonimamente, venha aqui contar-nos o resultado, faça isso, faça!!!

Quando quiser falar comigo e ter melhores esclarecimentos de forma frontal clara e directa, tenho todo o prazer em o convidar para um café e um copo de água no Luís da Rocha!!!

Não resisto terminar sem lhe dizer com franqueza que de Alentejano o sr. não tem nada, porque o Alentejano é uma raça de pessoas honestas, corretas e frontais e veja bem, sabe de onde vem muitos deles?
Eu digo-lhe.
De Mértola, veja lá!!!
De Mértola, de Beja e de muitos outros sítios do Baixo Alentejo.

E você, veio de onde?

Um abraço
Rui Marreiros

Nota do editor do blog: Agradeço a Rui Marreiros este seu contributo para esclarecer boatos e calúnias. Raramente uma figura pública cede a participar nas caixas de comentários de um blog. RM fê-lo. Gosto de quem dá a cara e assina aquilo que escreve. Aos comentadores: aconselho a reler o estatuto do Praça da República.

Share

8 Resposta a “Esclarecimento de Rui Marreiros”

  1. JR diz:

    Quem assim fala nada teme pela frontalidade, com provas, com dados e elementos inquestionáveis, obrigado Rui Marreiros pelo serviço público realizado, todos fossem como o eng. .

  2. Zé da Fisga diz:

    Enquanto dirigida pelo Eng.º Rui Marreiros a EMAS ganhou dimensão, modernizou-se do ponto de vista técnico e administrativo e desenvolveu Beja, e o concelho, tornando-se numa empresa na verdadeira aceção da palavra, respeitada e considerada pelos bejenses. Uma empresa de Beja dinâmica, ao serviço do concelho. Muito bom trabalho da EMAS! Parte significativa da renovação urbana da cidade ficou a dever-se ao grande trabalho da EMAS, sob batuta do delegado-executivo que agora saiu e pela porta grande, acrescente-se (mérito repartido pela equipa que o acompanhou, bem como pelos trabalhadores da empresa). Esperemos que aqueles que agora o substituem estejam igualmente à altura e que continuem o excelente trabalho feito nos últimos anos pela EMAS. Para que continuemos a orgulhar-nos da “nossa” EMAS. Quero acreditar que sim.

  3. Tira Borbotos diz:

    Caríssimo João Espinho, como sabe que se trata de esclarecer “boatos e calúnias” como refere na sua nota de rodapé ?

    Editor do blog: (só publico parte do comentário) o resto é lixo.

  4. Tira Borbotos diz:

    Lixo é tudo aquilo que se relaciona com o teu PSD no Distrito de Beja e mais, é também a cobertura que tu dás a certa gentinha que por aí se pavoneia ao sabor dos tachos e panelas. Tens dúvidas ?

  5. ZEFERINO diz:

    @ TIRA BORBOTOS — Para a sua indisposição os COMUNAS DE BEJA receitam RENNIE.

  6. Tira Borbotos diz:

    @ Zeferino – Está enganado companheiro! Essas rennies a mim não me servem, servem sim para o João Espinho e se calhar também lhe servem a si Zeferino e servem também a muitos pavões que por aí andam…

  7. João Espinho diz:

    @borboto – Pavões? Ehahahahahah

  8. Lopes da Silva diz:

    Eles queriam comer tudo, o duo dinamico… ele realmente tem uma letra bonita…

    Ui que pena do RMarreiros que ia dar amêndoas no valor de 3000 “paus” para todos nos paços do concelho, e que teve que as despachar à grande pressa, ui, ui que pena do RMarreiros que desbaratou milhares para “bombas e pchaninas” em festas organizadas para os paços do concelho, ui ui ui, coitado do RMarreiros que ganhou a guerra à concorrencia no sector da água na nossa região investindo à patrão na grande feira do sul,UIUIUIUIUIUIUI. os atentos zé da fisga, jr, vocês também pagaram……..

Deixe Uma Resposta