Out 25 2013

Sinais de vida

Publicado por as 0:15 em Geral

executivo cdu beja

Está para breve. O novo executivo já está a preparar o seu primeiro gesto público. Aguardem. Calmamente. O Outono é assim….!

Share

19 Resposta a “Sinais de vida”

  1. João Atento diz:

    @ J. Espinho

    Parafraseando o Dr Mário Soares, este blog corre o risco de se transformar no Pasquim anti-Câmara Municipal de Beja.

  2. Zézé Martelo diz:

    Sim, uma das características deste blog, foi ser sempre um espaço aberto a todas as ideias e temas, tendo o seu dono como moderador e regulador dos excessos, corrigindo os desvios e os desvarios de alguns que de democratas têm muito pouco ou nada.
    Obviamente que tem os seus ideais políticos, dos quais não abdica, e que aqui até são uma mais valia, dado o facto do seu partido servir de charneira entre as duas forças mais votadas, com ou sem vereador eleito. Dando-lhe poder real em todas as eleições ou quando elege o seu vereador, pois torna-o fundamental e até fator decisivo nos elencos governativos camarários.

    Infelizmente esta moda de não eleger o seu vereador, começou há 4 anos atrás, fartos que estavam muitos simpatizantes e militantes do PSD, dos sucessivos, apagados e imobilistas elencos governativos do PCP/CDU. Que não davam o mínimo sinal de poder alterar o estado de antidesenvolvimento em que caminhava a cidade e o seu concelho. Votando no elenco do PS a custo zero.
    Foi um erro tremendo, pois não só criou um precedente, como habituou o PS a ter estes votantes como dado garantido. De tal forma que o executivo de JPV passou 3 dos 4 anos do mandato a fazer reuniões e a ver passar os comboios, ou melhor, as automotoras em fim de vida e antes de serem abatidas, que para cá vieram para fazer o trajeto até a Casabranca.
    E só no último ano do mandato se lembrou que tinha da fazer alguma coisa pela cidade e pelo concelho, e começou então a falar com as instituições e os eleitores, e a demonstrar que tinha obra feita para poder ser reeleito.

    Tarde de mais. E faltou o principal. Estimular o desenvolvimento socioeconómico da região. Escudando-se na enorme divida que herdou, e que não conseguiu provar. Levando a que grande parte dos cidadãos tivessem reais duvidas se não seria uma desculpa esfarrapada e já gasta em outros locais, para justificar a sua inércia e incapacidade de mudar o estado das coisas.
    Acabou por perder as eleições de forma categórica, sem apelo nem agravo. Para grande desilusão dos seus apoiantes, que ainda hoje não conseguiram engolir o facto, mesmo tendo esgotado já várias vezes os stocks de Rennies e Kompensans de todas as farmácias da região.

    Agora, bem ou mal, e o que lá vai, lá vai; temos um executivo camarário da CDU e maioritário na Câmara Municipal, na Assembleia Municipal e nas Juntas de Freguesia por vezes em coligação com o PSD. Numa cidade e num concelho, num momento da nossas vidas em que o panorama não pode ser mais desolador em termos sociais e económicos. E sobre o qual todos temos consciência, pelo que não vou aqui desenvolver considerações.

    Assim e para acabar, interessa que blogs como este cumpram a sua função de analisar, criticar e responsabilizar os eleitos pelo seus erros e falhas durante os próximos quatro anos, até às próximas eleições.
    Mas a pior coisa que devem fazer, pois levaria ao seu descrédito, era não darem o beneficio de ver o seu trabalho e até não aplaudirem as medidas corretas que porventura possam vir a tomar.
    E sobretudo tornarem-se forças de bloqueio ou tribunas de maledicência.

  3. MARIA FLORES diz:

    @ ZEZE MARTELO—Quer maior força de bloqueio e maior terrorismo politico toda a ação desenvolvida nos últimos 4 anos pelos eleitos pelo PCP na CMB ?
    Qualquer Camara/Junta onde esteja Miguel Ramalho o único objectivo é liquidar tudo e todos que não pertençam ao PCP.

    Este blog sempre foi um espaço de liberdade e democracia , não queiram que o João Espinho o transforme na edição bejense do Avante , e que dá pelo nome de RADIO VOZ PLANICIE

  4. RENNIE diz:

    Primeiro ponto, assumo que tive de tomar rennies e que considero a derrota do Beja Capital de grande injustiça. Segundo, apesar disso, sei e tenho de respeitar o voto popular. Não sei viver senão em democracia e prezo muito o respeito pelos outros, ganhando ou perdendo.

    Concordo que se deve dar alguma margem de tempo, até o benefício da dúvida a quem ganha nunca esquecendo que, como o azeite, a verdade vem sempre à superfície… (embora tempo e benefício da dúvida nunca tenham sido dados ao executivo anterior). Convém porém esclarecer algumas inverdades, salvaguardando inequivocamente que este blog sempre foi plural e democrático, não impedindo ninguém de manifestar a sua opinião, que eu saiba. Ponhamos então algumas situações no seu devido lugar:

    – O trabalho e a obra do anterior executivo começou logo no 1º e 2º anos. Lembremo-nos dos 3 centros escolares e das águas e esgotos das Neves (embora iniciados anteriormente, foram desenvolvidos, concluídos e pagos depois), do jardim público, da reestruturação total de águas esgotos e arruamentos de Beringel, do grande trabalho logo iniciado das águas e esgotos na cidade, da mudança dos serviços técnicos da Câmara, da estrada de Mombeja, novos Molocks e ilhas de ecopontos, nova viatura de recolha de contentores, nova viatura de recolha de lixo para o centro histórico, das semanas abertas nas freguesias rurais, do trabalho de recuperação de candidaturas não feitas ou não aprovadas aos programas comunitários (poço dos frangos, melhoria de escolas/centros escolares, entre outras), do reequipamento total das escolas/centros escolares do 1º ciclo e Jardins de infância feito em 2010 (mobiliário, equipamento lúdico e pedagógico, equipamento informático e quadros interactivos), da modernização administrativa, da recuperação de diversos parques e zonas ajardinadas, do estudo e levantamento do estado sanitário de todas as árvores da cidade, da Av Salgueiro Maia, das entradas das Escolas, de diversos edifícios, incluindo os Paços do Concelho, da implementação de diversos concursos que pouparam à autarquia centenas de milhares de euros por ano (seguros, combustíveis, electricidade, consumíveis, materiais diversos e de obras…), dos projectos lançados e discutidos publicamente, entre muitas outras obras e projectos. Convém esclarecer que de município com uma das menores taxas de realização de projectos/candidaturas em 2009, Beja, na sua zona de influência, passou a ser em 2013 o município que mais projectos e candidaturas apresentou e viu aprovados, acrescentando um dos maiores, senão o maior, índice de taxa de realização de entre todos os municípios alentejanos. Afinal é uma obra, impossível ser feita apenas no último ano (e não falamos das obras dos últimos 2 anos, casos da Mouraria, da ciclovia, da Av Vasco da Gama, das Portas de Mértola, na Rua Luís de Camões, do saneamento básico da Salvada e Cabeça Gorda, das diversas pavimentações, da compra de equipamentos de higiene e limpeza, da central de betonagem e da pavimentadora, dos arranjos de caminhos rurais pela engª militar, do grande trabalho social e de parceria com inúmeras entidades e instituições, com acordos feitos com a REFER e IRU para cedência de novas casas aos bejenses, das hortas urbanas …)

    – Quanto à dívida, que afinal diminuiu não 11, mas quase 12 milhões de euros, não deveria ser necessário provar o que por lei tem de ser provado, documentado e público. Basta serem consultados os documentos oficiais e públicos. Estes documentos, para além de exigidos pelo governo e verificados mensalmente, são públicos, apresentados e analisados em Reuniões de Câmara e Assembleia Municipal. Estão à disposição de qualquer munícipe ou cidadão, basta com boa fé serem feitas as devidas contas, em termos reais e comparativos…Penso que também estão disponíveis no site da Câmara.

    -Finalmente, a estimulação do desenvolvimento socioeconómico da região. Será sempre possível fazer mais e melhor e esperemos que se faça mais e melhor. Apesar de tudo, num país como Portugal que atravessa a crise que todos sentimos na pele, apesar da reprovação do PAEL pela maioria CDU da Assembleia Municipal (retirando 5 a 6 milhões de euros à economia local e regional, onerando por sua vez a Câmara em algumas centenas de milhares de euros de juros a favor dos bancos), muita coisa foi feita e importantes investimentos foram iniciados no Concelho e outros já estão acordados e protocolados. A Câmara foi sempre um parceiro activo e pro-activo, em Beja, na região, em Lisboa e até fora do país. Os próprios fornecedores de Beja viram as as dívidas do município saldadas ou regularizadas. Já agora, comprovadamente e de forma registada, foi o executivo anterior, quem mais atendimentos a pessoas, entidades e empresas efectuou. Repito, com registos. Mais diálogo, é sempre possível dialogar mais…vejamos o futuro.
    Será bom que se consiga a electrificação da linhas da CP de ligação a Évora e Lisboa, com viagens directas, recuperação da linha da Funcheira… Que o IP até Grândola seja uma realidade, que o aeroporto tenha diversas dezenas de voos regulares semanais e outros tantos de cargas e descargas, que Beja e o Alentejo sejam uma das regiões mais desenvolvidas do país e, quiça, da Europa, que o Politécnico tenha muitos mais alunos, cursos, investigação e grandes e “lucrativas” parcerias com a cidade, com a região, com o país e até com outros países, que as “Experiências a Sul” cresçam muito mais e se internacionalizem, que a Ovibela seja a melhor feira agrícola, repito, agrícola e empresarial da península ibérica, que o Hospital ganhe novas valências, camas e importância a nível regional, que surja uma boa dúzia de novas e inovadoras empresas, geradoras de riqueza e emprego, que para além do sucesso do olival, da vinha, do milho, do tomate e do agro-turismo, que as estufas, a hoticultura e a fruticultura continuem o seu desenvolvimento sustentado, que o museu atinja a dimensão nacional que almejamos, que o Conservatório mantenha a sua qualidade artística e a sua sustentabilidade finaçeira, que o cante alentejano seja património da humanidade, sem aproveitamentos politiqueiros… Todos devemos lutar por tudo isto e muito mais; mas sejamos honestos, tal não se faz em 4 anos, em crise profunda, com dívidas monstruosas, sem vontade governamental, com diminuto peso político e muito menos apenas por vontade de uma Câmara.

    Por mim serei sempre crítico, mas construtivo. Desejo sempre o melhor para Beja e para a região, mas não podemos esquecer o passado recente, a oposição inúmeras vezes destrutiva, a recusa de, por questões politico-partidárias, ser recusada ajuda ou colaboração ou ainda as acusações e as exigências impostas ao executivo que agora terminou o mandato. Necessariamente, este novo executivo tem a obrigação de fazer melhor, muito melhor, face às condições financeiras, económicas e de largas maiorias políticas que dispõe no Município e, espero, sem uma oposição destrutiva que ponha à frente os interesses pessoais ou partidários, como foi feito recentemente.

    Boa sorte e longa vida ao “Praça da República”, pois a liberdade e a crítica, goste-se ou não, fazem sempre falta, desde que nos saibamos respeitar.

  5. bejense diz:

    Senhor ou senhora Rennie leia isto e já percebe porque é que com tanto “trabalho” feito, Pulido Valente perdeu as eleições.
    http://www.alentejoemlinha.pt/o-melhor-pior-exemplo/

  6. atento diz:

    Um doce para adivinhar qual dos vereadores do ps escreveu este lencol. Por certo nao deve ter muito para fazer

  7. JR diz:

    O assessor socialista Jorge Bernabé como não teve lugar em Beja foi dormitar e ir voltar todos os dias para a autarquia de Ourique, daí a vingança escrita das suas palavras contra o JPV, mais devia era estar calado.

  8. Sentinela diz:

    Procedimento dos funcionários da CMB quando se aproxima o Presidente “Rock”.

    Abrir alas, tomar uma atitude respeitosa, baixando o olhar, inclinado a cabeça e levantar o chapéu.

    Está expressamente proibido dirigir a palavra ou cumprimentar através de bom dia, boa tarde, estender a mão ao “Rock”, pois o funcionário não tem dignidade suficiente para se dirigir a sua ex.ª, presentemente o dito tem ignorado tal desplante, mas num futuro próximo, tal atitude pode ser punida com um conjunto de vergastadas na praça da república.

    Está feito o aviso.

    Viva o PCP o partido do povo ou da nova Burguesia

    Assinado S. Ex.ª “o Rock”.

  9. João Espinho diz:

    @jr – meteste a democracia na gaveta. lamentável comentário.

  10. Muro diz:

    Este sentinela é parvo não é? AHAHHAHAHA, se fosse funcionário da Câmara saberia que o João Rocha anda pelos corredores falando com os funcionários que encontra, pergunta-lhes como se chama e o que fazem, no caso de não os conhecer pessoalmente, frequenta o bar coisa que o Pulido NUNCA fez, em contacto com os seus funcionários, tem-os chamado para reunir e se inteirar dos serviços. E no parque de materiais, disse a mias de uma centena de operários que a porta dele está sempre aberta, não precisam de marcações, é ligar à secretária e avisar que vão, e ele, em termos pessoais e profissionais está lá para os ajudar. E esta hein? Informe-se seu babaca.

  11. GUROSAN diz:

    Caro RENNIE eu também tive que tomar alguns antiácidos para melhor digerir os resultados autárquicos.
    Reconheço a qualidade e a seriedade do v/trabalho.
    Esqueceram-se no entanto de um factor que penso que contribui para a vossa/nossa derrota e que se chama COMUNICAÇÃO.
    Durante a 1ª parte do mandato de JPV não ” passava ” nada em termos de informação do muito que se fazia. O eleitorado ficou convencido que durante esse período existia uma inércia total de JPV e colegas não existindo obra feita.

  12. GUROSAN diz:

    @ BEJENSE—cada vez se compreende melhor que um dos factores principais da derrota de JPV encontra-se no próprio partido que apoiava a sua candidatura.
    De facto através de diversos sinais que vão aparecendo vai-se constatando que muita gente ligada a esse Partido terá votado na candidatura Comunista.
    Na sequência das candidaturas falhadas do Dr. Moleiro e do Dr. Carlos Figueiredo percebe-se cada vez melhor que o PS é totalmente incapaz de cerrar fileiras em torno de um candidato , encarregando-se os próprios militantes e dirigentes de acabar com quaisquer hipóteses de vitória do próprio Partido.
    No polo oposto temos o PC , mesmo com divergências enormes relativamente á escolha de candidato , cerraram fileiras e venceram.
    Se de facto o adjunto do Presidente da Camara de Ourique , que por acaso é o máximo dirigente Distrital do PS , tinhas tantas certezas desde 2009 acerca da incapacidade de JPV gerir politicamente a CMB , porque é que dentro dos Orgãos do PS não procurou uma alternativa ?
    Tempo não lhe faltou ( 4 anos) , talvez por comodismo ou talvez lhe tenham faltado foi t…… .

  13. mvu@sapo.pt diz:

    Amigo Gurosan!
    Os meus parabéns pela sua análise. No essencial é isso mesmo, os interesses de cada um e as guerrilhas da treta tem sempre entregue a vitoria ao PC. Com um PS forte a nível local e distrital o PC há muito que tinha sofrido fortes golpes, mas meia dúzia que comadres assim não querem. Tem quatro anos para dar a volta a isto se realmente as pessoas estão primeiro…

    O Barnabé foi mandado há frente, ladrar e fazer barulho mas parece que é ele que vai ficar todo mordido. Homens bons de Ourique, esses já saíram a tempo, estão fartos de tretas.

  14. Maria diz:

    Pois é! O problema está precisamente em barnabés, em oportunistas/vendidos, em mentirosos, em desleais, em invejosos, em interesseiros, em marionetas, feitos de canalhice e sacanice.
    Com a fileira cerrada e união do Partido Comunista já se conta, o que não se contabiliza é a ação de escroques e o nº destes, que praticam a sujidade e a traição.
    Pela análise dos dados, facilmente se conclui que o PCP não é a maior força política do concelho de Beja; os eleitores comunistas estão lá todos e ainda são ajudados em termos de votação, por eleitores do PS e do PSD/CDS, mas se os eleitores que se abstiveram, que votaram em branco ou anularam o voto, tivessem outra postura, o PCP jamais ganharia em Beja. Muitos deles agora, se calhar, torcem-se todos, mas nem ousam dizer nada, mas são muito responsáveis pela atual situação.
    Ao PSD, o que interessava era retirar uma câmara ao PS, para que assim a derrota nacional não atingisse proporções ainda mais devastadoras para o partido do governo. É uma tristeza haver mentes doentias política-partidárias, mas ainda é mais triste ver pessoas, que se dizem pessoas, ir como borregos, atrás das ideias de gente desqualificada.
    Não sei se espero que o paradigma mude e que as pessoas exerçam efetivamente a condição de verdadeira PESSOA. Vou aguardar para ver e vou fazendo a minha parte, como pessoa.

  15. Zézé Martelo diz:

    @- Rennie

    Li com atenção o seu texto, que reputo de excelente. Pois demonstra além de dominar perfeitamente os assuntos, estar disponível para continuar a dar o seu contributo à autarquia e ao concelho.

    No entanto e se me permite, gostaria de lhe fazer um reparo e uma sugestão:

    O reparo, é que se tudo aquilo que menciona em termos de desenvolvimento socioeconómico não for feito, e pareceu-me que está um pouco a zombar com o tema, muito mal estaremos todos por aqui e sobretudo os nossos descendentes.
    E em relação ao comboio, faltou-lhe ainda falar da construção do ramal entre S. Matias e a Base Aérea/Aeroporto. Aproveitando para o efeito as obras de terraplanagem que ainda existem, e que foram feitas pelos alemães no inicio da construção da base Aérea, com vista à implantação em terrenos anexos de uma fábrica de aviões.
    O que nos leva também a um tema muito caro, e que foi referido no debate entre os quatro candidatos no Instituto Politécnico, que é a inexistência de um verdadeiro Parque Industrial em Beja, onde se possam instalar empresas com alguma envergadura.
    Ora se os alemães há cinquenta anos já tinham reparado nesse local, porque não construi-lo aí. Junto a uma plataforma em que se conjugaria o transporte aéreo através do Aeroporto, com o caminho de ferro através do referido ramal e a autoestrada com o IP8 e o acesso à A2.
    Beneficiariam dessa infraestrutura não só Beja e o seu concelho, como até os concelhos de Ferreira do Alentejo, Cuba, Vidigueira, Alvito e até Viana do Alentejo e Portel. Para os quais poderia ser mesmo a única solução para a sua continua e persistente perda de habitantes e decadência económica.

    Quanto à sugestão, não acha que já chega da ladainha da pesada herança que o executivo de JPV e do PS recebeu quando lá chegou ao poder?
    É que pelo que se viu, terá valido a pena ter levado 4 anos e até ao último debate a massacrar tudo e todos com o assunto, e para justificar o quê?
    até porque é difícil compreender que não sabiam que a dívida era assim tão grande quando lá chegaram. O que é que estiveram lá a fazer os vereadores do PS na anterior vereação, que nem sabiam quais eram as contas da autarquia?
    Pelo menos aprendam a lição, e agora, para evitar novas surpresas, prestem mais atenção às contas.
    E por último digo-lhe o seguinte. Sabe qual foi o rei mais importante da nossa História?
    – El-rei D. João II.
    Sabe o que é que ele recebeu de herança de seu pai, D. Afonso V?
    – Praticamente apenas as estradas e os caminhos do Reino, o rescaldo da derrota humilhante na Batalha do Toro com Castela e umas quantas praças fortes no Norte de África constantemente atacadas pelos Mouros e que em vez de contribuírem, apenas consumiam recursos e dinheiro ao tesouro.
    Quando morreu, sabe o que é que ele deixou?
    – Um país viável, organizado e com um projeto inovador e precursor que passava pela expansão marítima. Que ainda hoje em todo o mundo ninguém compreendeu, como é que conseguimos ser tão brilhantes na época.

  16. Azias diz:

    Tá dificil! eheh aguenta q com o tempo passa !

  17. João Atento diz:

    @ – JR
    Deixo aqui em baixo o texto de J. Barnabé.
    Se isto não é uma critica construtiva e bem explicativa para que se possa entender a derrota de JPV, não sei o que é.
    Agora não é nada daquilo que afirma, antes pelo contrário. É um exercicio de responsabilidade pessoal e em relação ao seu partido. Pois são estas criticas corajosas e feitas na altura certa, que têm mérito e valor.

    “A derrota eleitoral de Jorge Pulido Valente (JPV) nas eleições autárquicas em Beja, com apenas um mandato cumprido, é o melhor exemplo do pior.

    … a verdade é que JPV não perdeu as eleições no dia 29 de Setembro, começou a perdê-las no dia em que as venceu em 2009 e acentuou essa derrota ao longo de quatro anos, por opção própria e com responsabilidades exclusivas.

    Tenho o cuidado de não atribuir essa derrota ao PS. É tão injusto fazê-lo quanto indigno e egocêntrico foi JPV ao ignorar o PS ao longo de quatro anos.

    Com tanta asneira política cheguei a pensar se não teria a vontade de perder as eleições. Percebo hoje que não, foi apenas incompetência política e uma personalidade muito própria e quezilenta que se sobrepôs a tudo e a todos e que destruiu a esperança e a ilusão de muita gente que desejou mudar os destinos de Beja.

    Em quatro anos JPV foi um presidente implicante e divisionista, quando tinha a obrigação de ser agregador e garante de estabilidade, em confronto com as pessoas e com as instituições e contrário aos consensos.

    Foram quatro anos contra a natureza da política! Com uma necessidade inatural de mediatismo, mesmo que para isso fossem escolhidos os caminhos do conflito. Também foram quatro anos de costas viradas para as soluções, procurando sempre e exclusivamente impor uma vontade, uma visão e um conceito a tudo e a todos. Enfim, o exemplo da governação que afasta os cidadãos da política!” sic.

  18. RENNIE diz:

    ZéZé Martelo

    Desta vez vou tentar ser mais rápido e começo por D João II, inquestionavelmente um dos melhores reis, o meu rei favorito, pelas suas inteligência e visão. Não é por acaso que o meu amigo também fala da herança deixada pelo rei seu pai e de como ele deixou Portugal, ou pelo menos com as possibilidades e potencialidades reais de Portugal. O problema foram os seus sucessores, que gradativamente desbarataram o seu legado até à chegada dos Filipes. Mas o maior problema foi ter morrido demasiado novo (40 anos) e consequentemente com um curto reinado (cerca de 14 anos), impossibilitando-o de consolidar o seu projecto e de ir muito mais além. Nem mesmo a genialidade de “Tordesilhas” impediram que a morte o levasse no ano seguinte… Mas a D. João II só mais tarde, muitos anos mais tarde, lhe foi reconhecido o valor, e Tordesilhas foi muito criticado na época… Enfim, já é habitual entre nós portugueses, particularmente alentejanos, criticarmos demasiado e deixarmos as coisas a meio. Beja está muito mais organizada, estão criadas as condições, as potencialidades…vejamos o futuro…

    Quanto à ladainha, talvez tenha razão em algum excesso de divulgação, mas não deixa de ser uma incómoda verdade. Apenas dois alertas. Não sei se os vereadores do PS tinham ou não o verdadeiro conhecimento da dimensão do estado dramático financeiro da Câmara. Agora, se eu comprar uma casa, um carro e uma mota para me serem facturados em Janeiro, Março ou Junho, eu tenho em Outubro uma dívida potencial que tenho de pagar, mas documentalmente e de conhecimento público, a dívida só aparecerá quando chegar a apresentação das facturas…dá para entender? Já agora, sem comparações despropositadas, Rui Rio ganhou e reganhou a Câmara do Porto, sobretudo pelo seu trabalho sério de recuperação financeira da Câmara, considerado o seu maior orgulho e essencial para o desenvolvimento futuro do Porto, apesar de atrozes críticas de vários sectores da sociedade tripeira.

    Quanto ao desenvolvimento da região, inteiramente de acordo, todos temos de trabalhar para tal e ainda mais; mas não é racionalmente possível fazê-lo em 4 e dificilmente em 8 anos. Se a tudo isto juntarmos a situação do país…Se interrompermos trabalhos e projectos credíveis em curso…

    Apesar de tudo, haja coragem, saúde e trabalho

  19. Jorge Barnabé diz:

    Tenho o maior respeito pelas opiniões dos outros, sobretudo quando discordam de mim. Lamentavelmente, os comentários anónimos e disfarçados aqui expressos não questionam o que escrevi, nem argumentam o contrário do que escrevi. Enfim, quanto a mim tal atitude não me importa nada, mas são importantes os seguintes esclarecimentos:

    1. Não sou adjunto, nem assessor, de nenhum presidente de Câmara, nem sei o que pensam os dirigentes do PS sobre a derrota em Beja, ou em Cuba, tão poucos sobre as vitórias obtidas. Não sei nem tenho que saber;

    2. Defendo, há mais de um ano que JPV não deveria ter sido candidato nestas eleições. O que previa acontecer aconteceu, não por culpa do PS nem por culpa dos apoiantes (muitos) que se desiludiram com a liderança de JPV. Sempre manifestei o que penso, livremente e com seriedade;

    3. Pelo que atrás expliquei não apoiei a candidatura de JPV, ninguém me viu ou ouviu a participar ou a declarar apoio. Lamento, não sou hipócrita! Faço parte dos 750 bejenses com votos nulos ou brancos e que deveria merecer a reflexão de muitos;

    4. Nunca, em nenhuma circunstância, me passou pela cabeça trabalhar com JPV. Se esse convite tivesse surgido, teria recusado. Felizmente tenho inteligência e convicção suficientes para escolher com quem trabalhar!;

    5. Estou afastado da vida política há 11 anos (11 anos!!!), por iniciativa própria e sem qualquer interesse em voltar. É uma opção. MAS É UMA OPÇÃO QUE ME DÁ GRANDE LIBERDADE PARA ME COMPORTAR EXACTAMENTE AO CONTRÁRIO DO QUE AQUI ESTÁ ESCREVERAM!!

    6. Só quem intervém de má-fé (a má-fé que me pretendem atribuir!!) é que considera a possibilidade de ser comandado no que escrevo e no que digo. Pois bem, comigo tal não acontece, nunca aconteceu, nem acontecerá. O capital de liberdade que tenho conquistei-o com a minha intelectualidade própria e com uma intervenção que julgo ser isenta, objectiva e de pensamento próprio.

    Há, ainda, muita gente que não consegue conviver com a democracia e com os outros e isso lamento profundamente!

    Agora e no futuro, como no passado, continuarei a afirmar o que penso. Estou disponível, SEMPRE, para debater opiniões e ideias, aceito que me contrariem no que escrevo mas considero muito cobarde atacarem quem escreve sem questionar o que está escrito!

    Obrigado!
    Jorge Barnabé

Deixe Uma Resposta