Set 06 2013

Hoje no Diário do Alentejo

Publicado por as 0:15 em Geral

DA_6 Setembro2013

Share

15 Resposta a “Hoje no Diário do Alentejo”

  1. Melga diz:

    A montanha ( Tribunal Constitucional ) pariu um rato ( Bloco de Esquerda ), com a viabilização das candidaturas autárquicas do PS – BEJA CAPITAL e do PCP – CDU e as expectativas em Beja de Lopes Guerreiro dizer publicamente que iria ganhar com o apoio de dissidentes comunistas, desfez-se em cinzas.
    Como é que concorrendo apenas e só a 5 de 12 freguesias e sem capacidade de cativar pessoas para a totalidade das listas, cerca de 200, afirma este tipo de utopias enganosas ao eleitorado do concelho de Beja e com que fins sem possuir meios ?

  2. J.J. diz:

    Melga: Claro que os objectivos e expectativas de Lopes Guerreiro não são ganhar as eleições. Mas se for eleito vereador, já é uma vitória.
    E ninguém tem dúvidas de que este facto levará a uma alteração completa da arquitectura da vereação da Câmara que existe desde o 25 de Abril de 1974. Com repercussões evidentes ao nível do status squo institucionalizado e talvez o conseguindo implodir. Sem dúvida que daqui a 4 anos, ele ou alguém do seu movimento, e terá outros objectivos.
    Quem parte de trás, de zero vereadore,s não pode logo aspirar a ganhar. Há-que ser paciente e dar tempo ao tempo.
    Os outros partidos que se cuidem…

  3. Maneli diz:

    Enquanto se entretêem com especulações, nas costas dos baixo-alentejanos se vai desmantelando o Hospital.

  4. J.J. diz:

    Maneli:E é só o Hospital?
    E os outros sectores?

    As comunicações, como as estradas e os comboios que a aqui tenho dito e redito.
    O desenvolvimento económico nas suas várias vertentes.
    O desemprego, sobretudo dos jovens.
    A perda continua de população da região.
    A decadência da cidade e da sua malha urbana. Dê uma voltinha à volta da Praça da República para ver com os seus próprios olhos o estado de degradação a que se chegou.
    Etc, etc, etc,…

    Agora, o que não oiço é nenhum candidato debater estes temas.
    PORQUÊ?

  5. hans virago diz:

    Dois milhões de euros???

    Haja Fartura!!!

    Então acham muito? Têm noção do preço a que está a gasolina? E o gasóleo?

    E as fotocópias? Toda a gente sabe que o papel e o tóner estão pela hora da morte. E são precisas MUITAS fotocópias. Ou será que são só cópias?

    E as necessidades básicas do séquito que acompanha as passeatas? A comidinha também não está nada barata, já para não mencionar a carradona de águas que toda essa gente consome, nestes dias de calor.

    Se esses 2 Milhões não chegarem, o que eu desconfio, terá de se arranjar mais uns trocados, que remédio!

  6. Maneli diz:

    Oh JJ, então aí vai outra perguntinha: se um VIP autárquico ou partidário tiver uma solipampa da máquina, quer fazer um estágio no quarto piso antes de ser transferido para Évora ou vai logo de helicóptero para uma clinica da capital?

  7. Cota diz:

    Um processo de informação muito discutível.

    Vejamos 2 milhões no Baixo Alentejo, significa 14 concelhos do distrito de Beja + 4 concelhos de Setúbal ( Sines, Grândola, Santiago e Alcácer do Sal ) ou seja 18 concelhos.
    Se em média existirem 4/5 candidaturas por concelho, já para não referir as centenas de freguesias que englobam, dá cerca de 80 a 90 candidaturas.
    Depois existe a densidade de eleitores para a divisão da verba que dá média 22 a 25.000 € cada, já sei que é variável veja-se o caso de Beja.
    Este título é demagógico e serve para revoltar os cidadãos/contribuintes, que são quem paga o próprio Diário do Alentejo, ironia ou não?

  8. Maria vai com as outras diz:

    Maneli, não vá por aí… Até porque em politica não deve valer tudo.
    A saúde das populações é um bem tão importante, que não deveria fazer parte da agenda eleitoral e da guerrilha politica em vésperas de eleições.
    E sobre o Hospital de Beja, já há muito tempo que está a perder competências, tal como no caso do comboio, sobretudo para Évora.
    E só agora é que apareceram os defensores dos interesses das populações do Baixo Alentejo.
    Raios que os parta a vocês todos.

  9. Maneli diz:

    Duas forças partidárias se calam sobre o fecho das camas do nosso hospital: o PSD e o PCP. Palavras para quê?

  10. J.J. diz:

    Maneli, não responda apenas a parte do que Maria vai com a outras diz. Faltou a outra, a da “agenda eleitoral” e a “guerrilha politica em vésperas de eleições”.

  11. Maneli diz:

    JJ, não vê quem escolheu o momento para abrir guerra aos utentes do hospital? Não vê que a administração quis fazer malandrices na surdina, em pleno agosto?

  12. J.J. diz:

    Maneli, você é mesmo um autentico clone do António José Seguro.
    E não há mesmo nada a fazer.
    A não ser termos esperanças que o António Costa resolva de vez o problema.

  13. Melga diz:

    @ J.J.
    Só no congresso em 2015 antes das eleições legislativas.

  14. Maneli diz:

    Há pessoas que pensam que isto é futebol…

  15. J.J. diz:

    Melga:Olhe que não. Olhe que não.
    Tal como António Guterres se demitiu do governo devido a maus resultados de eleições autárquicas. Assim também pode suceder com Seguro, enquanto líder do PS, se os resultados não forem lá muito convincentes.
    E estes dois últimos acórdãos do Tribunal Constitucional foram cá uma machada tão grande neste PS-Seguro. Que se não fosse o último chumbo da Lei da Mobilidade dos Funcionários Públicos, havíamos de ouvir o que os atuais responsáveis socialistas lhes passa pela alma.
    Aliás basta olhar aqui para a região Alentejo no seu todo e a nossa em particular, em que os Independentes e sobretudo o PCP-CDU podem voltar a reconquistar uma série de Câmaras ao PS, passando aquele de novo a ser a força dominante local. Para causar logo um amargo de boca tal nos militantes das distritais do PS, e o lugar de Seguro e dos seus muchachos começar logo a perigar.
    E a isto há a juntar o facto de que muitos militantes e simpatizantes socialistas não se reverem na forma de fazer politica da sua atual liderança. A qual embora composta por muito bem-falantes, não adianta uma única solução para os graves problemas do país, limitando-se a seguir a retórica sobretudo do Bloco. E disputando com este e o PCP uma forma de fazer oposição, que não lhe é característica.
    Antes pelo contrário, veja-se o mérito que Mário Soares teve quando com medidas tão penosas como estas, conseguiu recuperar o país de outra bancarrota há alguns anos atrás. Se não as tivesse tomado, alguma vez teria sido depois eleito Presidente da República?

Deixe Uma Resposta