Set 21 2013

João Rocha

Publicado por as 1:50 em autárquicas 2013

rocha chen

Para quem não conhece, sugere-se esta entrevista. Vale a pena. Se houver paciência voltarei a esta pérola.

Share

16 Resposta a “João Rocha”

  1. dfg diz:

    Querido João Espinho: DÓI MUITO?!

    Estou velho!
    Dói-me o joelho
    Dói-me parte do antebraço
    Dói-me a parte interna
    De uma perna
    E parte amiga
    Da barriga
    Que fadiga
    O que é que eu faço?
    Escolho o baço ou o almoço?
    Vira o osso
    Dói o pescoço
    É do excesso
    Do ex-sexo
    Alvoroço
    Reboliço
    Perco o viço
    Já soluço
    Já sobroço
    Esmiúço
    Os meus sintomas
    E já agora, do meu médico
    Os diplomas
    Esmiúço
    A consciência
    E já agora, apresento a penitência

    Ah que estou arrependido
    De ter feito e de ter tido
    Ai coração, ora seja
    Como a que ouvi na igreja

    Mea culpa, mea culpa
    Minha máxima desculpa
    É ter vindo p´ro presente
    Conservado em aguardente

    Quero ser p’ra sempre jovem
    As minhas células movem
    Uma campanha eficaz
    Água benta e água-raz
    O elixir da eterna juventude
    Esse que quer que tudo mude
    P’ra que tudo fique igual
    Estava marado
    Falsificado
    É desleal!

    SIM E PODES VER QUAL É O IP PORQUE ESTOU NUMA INTERNET PUBLICA MAS; AINDA ASSIM VAIS DIZER COISAS OU NÂO PUBLICAR

  2. J. J. diz:

    Se fosse por conversa bonita, já António José Seguro e os seus tinham um avanço brutal nas sondagens em relação aos outros partidos. E não é o caso.
    Não. Nestes tempos e 40 anos depois do 25 de abril de 1974, já todos devemos ter em mente que um politico não se mede pela sua conversa.
    Mede-se pela sua competência, ou obra realizada se for o caso.

    E neste em particular particular, que tal uma voltinha por Serpa e pelo seu concelho?
    E depois comparar com Beja.

  3. Cota diz:

    Pelo que se sabe em Serpa a dívida deixada é superior a 10 MILHÕES de EUROS e o BMW escondido na garagem comprado há menos de 1 ano.
    O homem não conhece nada de Beja a nível de instituições, ganha já a sua reforma completa e vem tentar ganhar mais 1/3 conforme a lei.
    Sempre pensei que não fosse tanto DITADOR, mas ao falar com as pessoas de Serpa nas várias sensibilidades fiquei com o retrato completo.

    Significa se Beja deve ainda 12 MILHÕES DE EUROS por causa do PCP / CDU a tendência é vir a aumentar a dívida em mais MILHÕES.
    E mais não digo e escrevo porque é dar-lhe demasiada importância e hoje a arruada comunista eram 20 a 25 pessoas, como os tempos mudaram e o poder de mobilização era outro com mentiras e promessas a quem votou sempre durante 39 anos o Orçamento de Estado, criticar é fácil mas governar é difícil e a depois do PREC a oportunidade caiu no esgoto.

  4. Cota diz:

    Leia-se vetou e não votou.

  5. ATENTO diz:

    Mas alguém acredita que JR, a ser eleito, vai ficar 4 anos na C.M.B. isto depois de cerca de 40 anos de vida autárquica?
    Para mim, esta sua presença como cabeça de lista da candidatura da CDU, não passa de um chamariz ao voto numa tentativa da CDU recuperar a Câmara. Inteligentemente aproveita o “prestígio” como autarca do JR e este, pós-eleições, seguirá o seu destino. Se aguentar até ao meio do mandato, já me parece muito.

  6. se eu pudesse... diz:

    Anda tudo doido com o J.R. qual imberbe adolescente com o chá de pintelho. Vi a “arruada” da CDU no mercado de Stº Amaro e fiquei com duas certezas. 1º O autarca modelo /sarcastic mode off – anda com uma cara de frete que se topa a quilometros. 2º Pela mobilização populacional, atrevo-me a dizer, J.R já fostes.

  7. J. J. diz:

    E JPV?
    Será que existe, está vivo e vai-se recandidatar?
    parece que não. Pois é só JR, JR, JR, JR,……JR.

    É Pá. Deixem o homem da mão.
    O que é que ele lhes fez?
    Porra. Porra.

  8. se eu pudesse... diz:

    Mais nada Pá, J.R Pá, viva a CDU Pá, Porra Pá

  9. tigre alentejano diz:

    A entrevista é o espelho da ideologia e da pessoa: quanto pior melhor e sou o melhor, arrogância.
    Quando questionado pelo papel dos Independentes do Bloco e o que pode afectar a sua candidatura, recusou falar!!!!
    Creio que ira afectar tanto os comunistas quanto o Pedro Caeiro os Socialistas na votação final e haverá uma maior repartição dos votos porque as pessoas estão “fartas” dos erros políticos locais em primeiro lugar e nacionais depois.
    O que poderá também influir será sem duvida as Juntas, com Beringel, Neves e Baleizão na mira PS, a Assembleia Municipal não será a mesma seja que for o vencedor.

  10. J. J. diz:

    Para desenjoar do JR, com a permissão de J.E.

    Servos da dívida

    O desígnio maior das políticas do governo é o pagamento de juros. Os governantes reduzem assim cidadãos e empresas à condição de escravos ao serviço de agiotas.

    Por:Paulo Morais, Professor Universitário

    “Em 2002 disseram-nos que estávamos de tanga. Fizemos orelhas moucas e elegemos Sócrates para PM. Hoje estamos com uma mão na frente e outra atrás. Mas a de trás não nos serve de muito. E só temos o que merecemos.”

    A intervenção externa, a que estamos condenados desde 2011, já teve por primeiro objetivo garantir que o estado português disporia de recursos para pagar os juros usurários a que se tinha comprometido ao longo dos anos, em particular nos últimos meses da era Sócrates. Os sucessivos empréstimos da troika não vieram resgatar o estado português, mas sim os bancos a quem este devia dinheiro.

    Com o resgate da banca veio o sequestro do estado português. A maior das despesas públicas é agora o pagamento de serviço da dívida, que orça em cerca de oito mil milhões de euros anuais. Mais do que à educação, à saúde ou à segurança social, os impostos dos portugueses destinam-se ao pagamento de dívidas mal contratualizadas ao longo dos anos. Gastar mais em juros do que em qualquer área social é irracional. Seria o equivalente, em termos de economia doméstica, a uma família despender mais em perfumes do que em alimentação.

    Para sustentar um orçamento monstruoso e enviesado, o governo endurece a carga fiscal, agrava o IVA na restauração, aumenta o IRS a quem ganha mil euros, baixa as pensões e as reformas. A quebra do poder de compra reflete-se na diminuição do consumo e consequente redução da riqueza do país. Fecham empresas, aumenta o desemprego. O modelo de gestão das finanças públicas destrói a economia.

    Cidadãos e empresas ficam assim sujeitos ao empobrecimento e reduzidos à condição de servidores do orçamento de estado. Até as verbas da segurança social são, de forma perversa, desviadas para títulos de dívida pública. Ao obrigar os pensionistas à condição de credores do estado, o governo inviabiliza qualquer renegociação de dívida. Pois doravante a redução de juros ou o alargamento da maturidade dos empréstimos virá prejudicar fortemente as reformas e pensões.

    Voltamos ao sistema feudal. Assim como na Idade Média rural os portugueses eram servos da gleba, hoje, em época de predomínio financeiro, estamos condenados à condição de meros servos da dívida.

  11. Bejense diz:

    A arruada de hoje da CDU / PCP com quase todos os candidatos rondava 25/30 pessoas, mas atenção por 1 voto se ganha e por 1 voto se perde, caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, agora os comunistas a seguir ao 25 de Abril aqui no Alentejo foram terríveis e é pouco, sem respeito pela democracia e confiança, honestidade que hoje apelam nos cartazes.

  12. J. J. diz:

    Mais um Tesourinho, com a permissão de JE, para continuar a desenjoar de JR.

    Eles ‘andem’ aí

    Por: Henrique Monteiro

    Há muitos anos, talvez 15, dediquei-me a fazer no Expresso um exercício simples: se uma determinada autarquia tinha dois campos de ténis e uma piscina para – digamos – três mil eleitores, utilizando o mesmo rácio quantos campos de ténis e piscinas deviam ter alguns bairros (para não dizer ruas) dos grandes centros?

    Eu sei que as contas não podem ser feitas assim, a cru. Que há a interioridade (embora eu sustente, há muito, que os custos da suburbanidade são muito maiores dos que os da interioridade ou mesmo os da insularidade). Mas quem diz piscinas, diz centros culturais, bibliotecas, cinemas e muitas outras estruturas construídas pelas autarquias e pagas por todos nós. Se pensarem que Vila de Rei (concelho) tem 3000 eleitores e um campo de jogos, piscina coberta, piscina descoberta, skate park, polidesportivo e ginásio – tudo galhardamente apresentado pela Câmara, vejam bem a que tem direito o pessoal da Falagueira ou da Póvoa de Santo Adrião.

    A verdade é que o país da reforma de Mouzinho mudou. Não é o mesmo. Terras que ficavam a uma hora de distância estão a 10 minutos. Outras, que estavam a 10 minutos, estão, por via da filias de trânsito, a uma ou duas horas. Mas ninguém fez nada para alterar este estado de coisas, porque não têm coragem. Lá arranjaram umas uniões de freguesias, mas nos concelhos – onde se podia efetivamente poupar – ninguém mexeu.

    Para ajudar à festa, ouve-se a campanha e conclui-se que – como dizia o outro – ‘eles andem aí’. Só ouço promessas que custam dinheiro (desde jardins para cães – lá falei do PAN) a apoios à terceira idade, certamente muito necessários mas cujo orçamento há de vir de algum lado.

    Que mais será preciso, para esta gente aprender

    Ler mais: http://expresso.sapo.pt/eles-andem-ai=f831542#ixzz2fbZrvOfk

  13. El Juanito diz:

    Qual é o “numero” que faz no circo Chen?! O cócó, o ranheta ou facada?! 🙂

  14. Manella diz:

    Espanholzito: Quando ele for o presidente da Câmara, como tudo o indica, depois quando lhe fores lá ao beija-mão, logo lhe perguntas.

  15. Anónimus diz:

    Eh PÀ. Vocês andam mesmo aborrecidos com as sondagens que dão a vitória à CDU PÀ! Percebe-se pois….vai haver aí tanto monco caído.

  16. El Juanito diz:

    Quando ele for presidente?! Mas no dia das eleições o circo já estará noutras paragens! Mau, não estou a perceber!!!

Deixe Uma Resposta