Jul 02 2013

Moura e Vidigueira – PSD apresenta candidatos

Publicado por as 19:35 em autárquicas 2013

autárquicas 2013 psd

A apresentação da Candidatura aos Órgãos Autárquicos do Concelho de Moura da coligação Coragem para Mudar – PSD/CDS-PP, encabeçada por Carlos Valente terá lugar no dia 5 de Julho (Sexta-feira), pelas 20 horas no Restaurante “o Celeiro”, contando com a presença de Luís Marques Mendes.

A inauguração da sede de campanha e a apresentação da candidatura de José Manuel Maldonado à Câmara de Vidigueira terão lugar no próximo Sábado, dia 06 de Julho pelas 11h30, contando com a presença do Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Luís Miguel Poiares Maduro. Segue-se, pelas 13h00, um almoço no restaurante “A Cascata”.

Share

9 Resposta a “Moura e Vidigueira – PSD apresenta candidatos”

  1. FB diz:

    É só comes e bebes, em restaurantes e nas coligações está também presente o demitido Paulo Portas ?

    Então a totalidade de candidatos às juntas de freguesia nos concelhos em parte ou totalidade, é omissa ou inexistente ???

  2. FB diz:

    Coincidências ou não do nomes dos 2 restaurantes, dos candidatos a eleitos e das presenças de ” peso ” do PSD sem o CDS para as apresentações :

    – ” Celeiro ” em Moura, num lugar de depósito, para um ‘valente’, e c/ um comentador televisivo dos mais críticos com o próprio governo PSD ;

    – ” Cascata ” na Vidigueira, ou seja abismo é o que espera, para o ‘mal danado’, por um governante que de maduro tem 2 ou 3 meses –

    Neste jogo de palavras verdades ou ficções, num tirar de tapete de Portas a Passos .

    Perante uma realidade de governo moribundo o 1º ministro, ignora tudo e diz ; ” Não me demito … acredito que a coligação pode continuar … “, para quem perde em 2 dias os seus dois ministros de estado, é grave todos o admitem menos o próprio, com esta tomada de posição destas duas principais bengalas ou optaram por o deixarem isolado, saindo com comunicados escritos durissimos de falta de confiança por parte do 1º, a crise politica é por demais evidente e aguarda-se um novo ciclo politico.

  3. José Corvo diz:

    Peço desculpa mas acho que o emblema do PSD devia estar mais pequenino porque assim afugenta muita caça…

  4. Jamilo da Purificação diz:

    Ok. Mas livrem-nos do Tózé Seguro.
    Só de o ouvir enjoa.

    Será que haverá algum Deus, que nos livre desse seca?

  5. Maria vai com as outras diz:

    Veremos o que sucederá quando a esquerda tomar conta do governo:

    “Há duas semanas, Vítor Gaspar telefonou a Passos Coelho a exigir a saída rápida e irrevogável do Governo. O então ministro das Finanças tinha acabado de chegar a casa depois de uma atribulada visita a um supermercado. A história, contada pelo “i”, que cita dois ex-membros do Governo, mostra bem que o governante já tinha chegado ao limite.

    Gaspar, acompanhado pela mulher, resolveu deslocar-se sem segurança a um supermercado. Ainda que no início as compras tenham decorrido sem sobressaltos, o ministro foi reconhecido, na fila para as caixas, pelos clientes do supermercado, e a situação descontrolou-se. Entre comentários exaltados e insultos, a segurança do estabelecimento foi obrigada a intervir e a escoltar o ministro, sem conseguir evitar cuspidelas insultos e tentativas de agressão.”
    In Jornal de Negócios

  6. F@ce to face diz:

    A minha aposta pessoal e da sociedade portuguesa era António Costa ( actual presidente da Câmara Municipal de Lisboa ), mas o loby das federações e concelhias socialistas não o desejou recentemente e fez com que recuasse dentro do próprio partido !

  7. Maria vai com as outras diz:

    Com a permissão de J. Espinho:

    Portas e Passos, dois fedelhos
    por Henrique Raposo
    18:41 Terça feira, 2 de julho de 2013
    No meu bairro, as senhoras usavam muito uma expressão que serve para descrever Passos e Portas: “fedelho”. Pedro Passos Coelho e Paulo Portas comportaram-se como dois fedelhos, dois meninos sem noção do impacto das suas acções, dois egos sem noção dos limites. E já não é a primeira vez: a porta, de facto, vai ser serventia da casa. No caso da TSU e afins, Pedro Passos Coelho não respeitou o parceiro de coligação e, na resposta, Portas não manteve o nível institucional. No meio de um resgate internacional, foram incapazes de se comportar como homenzinhos. Há coisas que não se perdoam.

    O filme repetiu-se agora. É evidente que Passos não quis saber da opinião de Portas sobre o substituto de Gaspar. E também é evidente que Portas colocou qualquer coisa à frente dos interesses do país. A escolha de Passos é questionável, mas lançar o país no caos, fazer os juros disparar e, dessa forma, convidar o segundo resgate é ainda mais questionável. O Dr. Portas devia saber que a hipocrisia é uma virtude, sobretudo quando estamos debaixo de um sufoco internacional. Não é “pessoalmente exigível”? Lamento, mas é. No estado em que está o país, um membro do governo tem de saber engolir sapos, tem de saber colocar o país à frente de egos e partidos. O jogo político, neste momento, não pode ser um jogo normal. Qualquer acção deste tipo tem impacto mortal na vida das pessoas. Há coisas que não se perdoam.

    Passados dois anos, a sociedade (não o governo) estava a reagir. O défice externo estava a ser abatido, as exportações estavam a subir, os juros estavam a descer e o desemprego até começou a baixar no último mês. Não por acaso, o meu irmão começou a trabalhar ontem num novo emprego depois de meio ano no desemprego. Não por acaso, conseguiu esse emprego junto do nosso velho bairro, mesmo juntinho à nossa escola primária. Hoje, quando voltar ao novo emprego já cheio de medo de enfrentar nova falência por causa desta brincadeira, o meu irmão vai ouvir a expressão “fedelho” nas conversas sobre Passos e Portas. Na resposta, eu sei que ele vai subir uma oitava, e é assim: “Dr. Portas, Dr. Passos, ide-vos empalar”. Há coisas que não se perdoam

  8. MARIA FLORES diz:

    Com o miseravel espectaculo oferecido pelo Coelho e pelo Portas que resposta esperarão estes dois ” sofredores crucificados ” ?

  9. MARIA FLORES diz:

    Não seria normal que em vez de Marques Mendes e de Poiares Maduro fosse o Eng. Carlos Moedas a marcar presença , ele que foi o deputado eleito pelo PSD ?
    Terá o Eng. Moedas vergonha e medo de ser confrontado por aqueles a quem enganou ?
    O que fez até agora em defesa da Região ?

    A herança que nos deixou , Mário Simões , é tão ruim , tão ridicula que nem merece mais comentários .

Deixe Uma Resposta