Jun 12 2013

Guerra nos nomes das ruas

Publicado por as 14:00 em A minha cidade

minha rua

Antigamente o PCP punha e dispunha na toponímia da cidade. As nossas ruas estão cheias de nomes de “antifscistas” sem que, anteriormente, alguém tenha questionado quem foram e o que fizeram.
Os tempos mudaram, e como não há mais nada para discutir nesta cidade, a oposição comunista decidiu arranjar uma guerra.

Ainda me recordo da dificuldade em atribuir o nome de Sá Carneiro a uma artéria de Beja. Tal como então, os protagonistas são os mesmos. Se eles mandassem, o alentejo estaria inundado de avenidas LENINE e Praças Brejnev. Os velhos ortodoxos não mandam nada, mas vontade não lhes falta.

Share

7 Resposta a “Guerra nos nomes das ruas”

  1. FB diz:

    Coloquem o nome de rua em Miguel Ramalho e têm o problema resolvido, já que o ” homem ” fez tanto por Beja e arredores e agora está a fazer por Moura ( a sacar milhares de euros mensalmente como administrador e lá colocado pelo PCP ), que dignifica mais do que ninguém o nome de boy e vem tentar adicionar voltar a sacar ser presidente de junta na beja capital.

    Já agora quem é a associação de defesa do património que se saiba é o Baioa e mais outro companheiro, dito por ele próprio ainda recentemente em lugar público num debate na biblioteca.

  2. Maria vai com as outras diz:

    Os nomes das ruas mudam com os tempos.
    Pelo que não vale muito a pena debatermos aqui se os antifascistas que têm os seus nomes postos nas respectivas toponimias demorarão mais ou menos tempo do que os dos fascistas que duraram até ao 25 de Abril de 1974.
    Mudam-se os tempos, mudam-se os nomes das ruas a belo prazer das forças dominantes do momento.
    Isto porque nós os seres humanos somos efémeros, quer queiramos ou não.
    É pois, tudo uma questão de dar tempo ao tempo…

  3. VIGILANTE AO LONGE diz:

    @Maria vai com as outras:
    Pelo que escreve, o pseudónimo assenta-lhe que nem uma luva!
    Eu permito-me opinar o seguinte: Todas as pessoas têm importância no seu tempo e só sob esse prisma (a meu ver) se pode analisar a sua passagem por este mundo. Para o bem e para o mal, julgo. não ser prejudicial lembrá-los.
    No caso em apreço, penso que o nome de José Dias Cara Nova, não envergonharia nenhuma rua de cidade de Beja, já que foi importante o seu legado quer como autarca quer como bejense.
    Cada qual no seu tempo (só falo daqueles que conheci), penso que Beja, muito deve a autarcas como: Fernando Nunes Ribeiro, José Dias Cara Nova e José Carlos da Silva Reis Colaço. Todos já partiram, mas se quisermos ser honestos, temos que reconhecer, que qualquer deles, muito deu à sua terra, com pouca disponibilidade de recursos.
    Parabéns a quem teve a iniciativa de propor tal acto: Só perde pela demora! Há na cidade de Beja, designações toponímicas, (nomes dados a algumas ruas) perfeitamente absurdas, cuja origem ou justificação se desconhece: Mas enfim….. manda quem pode! Alguém duvida ? há nomes (recentes) de duvidosa escolha que ninguém conhece ou conheceu ou que a sua actuação enquanto cidadão, nada foi por ai além ?! Manda o partido!

  4. Ventura diz:

    Eu cá proponho:

    Rua Miguel Ramalho

    Antidemocrata

  5. campaniço do campo diz:

    Não percebo tanta arrogância para com vereador Miguel Ramalho. Por mim não o conheço, contudo há que respeitar o senhor atendendo a que o mesmo foi eleito pelos eleitores do concelho de Beja. No que se refere a uma rua com o seu nome, porque não? Certamente tudo o que fez na Câmara não terá sido mal feito e quer se queria ou não cumpre dois mandatos num total de oito anos. Há, também é importante lembrar os individuos que nos governaram desde o 25 de abril que de certeza nos fizeram mais mal do que o Sr Miguel Ramalho. Alguns deles continuam em cargos publicos “Cavaco Silva”, “Vitor Constâncio”, “Durão Barroso”, e outros com modomias vitalicias à custa do povo como “Mario Soares” e outros. A comparar com estes o Sr Miguel Ramalho é um heroi.

  6. João Honrado diz:

    enquanto esta cidade continuar a ser governada por gente que toma opções com base em cores partidárias, Beja continuará no eterno marasmo.

    as homenagens tendo por base a toponímia são exemplo disto. se durante o “antigo regime” as opções eram tidas em prol de tudo o que fosse antifascista (vide zona universitária), já no actual as escolhas surgem à laia do oportunismo político, dum certo fazer para ser notado.

    Confesso desconhecer a obra de José Dias Cara Nova e nem tampouco as suas acções políticas no pré 25/4 mas por exemplo, sei que Fernando Nunes Ribeiro, de quem tive o privilégio de ser seu discente e de beber um pouco do seu conhecimento, foi um Homem de craveira impar e que muito fez não apenas por Beja mas cultura regional.

    O chato da coisa é que foi em Baleizão, numa propriedade sua que morreu a mártir da Soeiro Pereira Gomes e portanto JAMAIS, sob pena de excomunhão, o seu nome e homenagem poderão ser tidos em mandato autárquico da foice e do martelo!

  7. Zé do Ferro diz:

    Qual é o problema de dar um novo nome a uma Rua, se por baixo da placa com o novo nome, se preservar a memória com uma placa mais pequena a referir “antiga rua…”?

    Será que nunca ninguém viu tal situação noutro qualquer lugar?

    É preciso ter mentes muito pequenas ou querer arranjar assunto para se ganhar “tempo de antena”! Na minha opinião, parece-me ser mais a segunda.

Deixe Uma Resposta