Jan 07 2013

Largo do Carmo vai ficar com a cara lavada

Publicado por as 11:02 em A minha cidade

IMG_8295Largo do Carmo foto Mariana Soares
foto: Mariana Soares

O Largo do Carmo, no centro da cidade de Beja, vai ficar de “cara lavada” até ao final do primeiro trimestre deste ano de 2013.
Moradores e responsáveis pela Câmara de Beja e pela Junta de Freguesia de São João Baptista reuniram na passada sexta-feira, 4, ao final da tarde, sendo que dos quatro projectos de requalificação apresentados pela autarquia foi aprovado o que prevê a proibição de estacionamento na placa central do largo, em redor da estátua da Virgem Maria. (ler notícia)

Share

23 Resposta a “Largo do Carmo vai ficar com a cara lavada”

  1. morador diz:

    Até que enfim e mais vale tarde do que nunca …

    Em face das 4 propostas apresentadas conjuntamente pela autarquia e junta de freguesia e perante dezenas de moradores da zona, um misto da 1ª e da 4ª com a possibilidade de ser ou não o estacionamento em espinha em 3 faces exteriores nas vias circundantes ( exclui a face das casas funerárias ), foi a que foi aceite pela quase totalidade dependente ainda das medições que terão que ser feitas no terreno pelos técnicos para decisão da edilidade bejense.

    A duplicação da zona verde com arvoredo, elementos para atraçção juvenil e senior, com mais bancos e mesas para refeições volantes de jovens estudantes e turismo, mais ecopontos, num largo que sempre foi zona pedonal e foi ao longo dos anos invadida por estacionamentos indevidos, é uma mais valia a abolição do estacionamento na placa central em prol da qualidade de vida.

  2. VIGILANTE AO LONGE diz:

    Alguém pensou ??? Alguém responde ???? É que convinha saber:
    Para onde irão as viaturas que habitualmente ali estacionam? Foram pensadas alternativas aos lugares que vão ser suprimidos? A que custo e para quem ?
    Admito e respeito as zonas verdes. os espaços pedonais, etc. etc., mas julgo que também é necessário ter em conta, que o automóvel, não é só um aparelho de luxo: Na maior parte dos casos faz parte integrante da vida das pessoas e é uma indispensável ferramenta de trabalho. Não se estará a fazer uma guerra, talvez um pouco fundamentalista, a quem possui ou a quem anda de automóvel? No caso de Beja, é bom lembrar que quantos mais automóveis se retirarem do centro da cidade, quanto mais se restringir o seu trânsito, maior será a desertificação e consequente agonia do comércio local / tradicional.
    O comércio das Portas de Mértola e áreas envolventes, continua aceladaramente a definhar, muito por culpa de falta de locais para estacionar, acabar agora com mais um espaço, é estar a contribuir definitivamente para o encerramento de mais lojas e destruição de postos de trabalho. Certamente a autarquia e as “dezenas de moradores” (?) pensaram nisto tudo: Se o fizeram ainda bem, talvez eu esteja a ser “derrotista” ou “comodista”.
    Tendo em conta a velocidade a que as obras normalmente se desenvolvem em Beja, é de esperar que lá para o fim do ano de 2015 o projecto esteja concluído.
    Vai ser lindo: “A duplicação da zona verde com arvoredo, elementos para atracção juvenil e sénior, com mais bancos e mesas para refeições volantes de jovens estudantes e turismo, mais ecopontos” Que maravilha, como é que eu ainda não tinha pensado nisto ???? ! Não será preciso grande inspiração: Basta copiar o Jardim do Bacalhau , a Praça da Republica ou a Avenida Miguel Fernandes; Verdadeiras obras de arte da ” arquitectura paisagística alentejana”. Sinceramente ?!
    Os turistas, vão estacionar os seus automóveis, ali para as bandas do poço da malta ou do tanque dos cavalos e depois vem alegremente até ao “aprazível” largo do Carmo, onde sob o olhar Divino e protector da Santinha, podem tomar uma boa refeição! Sinceramente, senhor morador: POUPE-ME !

  3. Campaniço da cidade diz:

    @Vigilante:
    Concordo consigo! Talvez se tenham esquecido de muitos, que como eu, utilizam o automóvel de casa para o trabalho (habito fora da cidade) e muitas vezes, é um verdadeiro “cabo das tormentas” encontrar um local para parquear a viatura: É quase achar uma agulha num palheiro.
    Colocar mais relva ???? para os cães poderem “cagar” à vontade ???? Boa, …. é de mestre!
    A presidente da junta não admira estar pouco preocupada com os lugares de estacionamento para os seus eleitores ou daqueles que trabalham na sua freguesia, já que habita num condomínio fechado com estacionamento privativo e isso faz alguma diferença! Se tivesse que dar três ou quatro voltas à freguesia, para encontrar sitio para estacionar e não chegar atrasada ao emprego, talvez pensasse de forma diferente. Se eu votasse em São João Baptista, era uma razão mais do que suficiente para não lhe conceder o meu voto!

  4. MARIA FLORES diz:

    @ CAMPANIÇO e @ VIGILANTE — Concordo inteiramente convosco. A liquidação do estacionamento no Largo do Carmo será mais um tiro no já depauperado Centro de Beja.
    Será mais um favor que a CMB irá fazer ao Continente e ao Intermarché.
    De facto só o emplastro que dá pelo nome de RL , e aqui aparece travestido de MORADOR , é que aqui defende mais essa ideia brilhante de Pulido Valente com a conivência clara do PSD.

  5. Paulo Nascimento diz:

    O Problema do Largo do Carmo é o resultado de problemas de mobilidade e estacionamento na nossa cidade.

    Não existem verdadeiras alternativas de mobilidade no Concelho e arredores. Obrigando quem trabalha na cidade, a usar o carro.

    Existe um fluxo de carros para a Cidade, motivado pela centralidade de Beja, que entope todos os dias as nossas ruas.

    A solução encontrada foi construir dois parques subterrâneos (que ninguém quer usar), meter uns autocarros urbanos vazios ás voltas na cidade e plantar parquímetros por todo o lado.

    Esses mesmos parquímetros que originalmente podiam servir para atenuar o problema, tornaram-se numa obsessão persecutória de caça à moeda que cegou o município para o verdadeiro problema. Prejudicando tudo e todos, em particular os comerciantes da cidade.

    A culpa não é de quem não têm alternativa de transporte.

    A culpa é de quem, passados estes anos todos, nem sequer sabe de onde estes carros vêm.
    Quando perguntado ao presidente se, nestes 15 anos de plano de mobilidade, existia algum estudo para determinar a origem dos carros, por ex quantos carros saem diariamente da Cabeça Gorda para Beja? a resposta foi que o estudo ainda estava em curso.

    Ora se não sabem de onde vêm os carros, é porque não estão preocupados em dinamizar uma melhor rede de transportes para quem precisa. Mas estão interessados em chamar os condutores de bandidos e sacar uns quantos cobres.

    O que se passa no Largo do Carmo é o resultado desta politica.

    A Presidente da junta está a tentar fazer o que pode para devolver um espaço aqueles que lá vivem, fregueses da sua freguesia.

    Não cabe à presidente da junta revolver problemas que dizem respeito à Câmara.

  6. Paulo Nascimento diz:

    @Campaniço da cidade

    Só pensa nas voltas que você dá para estacionar ?

    E os moradores do Largo do Carmo que dão voltas e voltas para estacionar e não encontram lugar?

    E as crianças dos moradores que não têm um espaço para brincar como os seus pais tiveram ?

    @MARIA FLORES

    Se quiser ir ás compras no centro da cidade tem várias opções

    Pode pagar um eurito no parquímetro (que acho um roubo) e fazer as suas compras

    Pode estacionar na avenida Miguel Fernandes, a primeira meia hora é grátis.

    Pode estacionar num dos dois parques subterrâneos que Têm desconto com o recibo de compras no comercio local.

    Os que vêm para trabalhar, não devem ir deixar o carro no Continente ou Intermarché (a não ser que lá trabalhem).

    Sei que isto são soluções fracas, mas os moradores do Largo não têm culpa dos problemas de estacionamento.

    ….

    E Sobre partidos e conivências partidárias.

    Naquela reunião estiveram cidadãos a querer ver resolvido um problema comum. as filiações partidárias não tinham nada a ver com o assunto.

    Até lhe posso dizer que lá estavam membros do CDS, PS, PCP , PPD e BE. mas como moradores.

  7. CC diz:

    @ Campaniço
    @ Vigilante
    @ Maria de Flores

    Todos vós acham que os engs., arquitetos da câmara que elaboraram a apresentação e residentes são burros ou serão vós próprios ?
    A praça central nunca foi estacionamento legal, quem o diz é a polícia que não pode multar e nem rebocar no interior e é um largo de peões.
    Alternativas de estacionamento ???
    De borla nos vários estacionamentos do bairro alemão e paga no parque da Casa da Cultura com 30% de ocupação e ficam ambas muito próximos da zona da baixa da cidade.

    Se têm solução para o problema, participem e escrevam.

  8. RL diz:

    @ MARIA FLORES

    Chamaram-me a atenção para o teu comentário e apesar de existirem muitos RL nesta terra em meu nome e de outros, aí vai …

    Podia responder-te com a face da mesma moeda e nos mesmos termos mas, não o farei e guardarei para um dia mais tarde e pessoalmente, se o desejares e tiveres coragem para comigo dialogar.

    Quem sabe ao estares escondido com um pseudónimo femenino de sexo dito mais fraco te dá o direito de em vez de falares sobre um espaço público que era o tema em causa e optares pelo insulto cobarde, gratuito e pessoal.

    As atitudes ficam para quem as pratica …

  9. jose diz:

    Há aqui ideias interessantes. O Largo devolvido às pessoas é positivo. Deverão primeiro arranjar alternativa para os lugares retirados aos automoveis. O carro muitas vezes é util para se poder ir trabalhar. Não existem transportes públicos para as pessoas das freguesias irem para o serviço ao sábado, domingo, feriados e vesperas de feriado, nos lares, hospitais, bombeiros, policias, prisões , etc que não param nesses dias. Talvez não seja má ideia rever esse plano de T.Públicos. Depois não digam que são as grandes superficies que dão cabo do comercio tradicional. Mas os inteligentes devem ter pensado nisto e no resto. Antonio zé

  10. Campaniço da cidade diz:

    @CC:
    Pela parte que me toca “de burro”, gentilmente, devolvo-lhe o elogio, o qual, a si e pelo que escreve, parece assentar que nem uma luva. A forma como pretendem (engenheiros, arquitectos, moradores, autarcas) resolver o assunto do trânsito e estacionamento, acho-a “bastante leve”. Para “acabar de vez” com os automobilistas e com os automóveis, proponho uma “vedação” a circular Beja e impedir o estacionamento e circulação de qualquer viatura motorizada dentro do perímetro urbano. Toda a gente a andar a pé ou quanto muito em “pedaleiras” ou de burro!
    VIVA O FUNDAMENTALISMO !
    @Paulo Nascimento:
    Não é hábito, mas desta vez, quase concordo consigo a 100%: Não se envaideça, pois talvez concorde para aí a 75%.
    @RL:
    Toma juizo, porque @MF tem razão naquilo que escreve!

  11. LOL diz:

    Aposto que os CHULOS dessa zona que defendem os espaços verdes ali, não metem as patas no jardim público.
    Essa gente quer é ter lugarinhos com fartura à porta de casa para eles e restante família.
    Comprem lugares de garagem que têm dinheiro para isso

  12. HF diz:

    Para algumas mentes mais “iluminadas”, ficam aqui alguns conselhos quando não souberem onde estacionar o carro além do Largo do Carmo:

    1) Para quem trabalha no centro da cidade, no parque do Bairro Alemão há estacionamento para dar e dar (não é para dar e vender porque é gratuito); depois é só dar uns passinhos…

    2) Para quem vai de visita/ compras às Portas de Mértola, com um euro estaciona no parque junto à Casa da Cultura e 50 metros acima está junto à CGD; ou então gasta o mesmo eurozinho no parque da Avenida Miguel Fernandes e anda 100 metros até ao Jardim do Bacalhau.

    PS: É só para acrescentar que não sou defensora de ninguém e até trabalho no centro da cidade e costumo estacionar no Largo do Carmo. Mas reconheço que aquela praça, com tantos carros, é realmente uma vergonha…

  13. Campaniço da cidade diz:

    @LOL:
    Em três parágrafos, três asneiras, três contradições.
    Vá chamar de “CHULOS” à pata que o(a) pôs: Opiniões contraditórias e reveladoras de ódio como as suas, não prestam, tal como o autor(a), que deve andar muito frustrado(a) com a vida.
    @HF:
    Você não defende ninguém, mas dá sempre jeito, votar a favor e ser da situação: Devo ser cego ou ignorante, pois não vejo onde está a vergonha dos carros estarem estacionados no Largo do Carmo.
    Quanto aos locais que indica para estacionar, acho que faz muito bem em aproveitá-los, especialmente em dias de muita chuva ou então naqueles dias de verão escaldante.

  14. João Espinho diz:

    Vejam lá se conseguem elevar o nível da conversa e evitar ofensas, certo?

  15. MARIA FLORES diz:

    @ João — e ainda faltam 9 meses para as autarquicas !!!!!
    A malta do PS por vezes confunde-se já com a malta da Rua Ancha , tal o fundamentalismo e o autismo revelado perante a realidade.
    Termos uma Camara unicamente concentrada em show-off , quando na cidade e nas aldeias limitrofes cada vez existem mais casos de pobreza , de familias desagregadas por causa desta crise , quando crianças chegam mal alimentadas ás escolas , quando trabalhadores agricolas estrangeiros vivem em condições pouco dignas, etc, etc.
    Já agora , e o Parque Industrial ? Aconselho Pulido Valente a deslocar-se a Ferreira do Alentejo onde o seu camarada Anibal Costa lhe poderá ensinar como se desenvolve , numa situação de crise económica e num concelho de fracos recursos , um Parque Industrial.

  16. Campaniço da cidade diz:

    @João Espinho:
    A conversa até estava elevada, mas “aturar” comentadores que não se eximem de chamar “chulos”, “burros”, etc. etc. a quem ousa discordar!?!?……. sinceramente !? não dá para entender, nem há “pachorra”!
    Enfim…….. perdoai-lhes Senhor, porque não sabem do que falam ou tão pouco o que fazem!
    Não dúvida…….. vamos muitoooooo longe com “tribunos” deste quilate!

  17. João Espinho diz:

    @todos – raramente interfiro nas discussões das caixas de comentários. Neste caso, porém, tenho que lançar algumas “achas” à fogueira. E a primeira é tão só esta: Qual é o interesse de, neste momento, andar a discutir a requalificação do Largo do Carmo? É assim uma coisa tão importante para a cidade? Não seria mais útil estarmos a discutir os imensos problemas do trânsito, que não há quem queira resolver? Quantos estudos já foram encomendados? Quais os resultados? E tudo continua na mesma porquê?
    É que esta história do Largo do Carmo, nesta princípio de ano eleitoral, cheira a arranjinho político. Não é? Ainda bem.

  18. Campaniço da cidade diz:

    @João Espinho:
    Obviamente concordo com a sua opinião: só não concordo que raramente interfira nas discussões. Entendo que deve fazê-lo mais vezes, já que é reconhecido desde longa data, o seu espírito crítico e atento, o que, incomoda muita gente e de quase todos os quadrantes (senão de todos).
    @Maria Flores:
    Idem.. idem.
    Ferreira do Alentejo e não só: JPV, podia e devia dar uma volta (até discreta) por todos os concelhos do distrito, pois talvez conseguisse tirar algumas ilações e quiçá, tirar receitas para a sua governação (urbanismo, espaços verdes, trânsito, acompanhamento das freguesias sub urbanas, solidariedade, etc. etc.).

  19. HF diz:

    @Campaniço
    “Você não defende ninguém, mas dá sempre jeito, votar a favor e ser da situação: Devo ser cego ou ignorante, pois não vejo onde está a vergonha dos carros estarem estacionados no Largo do Carmo.” – Não sei que jeito me dá ser favorável à proposta, até porque nem resido no concelho… Quanto ao facto de ser ignorante, deve ser por já ter disfrutado de algumas praças iguais ao Largo do Carmo noutras cidades e países.

    “Quanto aos locais que indica para estacionar, acho que faz muito bem em aproveitá-los, especialmente em dias de muita chuva ou então naqueles dias de verão escaldante” – Qual é o problema dos locais? Andar até faz bem à saúde… E quanto à chuva e ao calor, todos temos de os aguentar… É a vida

  20. Paulo Nascimento diz:

    @HF

    Trabalha no SeaSide ?

    Pela sua argumentação presumo que não tenha de se deslocar nada quando estaciona no Largo do Carmo.

  21. VIGILANTE AO LONGE diz:

    Acho que @João Espinho tem razão: É preciso ter a preocupação de não deixar cair o debate ao nível da lama, contáriamente aquilo que alguns opinantes aqui fazem.
    Pela importância (?) que o assunto do Largo do Carmo está a ter, era (julgo eu) de todo importante saber como foi debatida a questão, quer junto da autarquia quer junto dos moradores: Conheço e abordei vários habitantes da área envolvente ao citado logradouro / parque / Largo (como lhe quiserem chamar) e ninguém me confirmou ter sido consultado para tal decisão.
    O assunto e respectiva decisão, deve ter sido tratado e discutido nas costas dos interessados, possibilitando “algum arranjinho político”, como bem opina e sugere @João Espinho. As pessoas, nomeadamente os políticos, esquecem-se que Beja é uma cidade pequena e com poucos habitantes e quanto mais se espalharem e expandirem territorialmente as poucas pessoas existentes, mais se notarão os efeitos da desertificação humana. Os exemplos degradantes abundam na cidade de Beja: Veja-se a tristeza do Jardim do Bacalhau, da Praça da Republica, da Avenida Miguel Fernandes: É caso para perguntar, não bastam esses nefastos exemplos, querem mais ????.
    É de todo lamentável o que se pretende fazer à cidade: opiniões, mais opiniões e a cada dia que passa, não se vê ninguém a tomar uma decisão consistente, quanto aos palacetes abandonados e em estado degradante que há na cidade (Banco de Portugal, União dos Sindicatos ao Jardim do Bacalhau, palacete junto ao tribunal etc.) e por aqui me fico, porque se começo a “desenrolar o novelo”, pode hver linha para muita meia.

  22. Paulo Nascimento diz:

    @VIGILANTE AO LONGE

    “Conheço e abordei vários habitantes da área envolvente ao citado logradouro / parque / Largo (como lhe quiserem chamar) e ninguém me confirmou ter sido consultado para tal decisão.”

    Isso é que foi pontaria. eu moro no largo do carmo e já fui a duas reuniões entre os meus vizinhos e a camara, para debater esse assunto.

    Como em cada uma dessas reuniões estava lá muitos dos meus vizinhos, fico espantado como e que conseguiu acertar em todos os meus vizinhos que não foram a essas reuniões.

    Deveria jogar no Euromilhões.

  23. João diz:

    Por vezes fico um pouco entristecido em ver como discussões normais relativas a uma cidade, maxime urbanismo, rapidamente reflectem faltas de educação e lamentáveis conotações políticas entre os intervenientes.

    O Largo do Carmo, a meu ve, é, efectivamente um mau exemplo de realidade urbana que todos diariamente presenciamos. Discorde-se ou não, a já longa cedência de tal espaço ao automóvel reflecte o egoismo do cidadão e comodismo de quem utiliza o automóvel, sendo que aqui assumo também a minha quota parte dessa responsabilidade.

    Situando-se este espaço numa zona nobre de Beja, creio que faça mais sentido devolver esse espaço ao morador, ao visitante e ao turista, requalificando-o como é necessário, no intuito de o tornar aprazível e satisfatório para todos.

    O facto de Beja ser uma cidade pequena faz com que estes espaços sejam, proporcionalmente, poucos e então não fará sentido aproveitar ao máximo os mesmos?!

    Quanto ao comércio, cuido que não seja pela ausência de estacionamento no largo em apreço, que aquele terá maior ou menor incremento, não passando esta situação de um mero fait divers, em que se pretenda desviar atenções, para não encarar o facto da pouca dinâmica comercial de Beja e dos seus comerciantes.

Deixe Uma Resposta