Nov 16 2012

reabre hoje

Publicado por as 7:30 em A minha cidade

a notícia

Share

19 Resposta a “reabre hoje”

  1. VIGILANTE AO LONGE diz:

    Reabre????? Por quanto tempo????? Quantos fornecedores ficarão a “arder”? Quantos funcionários irão para o desemprego?
    Quem é a nova direcção? Donde vem o dinheiro ? Alguém responde?
    Os cooperantes agradecem estas informações!

  2. CC diz:

    E os sócios da Coop. também, que a anterior direcção diga o que passou, passa ou passará …

  3. sócio informado diz:

    Assembleia Geral de Sócios na 4ª feira, 21 de Novembro, às 20h30. O anúncio veio no Diário do Alentejo da semana passada.
    Assembleia de Credores no dia 18 de Dezembro, às 10 horas no Tribunal.
    Para quem quiser informar-se e participar na vida da Coop em vez de mandar palpites.

  4. João Espinho diz:

    Ler a notícia aqui . (Há qualquer coisa de estranho nesta notícia)

  5. Campaniço da cidade diz:

    @Sócio informado:
    Parece algo incomodado, será que tem responsabilidades do passado?
    Não vejo onde estão os palpites ou será que é crime os cooperantes quererem saber como é, como foi, como será?
    Mas já agora, aqui vai o meu palpite: Não durará + um ano, aposto, mas sinceramente, desejava enganar-me, para bem de todos quantos são credores da entidade (trabalhadores, fornecedores, etc. etc.)
    Por favor, agradeço que me explique, como é isso de participar na vida da Coop…….. é que eu como campaniço não tenho capacidade para “entender certas participações”, como as que existiram num passado recente e que conduziram à situação actual.
    É preciso notar que a Coop, é uma casa comercial e como tal tem de ser gerida, ponderando sempre o deve e o haver, e não pode ser governada por gente inexperiente. A Direcção não pode intervir na gestão diária, deve isso sim, delegar e pedir responsabilidades a um gestor com experiência no ramo.

  6. Bejense e sócio da Coop. diz:

    Para onde foram os 4 milhões de euros em dívidas e quem é ou são os responsáveis por esta vergonhosa situação, quem o gastou e onde ???

    Que o digam o presidente da direcção da Coop. Francisco Caixinha ( ex- vereador da CDU / PCP em Beja e ex-candidato à Câmara de Ferreira do Alentejo com a campanha a ser feita no Gabinete de Informação e Relações Públicas com dinheiros públicos na CMBeja, o caso a ser investigado pela PJ e em tribunal há 3 anos a aguardar acusação do Ministério Público ) e o ex-director Filipe Murteira do Páx Júlia e que voltou às origens de professor (……..).

    Na Câmara de Beja dívida a fornecedores de quase 30 milhões, na Coop. 4 milhões de euros e o resto, quem dá a cara e não só por estas estranhas gestões económico financeiras com homens de confiança do Partido Comunista Português, em Beja ???

  7. Antónimo diz:

    Está tudo dito:
    “Para onde foram os 4 milhões de euros em dívidas e quem é ou são os responsáveis por esta vergonhosa situação, quem o gastou e onde ???

    Que o digam o presidente da direcção da Coop. Francisco Caixinha ( ex- vereador da CDU / PCP em Beja e ex-candidato à Câmara de Ferreira do Alentejo com a campanha a ser feita no Gabinete de Informação e Relações Públicas com dinheiros públicos na CMBeja, o caso a ser investigado pela PJ e em tribunal há 3 anos a aguardar acusação do Ministério Público ) e o ex-director Filipe Murteira do Páx Júlia e que voltou às origens de professor (……..).

    Na Câmara de Beja dívida a fornecedores de quase 30 milhões, na Coop. 4 milhões de euros e o resto, quem dá a cara e não só por estas estranhas gestões económico financeiras com homens de confiança do Partido Comunista Português, em Beja ???”

  8. Ventura diz:

    Para quê revitalizar um comércio que jaz morto e apodrece?

    Mas alguém acha que as pessoas vão voltar a um espaço comercial com características do século passado, mais caro, em que se tem que pagar o estacionamento, onde é, muitas vezes, complicado estacionar, onde as hipóteses de escolha são muito menores, etc., etc.?

    Só na cabecinha de alguns anormaloides.

    Aliás, o mais há em Beja são anormaloides que se recusam a entender o mundo em que vivem.

    Ó filhos, entrem no século XXI.

  9. Ventura diz:

    Ah e já me esquecia, o mais hilariante é ver como uma caca de um supermercado é nesta cidade motivo de disputa política.

    Só demonstra mesmo o que todos sabem: a política em Beja está ao nível da mercearia.

  10. MARIA FLORES diz:

    a COOP não apresenta qualquer viabilidade económico-financeira para funcionar.Razões principais – passivo , incompetência dos orgãos dirigentes , concorrência , total desconfiança dos fornecedores , etc,etc.
    O Comunista Caixinha talvez que na URSS conseguisse colocar a funcionar uma unidade desta. Como felizmente vivemos em Portugal será preferivel liquidar a empresa , pagar as indmenizações aos funcionários e o que sobrar pagar a fornecedores.
    Desta forma nem sobra para pagar as indmenizações aos funcionários !!!!

  11. Pestana aberta diz:

    vejo que vocês rejubilam com o fim da COOP, bem ou mal tentava ser comércio local, e era um belíssimo espaço: pois fiquem se lá com a merda do Continente mais os Marchés,Ldls, mais o raio que os parta!!
    já não há praticamente Mercado ao sábado, aquilo é uma humilhação para quem lá vende, o Mercado de Beja é um supermercado, mais meia dúzia de talhos e lojas envergonhadas
    é a política que dá cabo da vossa cabeça: comunistas e não comunistas, Beja não mereçe tanta auto destruição…

  12. Ventura diz:

    Aqui ninguém, parece-me, rejubila com o fim seja de que comércio for. Cada loja fechada em Beja é uma perda para a cidade. A questão é apenas de realismo: um supermercado daqueles, naquele local, não tem hipóteses.

    Pelo contrário, sou um defensor fervoroso do comércio local, da mercearia de bairro, do talho e dos mercados onde se vendam os produtos da região segundo a sazonalidade. Simplesmente a Coop é daquelas coisas que não é carne nem peixe. Tem uma dimensão que não lhe dá hipóteses de sobreviver ao lado de um Continente, Pingo Doce ou Intermarché, ao contrário da tal mercearia ou comércio de bairro.

    É tudo uma questão de realismo e de não passar o tempo a ter sonhos molhados com um passado que morreu e jaz enterrado há muito.

    Ao contrário de opiniões aqui expressas, não acredito que tenha sido apenas uma má gestão que deu cabo da COOP. foi também o tempo e a evolução do comércio.

  13. Campaniço da cidade diz:

    “@Pestana aberta”:
    A Coop….. tentava ser comércio local? Deixem-me rir!
    Para os mais esquecidos, é de todo conveniente lembrar que a Coop, fez no seu início (anos 70 e 80 do século passado) ao comércio local, pequenas mercearias, etc. aquilo que se está agora a queixar do Continente, Marchés, Lidl.
    Quando foi montada, instalada, com todo o apoio do Partido Comunista, tudo fez para acabar com os seus concorrentes:
    O tiro saiu-lhes “pela culatra”, mas também não era de esperar outra coisa com a gestão de “Júlios Raimundos” e outros camaradas, estava-se mesmo a ver o fim ………. À Coop, aconteceu aquilo que ela e os seus “malvados” dirigentes desejavam aos outros: Lamento pelos que lá trabalhavam, mas a minha pena é reduzida!
    @Ventura:
    O que é lamentável é haver pessoas a procurar “reanimar” e/ou “dar vida” a um nado morto.
    @Maria Flores:
    Muitíssimo bem observado (aliás como sempre). Falta só saber o que é feito do “triste” bancário, J.R., “atleta” de nomeada (ainda que coxo) que se mostrou um escriba “de primeira” sobre cooperativismo?? Anda muito calado…… estará à espera de + algum tacho???
    @Bejense e Sócio da Coop:
    Olhe que isto é tremendamente dramático, com números desta natureza quem assume??? Não há problema: Vende-se o aeroporto e o IPBeja e ainda há-de sobrar algum: Angolanos ou Chineses……. hão-de aparecer!

  14. Ventura diz:

    Nem mais, caro Campaniço, não tenho a menor dúvida de que a coop dentro de pouco tempo será mais uma megastore chinesa.

  15. Bejense e sócio da Coop. diz:

    Até já as juntas de freguesia a nível nacional já fazem congressos/reuniões nas instalações, para criar receitas e promovidas pelo actual Álvaro Nobre presidente da junta de freguesia da Cabeça Gorda, ex-secretário do vereador Vitor Silva e colega como vereador do Francisco Caixinha ( autarcas à época do presidente Carreira Marques, em Beja ) e ex-administrador do BEJAPOLIS, tudo via PCP e CDU de Beja.
    Endendem as ” jogadas ” de salvação de baralhar e as cartas ficarem na mesma, e onde pára o Júlio Raimundo que como presidente da Coop. tinha vencimento e viatura, a dívida de 4 milhões de euros mesmo depois de vender a herdade da Vidigueira por mais de 2 milhões de euros, se existem mapas e assembleias gerais com actas e as audições contabilisticas onde páram ?

  16. Campaniço da cidade diz:

    O que é preciso é apurar responsabilidades e esse tal presidente ( Ex- bancário / atleta / escriba / comuna ) J.R. tem muitas no cartório e agora deu de “frosques”………. É preciso “julgar” esse senhor que de gestor não tinha nada: Era um comissário político do PCP, como sempre foi, tal como no sindicato dos bancários. Reformado do BNU, com ordenado da Cooperativa, automóvel, etc. etc. assim não admira o fim da instituição.
    @Ventura:
    A gestão quando é eficiente, tem de ser pragmática e saber adaptar-se às realidades do dia a dia e o bom gestor, não só prevê como antecipa o futuro, fazendo parte dele. Na cooperativa o que é que se viu ?????
    De resto concordo consigo e julgo que o comércio local (particularmente o da alimentação) terá sempre um lugar e carinho especial da população, vendendo os tais produtos da região de acordo com a sazonalidade e dando um tratamento personalizado à clientela (guardar os “tais miminhos” para a vizinha, o pão do dia,o queijinho fresco, etc. etc. mesmo após o horário).
    Continuar a falar da Coop e da sua gestão (danosa e partidária) é continuar a chorar sobre leite derramado ou como quem diz, chover no molhado: Já nada adianta!

  17. Pestana aberta diz:

    Caro Ventura:

    aqui toda a gente rejubila, pois o dono do Blog é PSD e anti-comunista fervoroso,está no seu direito, mas a verdade tem que ser dita e os posts mais concorridos é sempre o mm tema, até embaça
    Isso da dimensão não tem nada a ver, é tudo uma questão de boa gestão
    a localização é amelhor que podiam ter, onde é que punha a COOP? No Carmo Velho?
    quando fala do passado, lá estamos nós na porra da política, caraças, há vida para além disso!!!
    o comércio está a evoluir para o comércio local, para os produtos da época, e os pequenos produtores, a par dos grandes que tudo comem, oxalá chegue essa realidade em Beja, já há aquela iniciativa dos talhões de terra ao gosto de quem os aluga, projecto do IPB, e pioneiro em Portugal

    é triste ser um defensor fervoroso de..nada caro Ventura, onde está isso que você apregoa?
    oxaláa COOP abra com sangue novo, e que se aguente

  18. Ventura diz:

    Caro Pestana aberta,

    abra a pestana.

  19. VIGILANTE AO LONGE diz:

    Toda a gente opina sobre os mais variados casos e ninguém opina ou dá resposta sobre o essencial: Para onde foi o dinheiro no passado e agora donde vem o dinheiro? e a que preço? Quem se responsabiliza ou é responsabilizado pelo passado? Desde quando começou o descalabro? Quem estava na direcção quando a rampa descendente se iniciou? Qual o plano estratégico para o futuro? Quantos empregados? Qual a massa salarial mensal? Que acordos com fornecedores e bancos existem? Os cooperantes, necessitam e agradecem conhecer estes temas e eventualmente outros de reputado interesse.
    Com o descalabro económico que o país está a viver, e com o sector a sofrer uma concorrência férrea, feroz e sem limites, com margens esmagadíssimas, não será tarefa fácil conseguir num curto prazo uma situação estável e equilibrada.
    Bem se sabe que a alimentação é primordial, mas a cada dia que passa o cidadão comum dispôe de menos dinheiro no bolso e então será natural e absolutamente coerente procurar as condições mais vantajosas para os seus abastecimentos.
    O futuro não está nada fácil: É de todo conveniente que a actual. nova ou futura direcção, gize ou encomende um plano estratégico de médio / longo prazo para a instituição; Sem serem “fadas madrinhas”, há entidades independentes altamente credenciadas e especializadas nesse sector, que podem produzir um estudo que sirva de base para uma gestão, moderna e futurista. Esse estudo, custa dinheiro e provávelmente não pouco, mas poupar aí ou evitar esse paradima é condenar ao fracasso todas e quaisquer boas intenções que possam surgir. Faça-se o estudo, avaliem-se os prós e contras e divulgue-se despretensiosamente o mesmo junto dos associados e assim será mais fácil mobilizar e fidelizar as pessoas.
    PS: Retirem a política da situação e mandem os comissários políticos à fava ………

Deixe Uma Resposta