Abr 25 2012

25 de abril

Publicado por as 0:00 em Fotografia,Poetas


foto: eduardo gajeiro

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen

Share

6 Resposta a “25 de abril”

  1. Leão diz:

    É engano meu ou este ano é a terceira vez que não houve foguetes à meia-noite?
    Dava tanto jeito para acertar os relógios e saber a quantas andávamos..

  2. Paulo Nascimento diz:

    Corre dias cada vez mais sombrios, pesados e sem esperança.

    Dias pesados para quem trabalha, dias passados a olhar para a televisão , a ver novelas e futebol.

    Um povo a quem só pedem para votar de quatro em quatro anos, para depois o ignorarem.

    Um povo que os políticos não respeitam, mentindo descaradamente sem qualquer vergonha na cara.

    Um povo que depois fica impotente a ver o seu futuro a ser destruído por parasitas.

    Um povo a quem o regime ignora com desprezo, todas as restantes formas de participação democrática.

    Um povo que é insultado, quando se utilizam fantoches para negociar em nome deles, como centrais sindicais amarelas.

    Um povo que quando faz greve, o governo ignora tal ato. com a cobertura dos media propagandistas do regime.

    Um povo que protesta, mas em vez de os ouvir mandam os policias carregar sobre eles.

    Mas, há um dia em que o povo se lembra da alegria da liberdade.

    Um dia em que viram os poderosos caírem e tremerem de medo.

    Um dia em que foi se recorda, que lutando pode vencer os parasitas prepotentes.

    Um dia que querem minimizar e tentar que o povo esqueça.

    Um dia em que os políticos se dividem em dois. os que festejam genuinamente com o povo. e os que embaraçados tentam passar desapercebidos.

    Um dia que muitos tentam calar. mas que o povo insiste em recordar.

    Um dia em que o povo recorda aos políticos, que o povo tem poder. e que o acerto de contas inevitavelmente pode chegar.

    Um dia de liberdade.

    25 DE ABRIL SEMPRE.

  3. João Espinho diz:

    @leão – refere-se a Beja? Houve que eu vi e ouvi

  4. Qualidade da Democracia diz:

    Uma data inesquecível !

    E que nos dá a LIBERDADE, de aqui mesmo neste simples acto de escrever poder opinar com responsabilidade.

  5. Rato dos Pomares diz:

    E porque a evolução civilizacional (democrática, de Abril, de Maio, de Setembro, do Natal, ambiental, social, económica, proletária and so on) começa em nossa casa:

    (…) em cada homem um cidadão civilizado, que seleciona e encaminha para destino adequado* os resíduos domésticos (…)”

    *vulgo “ecoponto”

  6. Jorge Feixial diz:

    Belíssimo poema de uma extraordinária poetisa, sobre um transcendente dia/acontecimento, ilustrado aqui por uma admirável foto.
    Prova-se assim que continua a valer a pena comemorar o 25 de Abril. Restauremos o espírito, 25 de abril sempre!
    Um abraço, João Espinho.