Arquivo de Outubro de 2010

Halloween

31 de Outubro de 2010


foto: fischnase

Share

Acerte o relógio

31 de Outubro de 2010


foto: Edward Tevosov

Para a “hora de inverno“.

Share

Força, força, camarada Chico

30 de Outubro de 2010

Para uma arruada, está hoje em Beja o candidato comunista às Presidenciais 2011. O camarada Chico tem a tarefa de manter o Distrito de Beja como o único onde, nas presidenciais de 2006, saíu vencedor o candidato do PCP (Jerónimo de Sousa, com 27%). As sondagens, como se pode ver aqui, são-lhe muito favoráveis.
Força, que ainda faltam 3 meses.

Share

bom fim de semana

29 de Outubro de 2010

Share

Eles aí estão

29 de Outubro de 2010

Com ou sem Orçamento, eles aí estão.
Podiam fazer-nos o favor de, em troca, levarem estes rapazes para a vossa terra?

Share

Fotografia

29 de Outubro de 2010


foto: Carlos Miguez Macho

Share

Vícios e viciados

28 de Outubro de 2010

Por um lado queixa-se o PCP de um concurso viciado, por outro alimenta o vício de dar emprego aos seus serventes (Rui Mateus, depois de Mértola e Beja, aterra agora em Serpa).
A propósito: qual é a Câmara qual é ela que deu refúgio a dois exilados do GIRP/Beja?

Share

Acabou-se o tango?

27 de Outubro de 2010

“(…) de acordo com os dados que finalmente o Governo apresentou sobre a evolução das contas públicas, foi possível constatar que a derrapagem orçamental no ano de 2010, é bastante mais grave que aquilo que tem sido afirmado, permitindo concluir que a situação que o País atravessa é ainda mais séria e delicada do que já era conhecido.”
(do comunicado da Comissão Política Nacional do PSD)

Share

Rali Cidade de Beja 2010

27 de Outubro de 2010

Consulte aqui os locais onde pode ver este rali.

Share

Quais as razões?

27 de Outubro de 2010

Que levaram a Direcção do Despertar de Beja a extinguir a sua secção de basquetebol? Provavelmente as razões já são públicas, mas eu ainda não as ouvi ou li.
Esclareçam-me lá, s.f.f.!

Share

Estado burocrático

27 de Outubro de 2010

É uma redundância, um pleonasmo. Por natureza, o Estado vive, alimenta-se, sobrevive à custa da burocracia. Muitos dos seus agentes têm uma relação de ódio com as novas tecnologias, criam barreiras à agilização de procedimentos. Neste Estado, fortemente hierarquizado, cada requerimento percorre um calvário de pareceres, opiniões e assinaturas. Gasta-se tempo, energia, recursos e paciência.
Não há forma de alguém acabar com isto?

Share

Alvito – Feira dos Santos

27 de Outubro de 2010

É já no próximo fim de semana.

Share