Arquivo de Fevereiro de 2009

olhos feitos de poesia

28 de Fevereiro de 2009


foto: jan scholz

Esta noite pousei em ti como uma borboleta
Saciei-me no teu pólen e aromas
E na minha boca ficou este sabor florido
Que me invade e faz estremecer
Num desejo constante que a primavera chegue
E com ela a luz dos teus olhos feitos de poesia
Que reacende este fogo impregnado de ti.

Share

PCP – Candidato anunciado

27 de Fevereiro de 2009

Resultado do inquérito levado a cabo aqui na Praça. Agradeço a todos os que nele participaram.

Já está anunciado

santos-de-beja.jpg
foto: joão espinho

Share

bom fim de semana

27 de Fevereiro de 2009


foto: vladimirovich

blipa aqui

Share

Isto é que vai uma crise…

27 de Fevereiro de 2009

A Câmara Municipal de Castro Verde adoptou um “conjunto de medidas de âmbito municipal de combate à crise”. Entre estas medidas destaca-se a “ampliação de três cemitérios e a remodelação do cine-teatro de Castro Verde”.
Cemitérios para combater a crise?
São capazes de ter razão: primeiro vão ao cinema e a seguir…. a seguir…. sei lá!
A crise é bem maior do que eu pensava.

(via Correio Alentejo)

Share

Políticas à alentejana

27 de Fevereiro de 2009

(Crónica publicada no Correio Alentejo de 27/2/2009)

Regionalização, aeroporto, Intervenção Social de Emergência para o concelho de Beja, IP8, a que se juntaram mais alguns temas de interesse regional – recordo-me da decisão judicial de anular a inclusão do Município de Alcácer do Sal na Associação de Municípios do Baixo Alentejo – tudo isto, misturado com uma grande dose de falta de bom senso, veio animar a adormecida política alentejana.
(mais…)

Share

Coisas simples

27 de Fevereiro de 2009


foto: bodenschatz

blipa-me aqui

Share

jazz na planície

26 de Fevereiro de 2009

Share

self portrait

26 de Fevereiro de 2009


foto: joão espinho

Share

Quanto a mim

26 de Fevereiro de 2009

… o que é pornográfico e um atentado à estética é a quantidade de carqueja exibida.
Piladas, como as castanhas, é como elas se querem. Nas capas dos livros ou debaixo dos lençóis.

(venha daí o lápis azul)

Share

Sapos

26 de Fevereiro de 2009

Acabei de ler a mais recente edição do Boletim Municipal da autarquia bejense e fiquei com a sensação de ter engolido um sapo do tamanho da freguesia de S. João Baptista!
Dasse!

Share

fotografia

26 de Fevereiro de 2009


foto: joão espinho

Share

Narrativa da tarde

25 de Fevereiro de 2009

A tarde de hoje foi diferente. Cá em casa foi um rodopio de gajos a entrar e a sair. A instalação de gás natural parece requerer equipas de muita gente. Já nem batiam à porta. Entra e sai e acho que já devem ter acabado. Pelo menos a porta da rua fechou-se.
Depois tive que ir à cabeleireira cortar o cabelo. Fui à que estava mais à mão pois podia ter que regressar rapidamente por causa dos homens do gás.
Chegado e mandado sentar, a ajudanta decidiu borrifar-me a cara e o cabelo como se eu fosse uma flor de estufa. Puf para aqui e puf para acolá. E a água escorria-me pela face. De facto, não sabia se havia de rir se chorar. Eis que aparece a patroa, a que me ia tratar do couro cabeludo. Socas altas, andar firme e sonoro e eu cá para mim “estás feito!”. A ajudanta não despegava do espelho e ria-se para mim, não sei se a gozar comigo ou a querer gozo. A patroa joga-me mais umas borrifadelas para cima. Proporcionais à mão que apertavam o borrifador, os jactos atingiram o telemóvel, o tabaco, as chaves e os óculos que eu tinha colocado numa prateleira à minha frente. Tesourada para a esquerda e para a direita e a senhora ria-se. Eu não achava graça nenhuma mas ela lá estava toda feliz. Percebi que era a sua reacção a uma conversa que estava a ser transmitida no aparelho de rádio. Percebi que era um tipo do Penedo Gordo a chamar Muito Ópticas à MultiOpticas e a fazer dedicatórias aos companheiros de sueca.
E o dito lá pediu a musica: um corridinho do Algarve. Eu não estava a acreditar bem naquilo mas depressa aterrei quando ouvi as socas da patroa a acompanhar o corridinho e a tesoura a swingar nas minhas orelhas. Aquilo estava a ser um verdadeiro fandango. A ajudanta também batia o pé e fiquei com a impressão que usa Colgate branqueador. A patroa, quase a despachar-me arranca com um “onde é que tem o pincel?”, e eu fechei os olhos, quando ouvi a voz salvadora da ajudanta dizer “está aí na primeira gaveta”. Serviço feito, ainda não me olhei ao espelho, mas quando estava a pagar, o Nelson Ned substituíra a algarviada.
A cereja: passei pelo supermercado e a conta €3,03 mereceu da merceeira a pergunta “tem os três?”. Não respondi mas ela também não se preocupou, pois arredondou para quantia certa. Antes assim!

Share