Arquivo de Dezembro de 2008

Gelo em Beja

27 de Dezembro de 2008


foto: joão espinho

Share

Vende-se

27 de Dezembro de 2008

Telemóvel Nokia 1680 classic.
Novo. Cartão com 10€ de chamadas.
O preço: proponham! Mas até tenho vontade de o oferecer a quem faça a transferência dos dados para outro.
Propostas para o mail praca.republica@netvisao.pt

Share

As arveres somos nozes

26 de Dezembro de 2008

Um verdadeiro espectáculo.

O jardineiro é Jesus.

Share

bom fim de semana

26 de Dezembro de 2008


foto: matteo bertolio

Share

2008 – Um balanço

26 de Dezembro de 2008

Crónica publicada no Correio Alentejo de 26/12/2008.

O ano de 2008 está a chegar ao fim e, como é hábito nestas ocasiões, somos tentados a fazer um balanço sobre o que foram estes últimos 365 dias.
Ao longo das minhas crónicas aqui no Correio Alentejo, não tenho deixado de escrever aquilo que sinto sobre a minha cidade, sobre a minha região, sobre o partido no qual milito há quase 30 anos e sobre o estado em que está o País. Tenho feito, é verdade, deste espaço, uma espécie de livro de reclamações. Não me movem outros objectivos que não sejam a de exercer a cidadania, a de poder contribuir, com mais ou menos críticas, para que esta terra possa progredir e seja o palco onde os seus filhos possam estudar e desenvolver as suas actividades profissionais, seja um território atraente para novos empresários, em suma, que seja uma região onde apeteça viver.
(mais…)

Share

Uma flor

26 de Dezembro de 2008


foto: Christine Dyrnes Takoua

Nossa.
Para ti.

Share

Natal

25 de Dezembro de 2008


foto: joão espinho

Primeiro o lume da família, os sorrisos e lágrimas escondidas, as recordações, a presença permanente dos ausentes com as memórias de todos os tempos, de um tempo que se sente marcado muito para além das memórias. As prendas são os que ali estão, à volta do fogo da família,
quantas gerações?
e somos muitos em tudo aquilo que recordamos e vivemos. Transmite-se ao futuro, aos filhos, a alegria que perdura das coisas vividas e repetidamente narradas.
Rasga-se mais um papel à procura das surpresas adivinhadas e no lume que crepita – na lareira e em nós – reflectem-se os olhares desta noite especial.
Depois, e quando a noite se faz tarde, reencontros e encontro-me, não se fala das saudades e dizemos
que saudades
e é mais uma flor que cresce neste jardim de Inverno.

Hoje acordamos e é dia de Natal. Para logo à noite regressarmos à mesa dos tempos passados e saborearmos cada momento como se fosse a última vez que ali estamos a reviver o carinho, a amizade, o amor de todas as noites de Natal.

Share

A CHRISTMAS GIFT FROM COLDPLAY

24 de Dezembro de 2008

remix viva la vida

Share

Decisões acertadas

24 de Dezembro de 2008

A malta cá de casa prefere ficar no remanso do leito a ir esbanjar euros em porcarias.
Mas eu ainda tenho que ir à descoberta de duas prendas. As mais difíceis deste Natal.
A ver vamos para que lado está virada a minha paciência em andar no meio da confusão em que se transformam as lojas e hiper lojas nesta quadra de, dizem, paz e amor.
A panela está ao lume. Depois jogam-se os bivalves lá para dentro e roga-se para que os temperos tenham sido bem medidos.
Até logo ou até amanhã ou até que calhe!

Share

Fotografia

24 de Dezembro de 2008


foto: joão espinho

Share

nocturna

24 de Dezembro de 2008

Escrevi-te há pouco uma prosa em jeito de poema. Sem rimas e sem hiatos entre as palavras como aquelas que nos segredamos. Parágrafos sem frases, letras acenadas por este vento sem vocabulário, como pássaros esvoaçando sobre as páginas dos nossos dicionários. Esta noite ditei-te para as folhas amarelecidas dos cadernos esquecidos as primeiras sílabas de uma alma que renasce e acredita.
Hoje, esta noite, olhei-te como as palavras do meu tempo, umas vezes longe outras mais perto, mas nunca ausentes.
Guarda essa prosa como se fosse tua, e só tua, pois não sei se voltarei a decifrar em palavras a aurora que em mim desponta.
E quando a releres, acredita que esta não foi mais uma noite.

Share

recorde nacional

23 de Dezembro de 2008

Seguramente que há mais de meio ano que não como um Ferrero Rocher.
Some-se o facto de, nesta quadra natalícia, todos os chocolates que me têm oferecido nenhum é da referida marca.
Para completar: não comprei, não vou comprar nem oferecer os referidos spherical chocolate sweets.
Ainda consigo surpreender-me!

Share