Nov 17 2008

Das memórias

Publicado por as 11:00 em Intimidades,Poetas

Durante este fim de semana retomei, com pessoa amiga, uma conversa que eu deixara em suspenso há mais de 4 quatro anos.
Recordei-me de Agustina: Porque as memórias procriam como se fossem pessoas vivas.

    Há pequenas impressões finas como um cabelo e que, uma vez desfeitas na nossa mente, não sabemos aonde elas nos podem levar. Hibernam, por assim dizer, nalgum circuito da memória e um dia saltam para fora, como se acabassem de ser recebidos. Só que, por efeito desse período de gestação profunda, alimentada ao calor do sangue e das aquisições da experiência temperada de cálcio e de ferro e de nitratos, elas aparecem já no estado adulto e prontas a procriar. Porque as memórias procriam como se fossem pessoas vivas.”
    Agustina Bessa-Luís
Share

Uma Resposta a “Das memórias”

  1. Manuel diz:

    Acho que essa é uma das inequívocas provas de proximidade com alguém.
    Consegue-se com irmãos e com os tais amigos.
    Abraço

Deixe Uma Resposta