Ago 08 2007

POEMA SOBRE BEJA

Publicado por as 8:15 em Poetas

travessadocepo.jpg
foto: joão espinho

as paredes caiadas de branco repelem o sol quente da manhã
escuto rumores do destino que esvaziam as ruas cinzentas
à cidade já não regressam os que partem inseguros do amanhã
sem eles os largos são covas gigantes e lamacentas

o que acontece passa ao largo da planicie extensa e triste
e o que não acontece morre no silêncio de cada um que resiste

jorge barnabé in O Outro Crepúsculo

Share

5 Resposta a “POEMA SOBRE BEJA”

  1. São Rosas diz:

    Eu sentia o mesmo quando vivia em Caria… e lá as casas nem são todas brancas…

  2. RCataluna diz:

    Ao ler este post, lembrei-me de um suplemento do DN, o DN Jovem, que deu a conhecer autores como o José Luis Peixoto, entre outros. Seria muito interessante, na minha opinião, propor a um jornal da terra que embarcasse neste desafio, aliciando alunos, professores, entusiastas das artes – criar um espaço físico em que fosse possível escrever, ver e ler o Alentejo. E criar nos mais jovens o gosto de ler e manusear um jornal. É preciso pôr as pessoas a escrever sobre a sua terra.

  3. nikonman diz:

    @ricardo – aqui só há lugar para quem é simpatizante da cor ou para quem não faça ondas. Esses sim, têm direito ao tal sol que, quando nasce, devia ser para todos.

  4. zig diz:

    Um blog recomendável!

  5. slavko diz:

    OLHAR & ALMA…d poeta!

Deixe Uma Resposta