Jan 29 2007

Supper’s Ready

Publicado por as 23:45 em Geral

Leio este brilhante post do João Távora e percorro um tempo da memória.
Parto à procura e encontro.
Deixo-me ficar.
Senhoras e senhores: Supper’s ready (ou como dizia um grande amigo, que já partiu, a ceia está servida).

G616-flower300.jpg

“Walking across the sitting-room, I turn the television off.
Sitting beside you, I look into your eyes.”

Share

5 Resposta a “Supper’s Ready”

  1. João Távora diz:

    Obrigado pela referência caro nikonman. Bom apetite!

  2. papidamati diz:

    E vivam os GRANDES … os ENORMES … OS MAGNíFICOS … GENESIS !
    Aquele abraço João.
    Obrigado por me levares a ir buscar os albuns que tenho arrumados há uns tempinhos …!

  3. chico diz:

    Não sei porquê, mas as bandas de tributo “sabem-me a cerveja sem álcool”.
    Prefiro ouvir os CD’s que tenho em casa.
    A música dos Genesis (entre 70 e 76) é demasiado importante para se ver reduzida a imitações, ainda que, ao que parece, a tal “Musical Box” já foi elogiada pelos Genesis.

    Nikonman: ninguém, mas ninguém mais neste mundo toca guitarra como o Steve Hackett!
    Não quero com isto dizer que é o melhor guitarrista do mundo (é um dos melhores…), só quero dizer que não há quem toque como ele.
    E, goste-se ou não, o Phil Collins é um baterista assim tipo “relógio suíço”. Basta ouvir o seu desempenho no “Selling…”.
    Se eu fosse religioso, diria que é blasfémia imitar o Peter Gabriel.

    Mas é de música que se fala, não é?

  4. JP diz:

    Chico: subscrevo tudo, mas sera que nao gostas mesmo de nenhuma musica dos…Marillion?
    A voz clonada de Fish em Peter Gabriel, e um facto mas …grandes musicas tambem( “Assassing”e’ uma delas, mas ha mais…para quem gosta obviamente)
    Para concluir: e’ certo que nao sao bandas comparaveis, mas falaste de blasfemias e eu, por piada, lembrei me do Fish (voclalista dos Marillion)

    PS; para fas mais devotos ver:
    http://genesiscascais75.blogspot.com/

  5. chico diz:

    JP:
    Ora aí está! Não gosto dos Marillion, embora lhes reconheça qualidade musical.
    No início dos anos 80, quando surgiram, os Marillion eram quase uma banda-tributo aos Genesis da era Gabriel, só que não tocavam “covers”.
    A teatralidade exagerada do Fish irrita-me um bocado, aquilo não é natural.
    Mas eu compreendo o facto de os Marillion, na altura, quererem preencher o vazio que ficou em todos os fãs do Peter Gabriel (que só em 2002 editou um álbum com umas “pitadinhas” de Genesis).
    Uma coisa é ter referÊncias. Outra, como bem dizes, é “clonar”.