Arquivo de Setembro de 2004

Tá-se bem!

30 de Setembro de 2004

Fui urinar, preguei um grito no urinol.
Mijei-me a rir.

No corredor disseram-me que isto passa.
Espero que não!

Share

Fotografar

30 de Setembro de 2004

A fotografia é para mim mais do que um passatempo. É também um escape e uma forma de alimento espiritual.
Tal como os poetas se abrigam na escrita, eu refugio-me na fotografia para poder encontrar equilíbrios às vezes difíceis de alcançar na correria dos dias.
Quando saio com o propósito único de fotografar, sei que tudo o que me rodeia é importante, pois cada detalhe, cada pedaço da paisagem ou cada emoção expressa num rosto podem ser o momento que procuro, transformando-se no clímax do clique da máquina.
Nos últimos anos tenho dedicado o meu olhar aos olhares dos outros.
Tento registar na película as emoções que uma qualquer pessoa vive naquele momento, procuro traduzir expressões e arrisco uma interpretação fotográfica.
Sei, porque isso também acontece comigo, que algumas das pessoas que tento retratar se sentem incomodadas perante as objectivas da câmara fotográfica. Tem-me acontecido com indivíduos de raça cigana, com pedintes, perante cenários de pobreza, mas também com cidadãos anónimos.
Adoptei aquele que julgo ser o melhor comportamento: abordar as pessoas que pretendo fotografar e explicar-lhes as minhas razões. Conforme a reacção, assim efectuo ou não os meus registos fotográficos.
Como tenho os meus trabalhos expostos numa galeria virtual (Internet), sempre que me é dada autorização para entrar no mundo (muitas vezes na alma) dessas pessoas, forneço o endereço onde essas pessoas se poderão (re)ver e, sempre que possível, envio cópias em papel para os retratados.
Não seria elegante da minha parte estar a expor pessoas que se pretendem, por este ou aquele motivo, resguardar dos olhos públicos. Seria uma violência, pois um retrato é também uma forma de

Share

OBRIGADO!

29 de Setembro de 2004

Hoje ofereceram-me palavras intensas.
Sem ser uma retribuição, agradeço com este texto:

“She’s taking her time making up the reasons
To justify all the hurt inside
Guess she knows from the smiles
And the look in their eyes
Everyone’s got a theory about the bitter one

Mama never loved her much
And daddy never keeps in touch
That’s why she shies away from human affection
But somewhere in a private place
She packs her bags for outer space
And now she’s waiting for
The right kind of pilot to come
(and she’ll say to him)

I would fly you to the moon and back
If you’ll be, if you’ll be my baby
Got a ticket for a world where we belong
So, would you be my baby?

She can’t remember a time
When she felt needed
If love was red then she was color-blind
All her friends they’ve been trialed for treason
And crimes that were never defined

Love is like a barren place
And reaching out for human faith
Is like a journey I just don’t have a map for
So baby gonna take a dive and
push the shift to overdrive
Send a signal that she’s hanging all her hopes on
the stars

I would fly you to the moon and back
If you’ll be, if you’ll be my baby
Got a ticket for a world where we belong
So, would you be my baby?”

Savage Garden – “To the Moon and Back”

Share

ENCONTRO DE BLOGS – BEJA

29 de Setembro de 2004

Aqui está a sugestão publicitária do Navego, logo existo. Obrigado, cromo amigo! 🙂
Mais algumas sugestões para divulgação do evento?

O programa do Encontro será conhecido até ao final deste mês.

Share

LUA CHEIA (SETEMBRO)

28 de Setembro de 2004

Por alturas da 2ª Lua Cheia de Julho (sim, foi “Blue Moon”), trouxe-te O’Neill.
Depois veio Agosto e com ele a “luz intensa”.
E disseste-me: “sente a magia no ar“.
Hoje, noite em que a Lua enche e preenche, vou olhar-te nos olhos, dizer-te e oferecer-te o único poema que escrevi em toda a minha vida.
Porque só esse poema é verbo e substantivo, adjectivo e preposição.
Porque é o poema de uma vida.
Porque é a minha Vida.

Share

NOCTURNA

28 de Setembro de 2004

“A cegueira egocêntrica é a mais fatal das formas de não querer ver”.

Share

Sol

27 de Setembro de 2004


foto: joão espinho

“Na fuga deste lugar,
Encontrei à beira-mar,
A imagem que buscava.”

Share

Momento único

27 de Setembro de 2004

Naquele momento senti
Que fazia sentido estar ali.

Na fuga deste lugar,
Encontrei à beira-mar,
A imagem que buscava.

Só mesmo ali,
Naquele lugar, naquela hora.
Num momento
Foi o despertar dos sentidos.

E olhei-te!

Quando te vi
Soube que fazia sentido
O porquê de estarmos ali.

Share

BEJA E A CULTURA

24 de Setembro de 2004

Com a devida vénia, destaco aqui o texto Só vertiginosamente é que se transforma um público, produzido pela Marta no Corpo Veloz.
Chamo à atenção para alguns dos comentários ali deixados.
Alguém interessado em discutir esta questão?

Share

ESTAçÕES

23 de Setembro de 2004

No calendário, o Outono.
Lá fora, abafado, choveu logo pela manhã.
Por dentro, parece que começou o Verão.
Não consigo ajustar as estações.
Também não sei se quero ajustá-las.
Estou bem assim.

Share

EXPOSIçÃO DE FOTOGRAFIA

23 de Setembro de 2004

7 fotógrafos apresentam em 7 fotografias cada um, a sua visão do Alentejo.

Share

Mariza

22 de Setembro de 2004

Beja -17/9/2004


foto: João Espinho

Share