Arquivo de Abril de 2004

BEJA/PORTUGAL – BEJA/LETÓNIA

25 de Abril de 2004

Deverão ter partido esta manhã, da Praça da República em Beja, os elementos do Grupo de Mototurismo Paxus Julius, que vão fazer a ligação da capital do Baixo Alentejo à cidade homónima na Letónia.
Pretende, assim, este grupo dar as boas-vindas a esta nação que, a partir de 1 de Maio (data em que chegarão a Beja/Letónia), integrará a União Europeia.
Na bagagem levam uma mensagem do Presidente da Câmara de Beja, assim como alguns produtos regionais.
Desejo a este Grupo o maior sucesso nesta sua missão.

(A SIC deverá noticiar o evento no Jornal das 13H00. Aqui, a notícia no Público)


foto: J.Espinho

Share

HOJE, COMO HÁ 30 ANOS!

25 de Abril de 2004

Share

ONTEM, NA BIBLIOTECA

24 de Abril de 2004

Temos que o dizer: A Biblioteca de Beja é um espaço que se tornou pequeno para o que ali acontece. A prova esteve bem evidente ontem, nas comemorações do Dia Mundial do Livro.
Auditório e Cafetaria cheios. A Cave, repleta de crianças e adultos.

O que vi:

– Pedro Strecht a falar sobre a abuso sexual de menores. Alertou-nos para os sinais que, por vezes, podem passar despercebidos. Uma plateia interessada.

– Jorge Serafim está imparável. Cativa. Arranca sorrisos aos mais cépticos. As crianças adoram-no. Os adultos agradecem-lhe.

– Cheguei na parte final da entrevista que o Director do “Público” fez ao Luís Afonso. A tempo de ouvir uma pergunta que o Teixeira Correia fez e que não obteve resposta. Há respostas que não se dão (o silêncio é uma resposta?).

– Estive à conversa, por breves momentos, com o Carlos Pinto Coelho. Obviamente que não falámos de livros. O nosso ponto de encontro é a fotografia. A propósito: conhecem-lhe esta faceta?

– Fiquei só 5 minutos na homenagem que se fez ao pai do “Aqui, Acontece!”.
Naturalmente: Morais Sarmento, o ex-pugilista, esteve na boca de Pinto Coelho e de Carreira Marques (que conduziu a conversa).

– José Luís Peixoto & Fernando Ribeiro, vocalista dos Moonspell, falaram-nos, de forma descontraída, do seu projecto de fundir literatura e heavy metal. Que tem dado excelentes resultados.

Balanço: uma noite muito bem passada!

notas de rodapé:
#1 – a revista “rodapé” só para a semana é que nos chegará à mão (para infortúnio nosso e de quem a faz);
#2 – encontrei o Francisco Nunes do Planície Heróica. Onde andavam os bloguistas bejenses?

Share

PSD E VALENTIM LOUREIRO

23 de Abril de 2004

Segundo esta notícia, o PSD está solidário com o Major.

É só para avisar que o Pedro Duarte NÃO é meu porta-voz!

Irra….

Share

CRÓNICA RÁDIO PAX

23 de Abril de 2004

Comemora-se, no próximo domingo, o 30º aniversário do 25 de Abril.
Para as gerações que viveram com intensidade a Revolução dos Cravos, esta é uma data que serve para fazer um balanço do que foram os momentos mais marcantes daquele período da História recente de Portugal.
Serve também para recordarmos os tempos conturbados de então, os sonhos e as ilusões que fomos alimentando nessa etapa das nossas vidas, serve para reconhecermos onde houve excessos e intolerância, ingenuidade e muita esperança.
Cada um de nós viveu o 25 de Abril à sua maneira. Uns mais entusiasticamente, outros mais receosos.
Mesmo alguns daqueles contra quem foi feita a Revolução acabariam por reconhecer o valor inestimável da Liberdade.
O 25 de Abril, e por muito que lhe queiram retirar consoantes, foi uma Revolução!
Uma Revolução a todos os níveis.
Seria fastidioso estar aqui a relembrar o que mudou em termos sociais, económicos e políticos.
Os que lá estiveram, no 25 de Abril, recordarão certamente o que era o País em 1974.
Nós, então jovens, tínhamos nas nossas vidas o espectro de uma guerra. Os nossos pais viviam na angústia de ver os seus filhos partir para África e sem saber se, como e quando voltariam.
Naquele dia, vi lágrimas que ainda hoje recordo. Lágrimas de uma enorme comoção de gente que vivia cansada de uma vida sem futuro e sem confiança.
No dia 25 de Abril de 1974, Portugal mudou. Portugal libertou-se de uma ditadura velha e decadente.
A minha geração sabe isto e comemora, cada um à sua maneira, a data que devolveu a Liberdade e a dignidade aos portugueses.
Porém, para as gerações mais novas, que já nasceram em Democracia, tudo isto não é muito evidente.
Por isso, comemorar Abril deverá ser, hoje e no futuro, explicar aos mais novos o que é a liberdade de opinião e de expressão. Tentar transmitir-lhes que a Liberdade é um valor com o qual nos habituámos a viver no nosso quotidiano mas que, houve tempos em que assim não era.
Em Abril devemos, também por isso, dar voz a quem, pela idade que tinha então, não viveu os acontecimentos e tentar perceber-lhes o entendimento que fazem da Revolução.
Deixo aqui as palavras de alguém que não conheço e deixou escrito na minha caixa de correio o seguinte:

Nasci 5 anos depois do 25 de Abril. Perdi a revolução, mas sou filha de revolucionários, e orgulho-me tanto disso! A forma como os meus pais falam daqueles momentos, do ambiente, da emoção, do peso das palavras nas canções, da dimensão e da importância de se poder cantar e dizer o que se queria, gosto do sabor a LIBERDADE que os meus pais me transmitiram! Eles sabem o que é a LIBERDADE! EU não sei o que é, porque nasci num país livre com uma democracia a dar os primeiros passos, ainda muito deficitária, mas LIVRE! Sei que não vou poder transmitir aos meus filhos, quando os tiver, a noção de LIBERDADE, explicar-lhes o que é, com o mesmo brilho no olhar que os meus pais tinham e têm quando falam do 25 de Abril. Mas vou tentar mostrar-lhes que um dia este país viveu amordaçado, e que houve pessoas que tiveram a coragem de tirar as mordaças e gritar LIBERDADE! Quero que se orgulhem da história deste país que amo, e que saibam dar valor ao que têm, respeitando os outros e tratando-os como iguais, para que sejam cidadãos válidos e contribuam positivamente para a sociedade, para a construção e progresso de Portugal!

Ao ler estas palavras, sinto que vale a pena comemorar o 25 de Abril!

Share

DIA MUNDIAL DO LIVRO EM BEJA

23 de Abril de 2004

Comemora-se hoje o DIA MUNDIAL DO LIVRO.
Na Biblioteca de Beja o programa é o seguinte:

Cave

17H00 – Histórias ao Largo – Mestre Elias e a sua Companhia de Bonecreiros
18H30 – Histórias de Zulia
19H30 – Taticrislim a cozinheira das histórias
21H30 – A Consulta do dr. Todos leu – Consultório de Leituras
22H30 – Mãos que desenham a noite – Atelier de actividades plásticas.

Auditório

21H00 – Conferência com Pedro Strecht – “Abuso sexual de Menores”
21H45 – Conversas com Livros e Imagens – José Manuel Fernandes entrevista Luís Afonso
22H30 – AQUI, ACONTECE! – com Carlos Pinto Coelho

Cafetaria

23H30 – O Veneno Universal – José Luís Peixoto & Fernando Ribeiro (Moonspell)
24H00 – Vozes e Estórias da Galiza

Vamos lá?

Share

EXPLICAR O 25 DE ABRIL

21 de Abril de 2004

Durante as férias da Páscoa, prevendo que as minhas filhas o viessem a necessitar para os seus trabalhos escolares, fui coleccionando textos e imagens sobre o 25 de Abril.
Ontem, ao jantar, a mais velha começou a fazer perguntas sobre a Revolução.
Fiz-lhe uma breve resenha dos acontecimentos.
Dei-lhe alguns textos.
Contei-lhe o que foi o “meu” 25 de Abril.
Hoje, e porque gostou, mal se sentou à mesa disse: “Então? Vamos continuar a falar sobre o 25 de Abril?”
E continuamos.
E eu recordo os momentos de alegria que me trouxe o 25 de Abril.
Rendo homenagem a quem tornou possível que eu tenha a Liberdade de explicar às minhas filhas o que foi o 25 de Abril.

E tu? Como é que explicas o 25 de Abril aos teus filhos?
E se não tens filhos, como explicas o 25 de Abril a uma criança?

Share

BLOGUITICA

21 de Abril de 2004

O BLOGUITICA não comenta a decisão do TC sobre o slogan Força Portugal?

Share

EUROPEIAS – PS COMEçA A PERDER

21 de Abril de 2004

Logo após o apito inicial, a equipa do PS correu desenfreadamente para a pequena área da turma da coligação. Deixando a sua defesa completamente desguarnecida, o clube da rosa sofre o 1º golo da partida.
Na bancada, alguns apoiantes do clube dirigido por Ferro começam a abandonar o estádio. No banco dos suplentes, Ana Gomes despe o fato de treino e diz que vai substituir o capitão Sousa Franco.
Há já quem diga no Largo do Rato que esta decisão do Tribunal Constitucional faz parte da cabala!!!! Outros recordam os tempos das “forças de bloqueio”.
O campeonato continua….

Share

ADEUS LENINE

21 de Abril de 2004

Só agora tive oportunidade de ver este filme (em DVD).
Aconselho!
É daqueles imperdíveis.
Provavelmente uma lição de história.
O filme é falado em alemão. E tem a curiosidade de manter expressões que só eram usadas na ex-RDA (é evidente que na legendagem não se pode fazer essa conversão).
Vou repetir e talvez adquirir.
Para os interessados, vale a pena ver o site referente à história de Good Bye Lenin! (em alemão)

Share

TEIXEIRA CORREIA DENUNCIA CORRUPçÃO

21 de Abril de 2004

TEIXEIRA CORREIA, antigo árbitro bejense, confessou em declarações à TSF, ter sido alvo de pressões para favorecer algumas equipas de futebol. O antigo árbitro disse ainda ter abandonado o apito devido às pressões que foi sentindo ao longo dos anos.
Leia aqui o que disse Teixeira Correia.

Share

Célia -15-

20 de Abril de 2004

Quando me passou os seus dedos pelo cabelo, senti uma enorme vontade de lhe perguntar mil e uma coisas.
Estranho, este meu súbito desejo. E quantas perguntas teriam a resposta que eu queria? Quantas me seriam negadas?
E o que é que tudo isso importaria?
Decidi-me por enfraquecer as resistências. Deixar que o momento fosse aquilo que nós quiséssemos.
Estendida na sua beleza, pareceu-me ver-lhe um raio de felicidade. Julgo que comungávamos aquele instante com a intensidade de um apetite reprimido e subitamente libertado.
Deixámos de falar enquanto nos cruzávamos nas nossas fantasias.
Sentíamos a delícia de um encanto e de um silêncio que não queríamos desperdiçar.
Contemplando-a, admirei os seus olhos infinitamente femininos.
Antes que partisse, quis oferecer-lhe uma frase que não tivesse o sabor de um sumário ou de uma conclusão. Há momentos em que a solidão deixa de ter sentido, balbuciei-lhe.
Quando se despediu, a expressão tornou-se mais sedutora e, como se fosse num primeiro beijo, segredou-me: “Não te inquietes, porque até as noites têm horizontes”.

Share