Arquivo de Fevereiro de 2004

O uso do telemóvel

20 de Fevereiro de 2004

“…o uso do telemóvel, por exemplo, pode ser meio caminho andado para atingir o patamar supremo da competência. O caso ainda me despertou mais o interesse quando soube que tal inovação estava a ser posta em prática na minha terra, na mesma Câmara que me havia chumbado em modernidade e elegância. Uma jovem assessora de imprensa, na região mais deprimida do país, conseguiu arranjar três empregos recorrendo ao uso exemplar do telemóvel. Chamada para cá, SMS para lá, dizem, nada lhe escapa nos afazeres da Câmara, do Programa Polis e do aeroporto de Beja. É fruta. É muita fruta. O que deixa qualquer um com uma curiosidade suprema e com uma camada de inveja indisfarçáveis: qual será a marca e o modelo daquele telemóvel? Que uso é que ela lhe dá?”

O Paulo Barriga, no Diário do Alentejo, questiona as virtudes do telemóvel. Ou de quem o usa.
Sem papas na língua, escreve com Elegância e Modernidade.

Share

CRÓNICA RADIO PAX (20/2)

20 de Fevereiro de 2004

Na minha crónica de hoje, pretendo realçar alguns assuntos que julgo de particular interesse e que não quero deixar passar em branco.

O primeiro prende-se com o julgamento que decorreu no Tribunal de Aveiro e donde saíram absolvidas as mulheres que haviam sido acusadas da prática de interrupção voluntária da gravidez ou, como se diz, de terem praticado o aborto.
Sendo um tema transversal, que atravessa toda a sociedade, e que se tornou bandeira para alguns movimentos, é reconfortante saber que os tribunais decidem bem, principalmente quando estão em causa opções muito pessoais e do foro íntimo. Por muito que se queira iludir a questão, o aborto existe, é praticado a maior parte das vezes em condições sub-humanas e tentar criminalizá-lo é não querer enfrentar a realidade. Espero que, com esta decisão judicial, se acalmem as hostes que fazem do aborto o seu estandarte.

Quero também referir-me ao ruído, eu diria melhor, ao chinfrim, que se tem feito em redor das hipotéticas candidaturas à Presidência da República. Sendo a política um tabuleiro onde se dispõem as diversas peças, como num jogo de xadrez, parece-me que há neste jogo alguns peões que pretendem ter o valor e a força de outras peças que, essas sim, poderão ser vencedoras, pois têm a capacidade de se deslocar com muito maior habilidade e assim fazer xeque-mate ao rei adversário. E como nesse e noutro qualquer jogo, convém que se espere que as peças se disponham no terreno, para se saber quem começa primeiro a jogar.

Uma última nota tem a ver com a época de festejos que agora vai começar.
Costuma dizer-se que, no Carnaval, nada faz mal. No entanto, todos os anos nos surgem os relatos de crianças feridas, algumas mutiladas, devido às brincadeiras de Carnaval.
Apesar de a legislação ser bem clara na proibição da venda de alguns dos artefactos carnavalescos, continuamos a ouvir nesta época as tradicionais bombas que, muitas vezes, vão atingir colegas e amigos. Se às crianças perdoamos a sua ingenuidade, o mesmo não deveremos fazer a quem persiste em vender esses explosivos. Os pais devem estar de alerta e as autoridades deverão, para bem de todos, apertar a vigilância e, sempre que necessário, aplicar a lei.

Caro ouvinte, desejo-lhe um bom fim-de-semana e um Carnaval com muita saúde.

Share

virus

20 de Fevereiro de 2004

Foi descoberto ontem, mas ja se propagou por milhares de computadores.
Mais uma praga.
Leia pormenores em publico.pt

Share

Amanhã é dia de crónica

19 de Fevereiro de 2004

Amanhã é dia de crónica na Rádio Pax (101.4 FM – 08H50 e 09H50). Depois será aqui divulgada.
Crónica com 3 assuntos. Da actualidade.
Fique de ouvido na Rádio! (ou passe aqui pela Praça).

Share

O Improvisos ao Sul faz

18 de Fevereiro de 2004

O Improvisos ao Sul faz a sua apreciação ao concerto a que tivemos oportunidade de assistir/ouvir, ontem na Casa da Cultura, em Beja. Leiam o que escreve quem sabe do assunto.

Da minha parte, e sobre o concerto, destaco:

1 – A excelência técnica dos músicos em palco: o percursionista (Vicki), que já vimos actuar com Pedro Jóia e “Os Ciaganos d’ Ouro”, esteve no seu melhor. Conseguiu estabelecer um permanente diálogo harmonioso com o baixo e “libertou-se”, sem magoar, da guitarra de Pedro Madaleno. Lukas Fröhlich no trompete, demonstrou que tem virtudes como executante e compositor. A “tarimba” dos bares e clubes de Berlim, onde também pratica sons latinos, esteve bem evidente. Espera-se que esta sua curta passagem por Portugal lhe deixe saudades de voltar.

2 – Se bem que Miles Davis pairou por momentos no espírito de quem ali esteve, notei, em algumas passagens, umas lufadas de Pat Metheny (salvo as devidas diferenças, acentuadas pela falta de um piano acústico e vocalizações), o que me surpreendeu agradavelmente.

3 – O som: na Casa da Cultura não se pode exigir mais. As condições do espaço atrapalham até o melhor músico.

4 – O público: frio, como a casa que o albergava. Não estabeleceu empatia com os músicos, que lhe retribuiram com a mesma moeda.

Consideração final: repita-se esta iniciativa, de divulgação do Jazz, pois Beja tem público para aderir. (Curiosamente, esperava ver uma casa composta pelos muitos amantes do jazz, que sei que os há aqui).

Share

PSP de Moura

18 de Fevereiro de 2004

De acordo com informação do Governo Civil de Beja, a PSP vai continuar em Moura.
“Embora esta cidade alentejana se enquadrasse num dos critérios que definem a exclusão da PSP das cidades, há alguns meses atrás o Ministro da Administração Interna garantiu pessoalmente ao Governador Civil de Beja que em Moura o policiamento e a segurança de pessoas e bens continuaria a ser efectuado pela Policia de Segurança Pública, pelo que as últimas noticias divulgadas na comunicação social não têm qualquer fundamento”, diz-se no comunicado do GC de Beja.

Boas notícias, pois, para a população daquela cidade alentejana.

Share

Jemima Stehli

18 de Fevereiro de 2004

Este nome poderá não significar nada para a maior parte dos visitantes da Praça.
Porém, quem estiver ligado ao mundo da fotografia ou seja apreciador desta Arte, saberá que Stehli é um nome por demais conhecido. Talvez pela substância das suas obras. Outros saberão que a artista é polémica.
O Centro de Artes Visuais de Coimbra apresenta até ao dia 21 de Março uma Exposição de trabalhos de e com a artista.
Sugerida pelo artista Julião Sarmento, a exposição apresenta diversas séries de fotografias em que Jemima Stehli utiliza o seu próprio corpo, por vezes completamente despido, e faz citações específicas a determinadas obras – como o trabalho do pintor Francis Bacon, do fotógrafo Helmut Newton (recentemente falecido) ou a última sessão fotográfica de Marilyn Monroe realizada por Bert Stern. Questionando o papel do crítico e do curador, Stehli construiu ainda obras como “Strip” – em que pediu individualmente a críticos de arte que a fotografassem enquanto tirava a roupa, mas convidando-os também a participar no enquadramento da fotografia – ou “Wearing Shoes Chosen by The Curator”, em que se deitava totalmente nua no chão da galeria usando apenas um par de sapatos.
fonte: Público – Guia do Lazer

Assim, quem gostar de fotografia e estiver para os lados de Coimbra, não perca esta Exposição.
(estou à procura de uma imagem que foi mandada retirar de uma exposição- polaroids – por razões que não se entendem).

untitledjemima-stehli.JPG

Share

Aí está o que há

17 de Fevereiro de 2004

Aí está o que há para fazer hoje em Beja:

20H30 – Conferência sobre “Os Novos Desafios da União Europeia”, na Pousada de S. Francisco, com a presença de Mota Amaral.

22H00 – Concerto com o guitarrista de Jazz Pedro Madaleno, na Casa da Cultura.

Espero que a Conferência comece à hora marcada e que haja um pequeno atraso no início do concerto de jazz.

Até logo.

Share

Santana Lopes

15 de Fevereiro de 2004

Parece que PSL quer avançar como candidato presidencial. Coloca, segundo o Expresso, uma condição de princípio: "ser capaz de unir PSD e CDS/PP".

1º – Pensei que o Presidente da República servisse para unir os portugueses. Certamente que não serve para unir os partidos.
2º – Pedro, se é por isso que te candidatas, não contes com o meu voto!

Share

Independentes?

15 de Fevereiro de 2004

Um auto denominado grupo de “Independentes por Almodôvar” visitou esta Praça às 15H22 e logo de seguida enviou-me um link de acesso à sua página. Como aqui não se dá guarida a gente anónima, podem ficar descansados que não os linkarei. Para além de que o anonimato, neste caso, deixou o “rabo de fora”…

Share

CÉLIA -9-

14 de Fevereiro de 2004

Algo me levou a ligar-lhe há pouco. Talvez pela raridade, houve um sorriso de surpresa. Mas terá que ser mais tarde.
Ainda houve tempo para “E sabes que dia é hoje?“.
Apeteceu-me naquele momento verbalizar o que penso sobre estes dias, mas arranquei com um “e significa alguma coisa para ti?”
Sim, é um dia em que “a espera é dolorosamente agradável por saber que vou estar contigo”!

Da janela da sala vi que afinal estava Sol!

Share

Crónica Radio Pax (13/2/2004)

13 de Fevereiro de 2004

Reúne, durante este fim-de-semana, em Montemor-o-Novo, o Congresso sobre o Alentejo que, nesta edição de 2004, adoptou o nome de Alentejo XXI.
Em discussão estarão temas como o ordenamento do território, as tendências do despovoamento e a economia regional.
Como principais motores deste debate, estarão, como é óbvio, os autarcas dos diversos municípios que constituem aquilo a que ainda hoje chamamos de Alentejo. Isto é, a soma de todos os concelhos que integram as Províncias do Baixo e Alto Alentejo e que estão espalhados pelos Distritos de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal.

Para além da inquestionável validade dos temas que irão ser abordados, não estarei muito longe da realidade se tentar adivinhar que o ordenamento do território alentejano será o tema que maiores e acalorados debates suscitará aos congressistas reunidos em Montemor.

Enterrado que está o debate sobre a regionalização, onde se discutiu mais o mapa das regiões do que as suas respectivas competências, agora, os autarcas têm à sua frente um projecto que estabelece o regime de criação, o quadro de atribuições e competências das áreas metropolitanas, urbanas e inter-municipais e o funcionamento dos seus órgãos. Interessa, segundo a futura legislação, “promover a reorganização e o equilíbrio do sistema urbano nacional, mediante a consolidação de novas áreas capazes de impulsionar o desenvolvimento social, económico e cultural”, partindo do voluntarismo municipal, pois só se associam os Municípios, vizinhos, que estejam interessados.

Vão ser criadas novas entidades, que farão a gestão de interesses supra-municipais como o saneamento básico, saúde, educação, ambiente, acessibilidades e transportes, turismo, cultura, desporto, planeamento, etc) e que vão ter competências anteriormente atribuídas aos Municípios e à Administração Central.

São 4 os modelos possíveis de Organização e de Governo Territorial: Grandes Áreas Metropolitanas, Comunidades Urbanas, Comunidades Intermunicipais de Fins Gerais e Associações de Municípios de Fins Específicos.
Seria fastidioso estar a enumerar, neste pequeno espaço radiofónico, as características de cada uma destas organizações territoriais.

No entanto, não quero deixar passar esta ocasião para dizer o seguinte.

Os autarcas que agora reúnem em Congresso sobre o Alentejo, e que depois nas respectivas Assembleias e Associações Municipais se pronunciarão sobre o modelo que preferem adoptar para a sua região, não deverão esquecer que, essencialmente, esta é uma questão estratégica para o progresso da região que mais carências apresenta, que mais atrasos ao seu desenvolvimento tem sofrido, enfim, que o que está em discussão não é uma mera questão administrativa.

Por uma vez, seria bom que as camisolas partidárias ficassem de fora desta discussão.

Seria louvável que todos os autarcas, sublinho, todos os autarcas, soubessem desta vez unir-se em torno do único ponto fundamental desta questão: o desenvolvimento do Alentejo.

Antes de terminar esta minha crónica, e porque a construção de uma nova Europa também está na nossa agenda, queria aqui deixar o desafio para que marcássemos presença na Conferência que irá ter lugar na próxima Terça-Feira às 8 e meia da noite, na Pousada de S. Francisco em Beja, onde estará presente, entre outros, o Dr. Mota Amaral, e onde se falará sobre .Os Novos Desafios da União Europeia..

Consigo, amigo ouvinte, marco encontro aqui, neste espaço, para a próxima 6ª feira.
Bom dia e bom fim-de-semana.

Share