Arquivo de Novembro de 2003

QUE EUROPA?

30 de Novembro de 2003

Neste Domingo cinzento, pouco apetece estar a teclar, mas há algumas coisas que ficaram por escrever. Aproveite-se então para por a escrita em dia.
Retomo o tema da Europa (após a violação do Pacto), e em resposta ao meu amigo Pedro L. e ao Carlos a.a.: o que eu pretendi dizer foi que a Europa igualitária com que muitos sonham não tem, desta forma, viabilidade. Sabia-se, desde a decisão do alargamento, que quer a França quer a Alemanha, não estariam dispostas a “estar” numa Europa que não lhes prestasse vassalagem. Lembro-me de, há poucos anos, e já na era Schröder, os responsáveis alemães terem dito que não estavam interessados em continuar a ser a maior fonte subsidiária desta Europa. A não ser que….! A não ser que os países mais pequenos se comportassem bem e não colocassem em causa o seu poderio.
Portugal, por variadas razões, tem sido sempre tratado como um país deficitário, incapaz de criar riqueza própria, inapto para integrar o pelotão da frente europeia. Algumas vezes apelidado de “bom aluno”, o país espelha-se para o exterior como um território de Sol e areias brancas, com águas costeiras bem temperadas e uma mesa gostosa e de bom preço. Muitas vezes elogia-se o nosso espírito aberto, a que teimam em chamar de latino.
E para que essa imagem prevaleça, o Portugal deste início de século é um país sem destino e sem convicções. Cada vez mais enfraquecidos na Europa, sem sabermos o que pretendemos fazer com a África lusófona, sem terreno para conquistar na América Latina, sonhando com um Atlântico que já não passa pela nossa costa, o futuro deste País, a continuar assim, só poderá ser o da subserviência perante alemães e franceses (os ingleses virão depois).
Quando Portugal alinhou ao lado dos EUA e da GB na questão do Iraque, pensou-se que a política externa portuguesa estaria definida. Sem virar costas à Europa, afirmávamos a nossa vontade de nos voltarmos para o Atlântico. Foi sol de pouca dura. Embarcando na chantagem franco-alemã, lá fizemos o favor aos maiores consumidores do nosso vinho rosé e aos maiores importadores europeus dos nossos produtos. A história da nossa afirmação junto dos parceiros europeus foi tão efémera que tem um gosto a falso.
O que eu pretendo dizer com esta minha curta mensagem é que a Europa igualitária não existe. E se algum sonho foi acalentado nesse sentido, ele está hoje transformado em cadáver.
A minha questão, e aquela que nos deve preocupar, é saber para que Europa é que caminhamos e que Europa é que afinal queremos.
Sobre este assunto, não percam o artigo de António Barreto no “Público” de hoje (30/11/2003).

Share

Michael Jackson na web

29 de Novembro de 2003

Ora aí está uma modalidade que ainda não tem eco em Portugal.
Como sabem, a pop star Michael Jackson anda às voltas com a justiça. Acusado de abusos sexuais contra crianças.
Para se defender das acusações, MJ criou um página na internet, onde divulga comunicados que refutam as acusações de que é alvo.
Aqui em Portugal seria interessante ver também toda essa gente, que está preventivamente presa, proclamar a sua defesa através de webpages. Aqui fica a sugestão (desconfio que eles não visitam esta Praça).
Para os/as fans de Michael, aqui fica a sua página.

Share

Rodapé

28 de Novembro de 2003

Este comunicado já tardava.
Recebida há já algum tempo, a última edição (Primavera/Verão 2003) da revista RODAPÉ apresenta-se com nova roupagem mas continuando a primar por um nível de qualidade bastante elevado.
Editada pela Câmara Municipal (Biblioteca Municipal de Beja), a RODAPÉ foi, desde o seu primeiro número, uma lufada de ar renovado no marasmo cultural de Beja. Apostada em divulgar novos talentos, a RODAPÉ não se quedou pela arte da escrita, revelando, em pé de igualdade, a obra de fotógrafos, artistas plásticos e ilustradores do Alentejo, muitos deles desconhecidos e afastados dos centros comerciais de arte.
Este número mais recente dedica-se aos sentidos. E faz todo o sentido a sua capa, com um poema de Eugénio de Andrade (“Sem Ti”) escrito em Braille.
Pegando no escrito de uma leitora da revista, deixo-vos o repto – façam-se cúmplices e degustem a RODAPÉ.

Share

BlogoBeja

28 de Novembro de 2003

Saúda-se, com muito entusiasmo, o aparecimento de cromos bejenses na blogosfera. Dizem-se com piada e esperamos que sim. Vamos então ver como nos surpreendem os 3 da Barra Cromológica.

Share

Correio do leitor

27 de Novembro de 2003

Sabia que o texto .A Europa do pacto Violado. iria provocar algumas reacções.

A primeira veio da Suécia, de um amigo de longa data, que quis, ao telefone, discutir os modelos possíveis para a construção de uma Europa igualitária. Fez-me um reparo: onde digo .países de 1ª e os outros de 2ª., eu deveria dizer .países de 1ª e os outros., ficando por saber quantos e quais seriam os constituintes do bloco de 1ª. Agendámos para as férias de Natal um aprofundamento da conversa.

Aqui, em espaço próprio, ficaram até agora 2 mensagens, que transcrevo:

1) Posted By: carlos a.a. 11/27/2003 6:03:33

“Está assim dada uma “machadada” na construção europeia”

Eu acho demasiadamente radical! Prefiro pensar que a machadada foi fatal para esta construção europeia. É tempo de iniciarmos uma outra com outros alicerces.
A edificação que temos vindo a assistir desde Maastrich é uma negação à identidade da Europa do pós-guerra, a do Estado Social, a da entrega aos interesses privados de todas as ferramentas financeiras, a do neo-liberalismo desenfreado.
Há que reinventar, com serenidade, como poderemos continuar a ser europeus sem querermos ser iguais aos EEUU.
Não sou anti-americano, sou é um europeu de NACIONALIDADE portuguesa..

2) Posted By: Pedro Lameira 11/27/2003 8:59:04 AM

.Eu não consigo classificar a Europa dessa maneira (países mais fortes/países mais fracos), classifico-os antes de países trabalhadores e países preguiçosos (Portugal quanto a mim pertence aos últimos). Espanta-me este seu artigo, principalmente porque sei que o João conhece muito bem a Alemanha e os Alemães (com todos os defeitos que possam ter, ninguém os pode acusar de serem preguiçosos).
Quanto a Portugal só se pode queixar de si mesmo, nós fomos os primeiros a não cumprir as nossas obrigações perante a Europa. Recebemos ajudas para progredirmos, tal qual os nossos vizinhos Espanhóis, mas ao contrário deles não soubemos investir, não evoluímos e o pior de tudo regredimos. Hoje estamos a pagar essa factura. Os culpados e responsáveis desta situação… bem deixemos isso para uma outra ocasião..

Prometo que voltarei a este assunto.

Share

A Europa do Pacto

27 de Novembro de 2003

A Europa do Pacto violado.

Todos aqueles que pensavam ser possível a construção de uma Europa igualitária, isto é, em que não houvesse países de 1ª e outros de 2ª, viram esta semana desfeito esse seu sonho. Havia por aí muito boa gente que ainda acreditava numa Europa independente do eixo franco-alemão (ou que ela se edificasse sem esse motor).
Esse sonho acabou.
A França e a Alemanha violaram o Pacto de Estabilidade e Crescimento mas esta violação foi legitimada, contrariando as orientações de Prodi, por países como Portugal.
Está assim dada uma “machadada” na construção europeia. Aceitando as chantagens implí

Share

Região de Turismo Planície Dourada.

26 de Novembro de 2003

29021_77.jpg
foto: joão espinho

Segundo esta notícia, a recém-eleita direcção da Região de Turismo Planície Dourada tomou posse e o seu novo Presidente proferiu algumas palavras onde apontou o que considera ser os dois principais projectos que poderão potencializar o turismo nesta região: alqueva e aeroporto de Beja. Disse mais: os campos de golfe é o que está a dar! ( a expressão é minha, a ideia é do Presidente).
Convém explicar a quem de direito que existe hoje, por essa Europa e pelo Mundo, um tipo de Turismo bem mais importante que o “endinheirado” golfe. É o Turismo Cultural.
Seria bom que não se esquecessem os milhares e milhares de turistas que visitam determinadas regiões pelas suas características: culturais, históricas, antropológicas, sociológicas, etnológicas, etc…
O consumidor de golfe não se interessa por este tipo de turismo e trata (vê) os autóctones como espécie rara e que até dão uns interessantes fotogramas.
Sou a favor dos campos de golfe. Mas sou muito mais favorável a tudo o que possa valorizar o nosso património humano.

Share

O que é que Ana

25 de Novembro de 2003

O que é que Ana Gomes, Eduardo Prado Coelho, Jorge Wemans, Luis Nazare, Luis Osorio, Maria Manuel Leitao Marques, Vicente Jorge Silva e Vital Moreira têm em comum? Isto!
O que será que nos poderão trazer de novo? Vale a pena esperar novidades? Cá me parece…

Share

A Campanha do Papel

24 de Novembro de 2003

A Campanha do Papel Higiénico – A marca (portuguesa) RENOVA revolucionou a publicidade ao papel higiénico. Disso nos dá conta, em primeira página, o Expresso de 22/11. Já em Outubro, a revista PHOTO nos havia brindado com uma excelente reportagem sobre esta campanha, apresentando um portfolio de magnífica qualidade e oferecendo-nos um calendário de secretária, com 12 fotografias relativas a esse trabalho. Mais – a revista lançou um concurso de fotografia, onde se apresentarão propostas para a próxima campanha daquela conhecida marca de papel (de wc). Algumas das imagens (que parece estarem a “ofender”algumas sensibilidades mais púdicas) podem ser vistas no site da Renova. Os interessados em participar no concurso de fotografia (até 20/2/2004), podem descarregar o regulamento aqui.
Deixo-vos aqui uma imagem do calendário 2004. (fotografia de François Rosseau):

renova%202-721915.jpg

Algumas reacções:

MATOOBLOG

SIC online

Share

comentários

22 de Novembro de 2003

Criei, a título experimental, uma modalidade de comentário em cada uma das postas.
Assim, se quiser deixar algum comentário, clique onde diz “Shout Out”, logo após cada posta, e deixe o seu comentário na caixa que se vai abrir.
Como disse, isto é só uma experiência, pois gostaria de aperfeiçoar a possibilidade de cada um deixar aqui a sua opinião.

Share

Entretanto, com as novas POLI’sses

22 de Novembro de 2003

Entretanto, com as novas POLI’sses na Rua António Sardinha, as ambulâncias têm que fazer um passeio turístico pela zona do Politécnico, até chegarem ao seu destino – o Hospital. Como aquela zona é de difícil circulação (ruas apertadas, inúmeros carros mal estacionados), a tarefa dos socorristas está dificultada. Tudo isto foi analisado, chegando-se à conclusão de não haver alternativa. Pergunta de leigo: e se as obras na Rua A.S. se fizessem em duas fases? Isto é, primeiro num sentido (p.ex. do lado da EDP) e depois no outro (do lado do Bairro da FAP), deixando sempre livre um corredor que possibilitasse as ambulâncias de circular? Repito: é pergunta de leigo….
Leia mais sobre o assunto aqui.

Share

Vem aí o Natal e

22 de Novembro de 2003

Vem aí o Natal e com ele as habituais iluminações de rua.
O Comércio bejense, a viver dias de agonia, espera que a quadra salve o negócio e, certamente mais uma vez, vai contribuir para que as luzinhas alumiem os dias negros que se avizinham.
Ainda não perceberam que o problema não se resolve com iluminações natalícias e campanhas para se “consumir no comércio tradicional“?
Para o ano, os proprietários dos estabelecimentos sobreviventes, repetirão os mesmos slogans e continuarão a não apontar o dedo a quem é responsável pelo homicídio do centro histórico de Beja.
Até que um dia alguém se chateie a sério….

Share