Set 05 2003

Destaque

Publicado por as 10:16 em Blogosfera

Leio, releio e revejo-me neste comunicado do EpiCurtas.

Transcrevo na íntegra (com a devida vénia), porque é valioso:

“Alentejo. Não sou alentejano. Mas amo o Alentejo. E não o faço com o distanciamento urbano, que acha pitoresco o Domingo ao sul. Amo o Alentejo pelo que é. Verdadeiramente. Pelas suas cores, pelos seus sabores, pelos seus cheiros, pelas suas gentes, pela sua dolência e irreverência. E sei do que falo. E falo do Alentejo mais distante. Do Baixo-Alentejo. Do Alentejo Interior. Do Alentejo quente, no Verão, como o forno do pão no Inverno. Do Alentejo frio, no Inverno, como o gaspacho no Verão. Falo do Alentejo desprezado pelo poder político. Abandonado pela comunicação social. Usado pela urbanidade chique. Do Alentejo de Barrancos . uma vez mais olvidado, como durante séculos, agora que a tensão já não se sobrepõe à tradição”.

Em poucas linhas, que riqueza de palavras!

Share

Não são permitidos comentários.